Festival de Locarno 2021 | Confira a programação completa da 74ª edição, com cobertura do Quarta Parede POP

Em 2021 o Festival de Locarno completa 74 anos! Ocorrendo anualmente na cidade de Locarno (Suíça italiana), o festival foi mais um que aderiu o que outros festivais vêm fazendo desde o ano passado devido a pandemia da COVID-19, adotou o formato híbrido. Em 2020 sua edição foi cancelada por conta da pandemia, dessa forma, o festival esse ano irá ocorrer de modo presencial e virtual, contando com cobertura Quarta Parede POP.

O Festival de Locarno é um dos festivais de cinema de maior duração, também conhecido por ser uma grande plataforma para filmes de arte. O festival exibe filmes em várias seções competitivas e não competitivas, incluindo narrativas e documentários em longa-metragem, curtas, vanguarda e programas de retrospectiva.

Histórico

O Festival de Locarno teve início em 23 de agosto de 1946, no Grande Hotel de Locarno, com a exibição do filme ‘O sole mio’ de Giacomo Gentilomo. A primeira edição foi organizada em menos de três meses com um line-up de quinze filmes, principalmente americanos e italianos, entre os quais ‘Roma, Cidade Aberta‘ dirigido por Roberto Rossellini, ‘And Then There Were None’ dirigido por René Clair (1945), ‘Double Indemnity’ de Billy Wilder (1944) e ‘The Song of Bernadette’ de Henry King (1943).

Claude Chabrol, Stanley Kubrick, Paul Verhoeven, Marco Bellocchio, Glauber Rocha, Raúl Ruiz, Mike Leigh, Béla Tarr, Edward Yang, Jim Jarmusch, Ang Lee, Gregg Araki, Christoph Schaub, Catherine Breillat, Abbas Kiarostami, Gus Van Sant, Pedro Costa, Fatih Akin, Claire Denis e Kim Ki-Duk são alguns dos nomes que já passaram pelo festival.

A 73ª edição, que estava agendada para 5 a 15 de agosto de 2020, foi cancelada devido à pandemia COVID-19; em seu lugar foi realizada a edição especial intitulada “Locarno 2020 – Para o Futuro do Cinema”. O festival pediu a grandes diretores, incluindo Lucrecia Martel e Lav Diaz, para selecionar filmes dos 74 anos de história do festival para uma retrospectiva que será exibida online e em locais físicos.

Prêmios

O Festival contabiliza  11 seções, 3 competições e 20 prêmios, no qual o prêmio máximo é o Leopardo de Ouro, atribuído ao melhor filme da Competição Internacional. Outros prêmios incluem o Leopardo de Honra por conquistas na carreira e o Prix du Public UBS, o prêmio de escolha do público. Entre os principais prêmios também estão o Prêmio especial do júri (segundo lugar), Leopardo de Melhor Direção, Leopardo de Melhor Atriz e Leopardo de Melhor Ator.

Em sua última edição, o festival premiou com o Leopardo de Ouro o filme Vitalina Varela’, de Pedro Costa, representante de Portugal no Oscar de Melhor Filme Internacional e exibido na Mostra SP. Em 2017 o Prêmio Especial do Júri foi entregue ao filme ‘As Boas Maneiras’ de Marco Dutra e Juliana Rojas.

O júri que irá decidir o grande vencedor do ano da Competição Internacional é presidido pela diretora Eliza Hittman (Nunca, Raramente, Às Vezes, Sempre). O diretor Kevin Jerome Everson (Parque Tonsler), o diretor Philippe Lacôte (Noite de Reis), a atriz Leonor Silveira (Todos os Mortos) e a atriz Isabella Ferrari (Baby) completam o júri.

Confira abaixo a seleção de filmes desse ano:

MOSTRAS COMPETITIVAS:

COMPETIÇÃO INTERNACIONAL
Estreias mundiais, vindas de todo o mundo e competindo pelo prestigiado Leopardo de Ouro.  É aqui que convergem as melhores formas de cinema contemporâneo.

After Blue (Paradis sale), de Bertrand Mandico (França)
Al Naher (The River), de Ghassan Salhab (Líbano/França/Alemanha/Qatar)
Espíritu sagrado (The Sacred Spirit), de Chema García Ibarra (Espanha/França/Turquia)
Gerda, de Natalya Kudryashova (Rússia)
I giganti (The Giants), de Bonifacio Angius (Itália)
Jiao ma tang hui (A New Old Play), de Qiu Jiongjiong (Hong Kong/França)
Juju Stories, de C.J. “Fiery” ObasiAbba T. Makama e Michael Omonua (Nigéria/França)
La Place d’une autre (Secret Name), de Aurélia Georges (França)
Leynilögga (Cop Secret), de Hannes Þór Halldórsson (Islândia)
Luzifer, de Peter Brunner (Áustria)
Medea, de Alexander Zeldovich (Rússia)
Nebesa (Heavens Above), de Srdjan Dragojević (Sérvia/Alemanha/Macedônia/Eslovênia/Croácia/Montenegro/Bósnia e Herzegovina)
Petite Solange, de Axelle Ropert (França)
Seperti Dendam, Rindu Harus Dibayar Tuntas (Vengeance Is Mine, All Others Pay Cash), de Edwin (Indonésia/Singapura/Alemanha)
Sis dies corrents (The Odd-Job Men), de Neus Ballús (Espanha)
Soul of a Beast, de Lorenz Merz (Suíça)
Zeros and Ones, de Abel Ferrara (Alemanha/Reino Unido/EUA)

COMPETIÇÃO CINEASTA DO PRESENTE
Primeiro ou segundo longa-metragens de artistas, principalmente estreias mundiais, dirigidos por talentos globais emergentes. É o lugar dedicado à descoberta do cinema de amanhã, que merece ser apoiado além de todas as distinções de gênero.

Actual People, de Kit Zauhar (EUA)
Agia Emi (Holy Emy), de Araceli Lemos (Grécia/França/EUA)
Amansa tiafi (Public Toilet Africa), de Kofi Ofosu-Yeboah (Gana)
Brotherhood, de Francesco Montagner (República Tcheca/Itália)
Bu yao zai jian a, Yu hua tang (Virgin Blue), de Xiaoyu Niu (China)
Il legionario (The Legionnaire), de Hleb Papou (Itália/França)
Kun maupay man it panahon (Whether the Weather Is Fine), de Carlo Francisco Manatad (Filipinas/França/Singapura/Indonésia/Alemanha/Qatar)
L’Été l’éternité (Our Eternal Summer), de Émilie Aussel (França)
Mis hermanos sueñan despiertos (My Brothers Dream Awake), de Claudia Huaiquimilla (Chile)
Mostro, de José Pablo Escamilla (México)
Niemand ist bei den Kälbern (No One’s with the Calves), de Sabrina Sarabi (Alemanha)
Shankar’s Fairies, de Irfana Majumdar (Índia)
Streams, de Mehdi Hmili (Tunísia/Luxemburgo/França)
Wet Sand, de Elene Naveriani (Suíça/Geórgia)
Zahorí, de Marí Alessandrini (Suíça/Argentina/Chile/França)

LEOPARDO DO AMANHà (PARDI DI DOMANI)| COMPETIÇÃO INTERNACIONAL
Território de experimentação expressiva e poesia formal inovadora. Curtas e médias metragens em estreia mundial ou internacional.

A Máquina Infernal, de Francis Vogner Dos Reis (Brasil)
And Then They Burn the Sea, de Majid Al-Remaihi (Qatar)
Atrapaluz (Suncatcher), de Kim Torres (Costa Rica/México)
Dōng dōng de shèng dàn jié (Christmas), de Fengrui Zhang (China/EUA)
Fantasma Neon, de Leonardo Martinelli (Brasil)
FIRST TIME [The Time for All but Sunset – VIOLET], de Nicolaas Schmidt (Alemanha)
Giochi (Playtime), de Simone Bozzelli (Itália)
Imuhira (Home), de Myriam Uwiragiye Birara (Ruanda)
In Flow of Words, de Eliane Esther Bots (Holanda)
Layl (Night), de Ahmad Saleh (Alemanha/Qatar/Jordânia/Palestina)
Les Démons de Dorothy (The Demons of Dorothy), de Alexis Langlois (França)
Love, Dad, de Diana Cam Van Nguyen (República Tcheca/Eslováquia)
Mask, de Nava Rezvani (Irã)
Papyni krosivky (Dad’s Sneakers), de Olha Zhurba (Ucrânia)
Somleng reatrey (Sound of the Night), de Chanrado Sok Kongkea Vann (Camboja)
Squish!, de Tulapop Saenjaroen (Tailândia/Singapura)
Steakhouse, de Špela Čadež (Eslovênia/Alemanha/França)
Strawberry Cheesecake, de Siyou Tan (Singapura)
The Sunset Special, de Nicolas Gebbe (Alemanha)
Yi yi (Time Flows in Strange Ways on Sundays), de Giselle Lin (Singapura)

OUTRAS SEÇÕES:

PIAZZA GRANDE
O coração e a vitrine do festival. Com o seu ecrã gigante, um dos maiores da Europa, dotado de uma qualidade de projecção verdadeiramente excepcional, o Piazza Grande é um dos melhores espaços ao ar livre do mundo. O público da Piazza Grande também atua como o maior júri do planeta, votando no renomado “Prix du Public UBS” (Prêmio do Público).

Beckett, de Ferdinando Cito Filomarino (Itália)
Clube dos Cafajestes, de John Landis (EUA)
Free Guy, de Shawn Levy (EUA)
Heat, de Michael Mann (EUA)
Hinterland, de Stefan Ruzowitzky (Áustria/Luxemburgo)
Ida Red, de John Swab (EUA)
Monte Verità, de Stefan Jäger (Suíça/Áustria/Alemanha)
O Exterminador do Futuro, de James Cameron (EUA/Reino Unido)
Respect, de Liesl Tommy (Canadá/EUA)
Rose, de Aurélie Saada (França)
Sing-keu-hol (Sinkhole), de Kim Ji-hoon (Coreia do Sul)
The Alleys, de Bassel Ghandour (Jordânia/Egito/Arábia Saudita/Qatar)
Vortex, de Gaspar Noé (França/Bélgica/Mônaco)
Yaya e Lennie – The Walking Liberty, de Alessandro Rak (Itália)

FORA DE COMPETIÇÃO (FUORI CONCORSO)
Trabalhos recentes – longas-metragens e curtas-metragens, ensaios cinematográficos, documentários – de cineastas consagrados, fora de competição, apresentados principalmente em estreia mundial ou internacional.

Dal pianeta degli umani (From the Planet of the Humans), de Giovanni Cioni (Itália/Bélgica/França)
Il mostro della cripta (The Crypt Monster), de Daniele Misischia (Itália)
Mad God, de Phil Tippett (EUA)
Pathos Ethos Logos, de Joaquim Pinto e Nuno Leonel (Portugal)
Rampart, de Marko Grba Singh (Sérvia)
The Sadness, de Rob Jabbaz (Taiwan)

SESSÕES AO AR LIVRE (OPEN DOORS SCREENING)
A seção explora a produção cinematográfica diversificada do Sudeste Asiático e da Mongólia.

Aswang, de Alyx Ayn Arumpac (Filipinas, França, Noruega, Alemanha, Catar, Dinamarca)
Bor mi vanh chark (The Long Walk Laos), de  Mattie Do (Espanha, Singapura)
Manta Ray, de Phuttiphong Aroonpheng (Tailândia, França, China)
Money Has Four Legs, de Maung Sun (Myanmar)
Nguoi truyen giong (The Inseminator), de Bui Kim Quy (Vietnã, Alemanha)
Od ba gegee (They Sing Up on the Hill), de Bat-Amgalan Lkhagvajav, Ian Allardyce (Mongólia, Reino Unido)
Sekala niskala (The Seen and Unseen), de Kamila Andini (Indonésia)
The Story of Southern Islet, de Keat Aun Chong (Malásia)
Young Love, de Lomorpich Rithy (Camboja)

RETROSPECTIVA
Retrospectiva de algum grande artista do cinema. Este ano o artista será Alberto Lattuada.

12 registi per 12 città: Genova (12 directors for 12 cities: Genoa), de Alberto Lattuada (Itália)
Amore in città (Love in the city), de Alberto Lattuada, Michelangelo Antonioni, Federico Fellini, Carlo Lizzani, Francesco Maselli, Dino Risi, Cesare Zavattini (Itália)
Anna, de Alberto Lattuada (Itália, França)
Bianco rosso e… (White Sister), de Alberto Lattuada (Itália, França, Espanha)
Così come sei (Stay as You Are), de Alberto Lattuada (Itália, Espanha)

HISTÓRIA(S) DO CINEMA (HISTOIRE(S) DU CINÉMA)
Apresenta obras de cineastas e artistas a quem o Festival dedica homenagens especiais, cópias restauradas de obras raras e importantes, mas também filmes (documentários, ensaios, filmes experimentais e híbridos) que lançam um novo olhar sobre a história do cinema.

A Távola de Rocha (Around Rocha’s Table), de Samuel Barbosa (Portugal, Japão)
Al-massir (Destiny), de Youssef Chahine (Egito, França)
Derborence, de Francis Reusser (Suíça)
Dick, de Andrew Fleming (EUA, França, Canadá)
Docteur Chance (Doctor Chance), de Chile F.J. Ossang (França, Chile)

LOCARNO KIDS: SCREENINGS
A seção Locarno Kids Screenings oferece filmes para crianças e adolescentes. Destaca-se a projeção de obras em estreia nacional, juntamente com títulos restaurados que ajudam a redescobrir a história do cinema.

Clorofilla dal cielo blu, de Victor J. Tognola (Suíça)
Go West, de Buster Keaton (EUA)
Here My Village, de Abas Aram (Irã)
Trash – La leggenda della piramide magica (Trash – The legend of the magic pyramid), de Luca Della Grotta, Francesco Dafano (Itália)
Zu weit weg (Too Far Away), de Sarah Winkenstette (Alemanha)

SEMANA DA CRÍTICA (SEMAINE DE LA CRITIQUE)
Seção independente do Festival de Cinema de Locarno, organizado pela Associação Suíça de Jornalistas de Cinema.

A Thousand Fires, de Saeed Taji Farouky (França/Suíça/Holanda/Palestina)
Bukolika, de Karol Pałka (Polônia)
Film balkonowy (The Balcony), de Paweł Łoziński (Polônia)
How to Kill a Cloud, de Tuija Halttunen (Finlândia/Dinamarca)
Walk With Angels, de Tomasz Wysokiński (Polônia)
Stand Up My Beauty, de Heidi Specogna (Suíça/Alemanha)
The Bad Man, de Lee Yong Chao (Taiwan)

PANORAMA SUÍÇO (PANORAMA SUISSE)
Seção independente do Festival de Cinema de Locarno. Os filmes são selecionados por uma comissão com representantes do Solothurn Film Festival, SWISS FILMS e da Swiss Film Academy.

Apenas el sol (Nothing but the Sun), de Arami Ullón (Suíça/Paraguai)
Atlas, de Niccolò Castelli (Suíça, Bélgica, Itália)
Das Mädchen und die Spinne (The Girl and the Spider), de Ramon Zürcher, Silvan Zürcher (Suíça)
Das neue Evangelium (The New Gospel), de Milo Rau (Suíça, Alemanha)
Das Spiel (The Game), de Roman Hodel (Suíça)
Deine Strasse (Your Street), de Güzin Kar (Suíça)
Mare, de Andrea Štaka (Croácia)

O Festival de Locarno ocorre entre os dias 4 e 14 de agosto e contará com cobertura do Quarta Parede POP. Nos acompanhe para saber mais sobre a 74ª edição do festival.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Estudante de psicologia e fascinada pelo audiovisual. Acredita que o cinema seja uma arte de teor político que dá voz a quem não é ouvido. Gosta de conhecer novas culturas e acredita que o cinema seja a melhor forma para isso, expandindo assim a visão de mundo dentro se sua limitada realidade.