Crítica | O autêntico e emocionante ‘Pieces of a Woman’

Vanessa Kirby em "Pieces of a Woman" (2020)

Pieces of a Woman é um relato extremamente honesto, humano e legítimo. Já em seu início sentimos o peso da história que nos será contada. Com um plano sequência forte, que nos expõe a sinceridade de um parto doméstico, com todos os seus afetos, dores e medos envolvidos, compartilhamos do momento daquela personagem de uma forma pura, poderia assim dizer. Há um sofrimento tangível naqueles minutos, originário de um lugar profundo e real. 

De fato, a trama foi baseada em um acontecimento verídico ocorrido com a roteirista, Kata Wéber, casada com o diretor do filme, Kornél Mundruczó. Já nesta tomada, há um pressentimento. Algo ruim está para acontecer. O plano sequência nos passa uma sensação de desespero, sufoco, abandono. A potência de Martha ao dar à luz, o companheirismo de Sean ao permanecer ao lado da mulher, o pânico velado da parteira. A linha do tempo desses indivíduos é quebrada ali, o acontecimento que dividiu tudo entre antes e depois, o passado e o agora. 

Trata-se de uma premissa simples, no entanto, é uma história válida de se narrar e narrada de maneira extremamente sensível e verdadeira. Após a perda do bebê, testemunhamos o que poderia ser chamado de previsível. O sofrimento de Martha, o desalento de Sean, a dor da família, o abismo criado entre o casal, que se afasta conforme os meses passam. No entanto, sua previsibilidade não elimina o ímpeto e expressividade do filme. Somos atraídos à essência de seus personagens. Suas lutas pessoais, evoluções ou regressões e, sobretudo, seus confrontos com tal acontecimento. 

Há cenas realmente emocionantes, como a que a mãe de Martha exibe seus motivos para querer encontrar um culpado para a situação. A obra é firmada na história, mas são seus atores, aqui brilhantes, que, de fato, lhe acrescentam vivacidade e franqueza. Vanessa Kirby, Shia LeBeouf e até mesmo a parteira, em poucas ações, concretizam performances infalíveis. O filme tem seus defeitos, como qualquer outro, principalmente no que tange o destino de Sean, que parece ignorado. 

A indicada ao Oscar Vanessa Kirby em “Pieces of a Woman” – 2020 (Netflix)

A maçã é um elemento que aparece em vários tempos da obra. É uma fruta preferida de Martha, é o cheiro que a recém nascida emite, são as sementes que a mulher guarda como forma de enfrentar o luto. Apesar de clichê, é uma metáfora oportuna e bonita, que faz nossa protagonista compreender que não há culpados naquela tragédia. Nada consertará o que foi quebrado. Mas a vida reinventa-se, continua, cresce para todos os lados, nos surpreende. É uma mensagem bem-vinda. 

Vanessa Kirby recebeu uma indicação ao Oscar 2021 na categoria Melhor Atriz.

PIECES OF A WOMAN
4

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Isa Carvalho

Jornalista e estudante de cinema. Acredita que o cinema é um documentário de si mesmo, em que o impossível torna-se parte do real. "Como filmar o mundo se o mundo é o fato de ser filmado?"