Crítica | Sem tempo para enrolação, ‘Godzilla vs Kong’ chega para ser o ultimato em duelos de monstros

Após uma longa jornada, na qual a Warner Bros. realizou vários filmes conectados entre si, com o objetivo de compor o “Monstroverso”, um universo compartilhado tendo como fator comum a existência de Titãs, monstros de tamanho descomunal com o hábito de destruir as cidades enquanto as pessoas correm por suas vidas.Godzilla vs Kong

Seja como vilão ou uma controversa espécie de herói, Godzilla vem aterrorizando as cidades japonesas e posteriormente as demais localidades do mundo, sempre tendo como rivais todo um bestiário de monstros gigantes, dos mais variados tipos e dotados das mais diversas habilidades, criando uma aura ao redor da criatura como uma espécie de “zelador” do mundo, prezando pelo equilíbrio do planeta e a preservação das espécies.

Já o Kong também recebeu várias outras versões além da clássica, em que o macaco gigante acaba morto pelos caças no topo do Empire States protegendo sua amada. Ele também teve que enfrentar monstros gigantes, inclusive o lagartão radioativo (versão na qual, Kong sai vitorioso).

E, assim como em épocas passadas, o público (e os realizadores) fã de monstros começaram a conjecturar um possível encontro e uma batalha entre esses dois pesos pesado. Foi pensando nisso que a última versão cinematográfica de Kong deu um up na escala do primata gigante para que ele pudesse fazer frente à Godzilla, uma vez que este monstro é do tamanho de arranha-céus, enquanto o primeiro nas versões mais clássicas, não passava de sete metros, uma criatura mais modesta se comparada à casa dos 30 metros ou mais dos monstros na categoria de tamanho do Godzilla.

Então, após a preparação, finalmente o público foi presenteado com o tão esperado Godzilla vs Kong.

Godzilla vs Kong – 2021 (Warner Bros.)

A premissa do longa busca apresentar um Godzilla realizando ataques esporádicos sem nenhum motivo aparente, ameaçando a humanidade. Sem meios para combater tamanha ameaça, resta aos cientistas, além de alguns personagens secundários, inclusive crianças, recorrer ao único ser capaz de fazer frente ao réptil, o rei da Ilha da Caveira, Kong, que agora tem seu lar monitorado constantemente por um time de cientistas que cobriram a antiga ilha com uma espécie de redoma tecnológica e uma rede de câmeras com o objetivo de estudar o titã.

Além de utilizar o macaco gigante como protetor, os humanos buscam também levá-lo para explorar a Terra Oca, um local no subterrâneo, próximo do núcleo da Terra, onde acredita-se que seja o berço dos titãs. E de fato, o local parece guardar vários segredos, inclusive evidências de uma antiga guerra na qual apenas Kong e o Godzilla se ergueram como sobreviventes.

E enfim, chegamos ao objetivo do filme que é a pura e simples trocação de golpes entre os monstros. Com pouco tempo de tela para as tão odiadas subtramas envolvendo dramas pouco inspirados entre os personagens humanos, que traz nomes como Kyle ChandlerBrian Tyree HenryJulian Dennison, Rebecca Hall, Alexander Skarsgård, Eiza GonzálezMillie Bobby Brown, mas sem descartá-los por completo (afinal, os humanos não estão apenas presentes na história, mas são ativos e até possuem alguns momentos primordiais para a história), os holofotes se rendem aos monstros e seus embates épicos.

Millie Bobby Brown em “Godzilla vs Kong” – 2021 (Warner Bros.)

E em seus objetivos, o longa acerta e acerta muito! Apesar de apresentar alguns pequenos problemas de escala e efeitos, isso não diminui em nada as cenas de ação entre monstros. Diferente dos filmes anteriores de Godzilla, os quais apresentavam cenas escuras e repletas de poeiras, escondendo na maioria dos momentos, as criaturas, Godzilla vs Kong busca seguir mais o estilo do último filme do Kong, desenrolando as cenas de ação em plena luz do dia ou em cenas noturnas, no meio da cidade, iluminadas pelas luzes urbanas e neon.

Interessante ressaltar que o enredo sabe utilizar de forma inteligente as habilidades e características, bem como fraquezas e habilidades de cada monstro, assim como também conseguem criar uma ameaça original (apesar de já ter sido explorada no passado) comum para os dois monstros, ameaçando também sua extinção, assim como seus antepassados.

Em suma, Godzilla vs Kong é um excelente blockbuster, com cenas de ação eletrizantes, alívios cômicos e, claro, uma rinha de monstros de respeito.

GODZILLA VS KONG
4

RESUMO

Simples e objetivo, Godzilla vs Kong coloca frente a frente dois dos maiores monstros do cinema, e diverte dando foco ao embate entre os dois.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Cineasta independente e amante de filmes e séries. Nutre uma intensa paixão pela habilidade que só o ser humano tem de transmitir os aspectos de sua alma por meio da Arte...