Crítica | A Festa de Formatura entrega um bom filme “good vibes”

Se levarmos em conta os principais destaques de 2020 em relação a cultura pop, Ryan Murphy teria sua carinha registrada em diversos desses títulos, principalmente os que rodearam o catálogo da NetflixEm A Festa de Formaturao cenário é um pouco diferente, tendo Murphy não somente envolvido na produção – que é o seu cargo de costume – como também na direção, mantendo mais uma vez seu contrato com a plataforma bastante ativo. 

A Festa de Formatura adapta o famoso musical da Broadway para o audiovisual pela primeira vez. Tendo sua estreia feita no Alliance Theatre de Atlanta em 2016, e nos teatros da Broadway em 2018, o sucesso do espetáculo conseguiu ser tão estrondoso a ponto de também ganhar uma adaptação literária. Ou seja, Murphy possuía uma grande responsabilidade em mãos. Sua experiência ao criar Gleecom certeza, foi ao seu favor ao escolher esse projeto, e é possível encontrar várias características da série na direção dos números musicais. 

A história gira em torno de um grupo de atores em decadência da Broadway – Dee Dee (Meryl Streep), Barry Glickman (James Corden), Angie Dickinson (Nicole Kidman) e Trent Oliver (Andrew Rannells) – que encontram a oportunidade de melhorarem suas imagens ao darem visibilidade ao caso de Emma (Jo Ellen Pellman), que está sendo proibida pela escola de levar sua namorada ao baile de formatura.  

Por ser uma adaptação da Broadway, quem decidir dar o play em A Festa de Formatura já deve esperar um combo de exageros e breguices, que são os grandes responsáveis por fazerem a magia dos musicais acontecer. O filme não esconde essas facetas, e embarca o espectador em universo extremamente colorido, alegre (apesar dos temas pesados tratados), e divertido.  

A Festa de Formatura – Netflix (2020)

Os números musicais grandiosos e escapistas são o principal destaque. Se você espera algo mais orgânico, em que as músicas se encaixam no desenrolar da história, talvez esse filme não seja a melhor escolha. Aqui, as músicas são frequentes, com pouco tempo de respiro entre uma e outra, e evidenciam aquele famoso clichê de que os personagens começam a cantar do nada. Há algo de errado com isso? Não, mas claramente não agrada a todos.  

Os nomes de peso que recheiam o elenco são, com certeza, o ponto mais chamativo, e todos eles entregam um bom trabalho, principalmente StreepJames Cordenentretanto, é uma exceção. O apresentador e ator extrapola o nível de caricato, e da vida à um personagem distante do público. Certamente, sua popularidade tenta “justificar” a presença em grandes filmes de Hollywood, e a entrega deveria ir de acordo com o número de papéis que vem ganhando, porém não é isso o que acontece aqui.  

A Festa de Formatura é o típico filme good vibes de fim de ano, tendo como intenção tratar de assuntos sérios – como homofobia e autoaceitação, por exemplo – de forma leve e que consiga transmitir uma mensagem de esperança para o espectador. Assistir à um filme que não procura transmitir nada além de positividade chega a ser um respiro de ar fresco em tempos caóticos. Nem mesmo a superficialidade de Corden e a excessiva duração conseguiram isentar isso.  

A FESTA DE FORMATURA | THE PROM

Resumo

Apesar da atuação caricata de James Corden, o resto dos nomes de peso e os grandiosos números musicais fazem de A Festa de Formaturaum bom filme “good vibes” de fim ano.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Gabriel Granja

Jornalista apaixonado pela sétima arte. Acredita que o cinema tem o poder de mudar pensamentos, pessoas e o mundo. Encontra nos filmes e séries um refúgio para o caos da vida cotidiana.