Chicago 2020 | ‘The Reason I Jump’ acompanha famílias de jovens autistas – Crítica

Com um forte âmbito de documentários baseados em tramas pessoais este ano, o documentário The Reason I Jump não é uma curva fora da linha. Baseado no livro de mesmo nome, o filme utiliza como base o livro O que Me Faz Pular, biografia de Naoki Higashida. Escrito quando Naoki Higashida tinha apenas 13 anos, o conjunto de ensaios reunidos neste livro conta, do ponto de vista do próprio Higashida, a experiência de ser autista. O documentário, utiliza a narração do livro de Higashida para dar entrada na vida de outros jovens autistas que, encontraram em suas vidas, a partir da determinação e dedicação das pessoas ao seu redor, formas de desenvolver sua comunicação, imaginação e criatividade, indo além dos limites que os foram impostos. 

Exibido no Festival de Internacional de Cinema de Chicago (CIFF), em The Reason I Jump acompanhamos em cena um jovem japonês, que, percorre paisagens naturais representando o eu lírico do autor. Enquanto há a narração do livro em off, é notável a diferente maneira do jovem de se expressar, os pensamentos e sentimentos que o acompanham. Esse será o ponto de partida para que possamos conhecer outras realidades que se assemelhem ao do jovem em cena, que entendeu o significado do autismo em sua vida a partir da sociedade ao seu redor 

Com diferentes histórias de vida apresentadas, conhecemos através dos pais e responsáveis, a história de jovens e adultos que são autistas e a forma como suas famílias lidam e lidaram com isso no passado. A sua maneira, cada qual precisou traçar diferentes caminhos para conseguir desenvolver uma forma de comunicação e entendimento na linguagem, já que é uma das características do autismo a dificuldade na fala devido a apraxia. Enquanto alguns o desenvolvem, outros seguem outros caminhos que possibilita a comunicação. 

Sensível, e esteticamente melancólico, o documentário entra em cada família para apresentar novas realidades, tendo em vista que o autismo vem, com o passar dos anos, ainda ganhando notoriedade social e visibilidade. Através da luta dos pais e profissionais, são apresentadas de forma emocionante o processo que cada mãe e pai desempenhou ao tentar se conectar com seus filhos e entender a realidade na qual eles estavam inseridos. 

O entendimento do Transtorno do Espectro Autista e a forma como ela acomete diferentemente cada indivíduo é abordada através das experiências compartilhadas por cada família. Enquanto uma jovem desenvolveu na arte sua forma de expressão, sua mãe aprendeu com o tempo o que cada ação da garota simbolizava: a troca de afeto, o não gostar, etc. Enquanto isso, dois melhores amigos autistas desenvolveram através da interferência profissional, sua própria forma de expressão. Enquanto a moça conseguia se expressar através da fala, o garoto desenvolveu sua linguagem através de uma placa com as letras do alfabeto na qual aponta para cada uma delas até formar palavras, frases e assim conseguir se expressar. 

Explorando realidades diferentes e as experiências dos familiares, bem como dos próprios jovens autistas, The Reason I Jump é um documentário que segue a narrativa tradicional documental acompanhando seus personagens, e fazendo o uso de seus depoimentos. Para enfatizar essa realidade, a narração do livro de Higashida transmite, através das palavras, tudo o que vemos em cena na realidade das famílias. Através das imagens do jovem garoto que juntamente com a simbólica trilha sonora de Nainita Desai, tornam o filme ainda mais melancólico e delicado, o longa dramatiza o livro no qual os pensamentos e sensações parecem sair da mente do pequeno rapaz. 

Dirigido por Jerry Rothwell, The Reason I Jump é um filme que utiliza os artifícios a arte documental, juntamente com o cinema de ficção, para transmitir em cena uma palpável realidade ainda pouco explorada. Por mais que acompanhemos mais os pais e familiares do que propriamente os jovens, ainda é uma experiência sensorial que expande a mente para entendermos que não existe um “viver em seu próprio mundo”, mas sim outras formas e possibilidades de existir e resistir no mesmo mundo no qual vivemos em sociedade. 

THE REASON I JUMP
3

RESUMO

Sensível e delicado, The Reason I Jump apresenta o desenvolvimento de um jovem autista no meio familiar e dentro da sociedade.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Juliana Oliveira

Estudante de psicologia e fascinada pelo audiovisual. Acredita que o cinema seja uma arte de teor político que dá voz a quem não é ouvido. Gosta de conhecer novas culturas e acredita que o cinema seja a melhor forma para isso, expandindo assim a visão de mundo dentro se sua limitada realidade.