Mostra de SP 2020 | ‘Feels Good Man’ explora a bizarra influência de “Pepe, o Sapo” nas eleições norte-americanas de 2016 – Crítica

Em 2005, o cartunista Matt Furie passava seus dias desenhando um sapo enquanto trabalhava em uma pequena sala de uma loja. A partir deste anfíbio verde antropomórfico com um corpo humanoide, Matt desenvolveu mais outros três personagens e criou a história de quadrinhos Boy’s Club. Com a fusão de sua personalidade e a de seus amigos, Matt disponibilizava seus quadrinhos no MySpace onde possuía um fiel público. Entretanto, com o passar do tempo, Pepe, o sapo da Boy’s Club, se tornou uma figura tão conhecida da internet, indo parar inclusive em outros portais como Gaia Online e 4chan. No documentário Feels Good Man, de Arthur Jones, acompanhamos como de um simples desenho divertido, Pepe o sapo, foi apropriado como símbolo da extrema direita e se tornou parte da campanha que ajudou a eleger Donald Trump nas eleições de 2016. 

O convencional documentário disponível na Mostra de SP 2020, utiliza depoimentos dos amigos de Furie que acompanharam o surgimento e sucesso de Boy’s Club, cartunistas que apreciam o trabalho de Matt, além de outras pessoas envolvidas nas diversas fases pelas quais Pepe esteve presente. Supremacistas brancos, diretor de marketing da campanha de Trump, advogados dentre outros emprestam sua voz para que seja possível entender o que ocorreu desde que o divertido sapo, sem nenhum propósito político, foi criado, até encabeçar a campanha de Trump. Dirigido por Arthur Jones, o minucioso documentário aborda, a partir de Matt, a trajetória percorrida por ele e por Pepe desde sua criação até o ano de 2020. Divertido de uma forma séria, Feels Good Man utiliza desenhos de Matt do próprio Pepe para expressar através do desenho como o personagem – versão dele – se sentiu nas difíceis passagens narradas.  

Um dos pontos mais interessantes do documentário, é acompanhar o processo de confiança de Matt Furie. Apresentado como um cara tranquilo que possui somente o apreço em se expressar através da arte, quando viu seu desenho sendo apropriado pela extrema direita e utilizado para ações nas quais o rapaz não concordava, a dor de cabeça que pensava em ter ao se envolver foi maior do que a de observar o que estava sendo feito de longe. Dessa forma, acompanhamos os eventos ficarem cada vez piores, como o uso para destilação de ódio às minorias, sua força utilizada como um símbolo da extrema direita em debates eleitorais e principalmente o uso em cartazes pró-Trump. Somente quando a situação fica extremamente séria, Matt decide agir dando inícios a uma série de processos para reaver o seu personagem. 

Antes de tentar reter o controle, Furie tentou, através de diversas formas, outras alternativas de desvincular o seu personagem à tamanha sujeira, como um processo de reapropriação, de campanha pró-amor, até mesmo levando o Pepe a morte nos quadrinhos. Nada foi o bastante. O documentário utiliza a história de Pepe para ver, detalhadamente, como ocorreu a sua apropriação pelo público de homens nerds brancos que vivem nos sótãos de suas casas e qual o caminho feito a partir dos fóruns como 4Chan às eleições. Além disso, Feels Good Man utiliza a história de Pepe para apresentar o uso da internet e a explorar se, de fato, ela é terra de ninguém. 

Ao se propor a usar a internet como fonte de pesquisa, um novo mundo surge a partir da câmera. Pepe não se tornou somente um grande símbolo online, como também um novo tipo de dinheiro online para os colecionados que possuem as raras cartas de Pepe. É assim que Alex se desdobra sobre a apropriação e desapropriação feita no mundo contemporâneo, e como isso é feito, tanto com símbolos do passado – como o rei egípcio Kek associado ao Pepe – como pode também, vir a ocorrer futuramente – como a utilização de Pepe nos protestos em Hong Kong – .

Apesar de ter 92 minutos de duração, Feels Good Man passa mais rápido do que se gostaria. O interessante documentário parte de um famoso divertido meme para grandes eventos da política e da história mundial. O filme subverte o desenho como fio condutor de sua história e para a sua história, utilizando-os para acompanhar o início da grande jornada de Pepe e da terrível escuridão que Matt iria enfrentar anos depois de sua criação, quando a mesma foi utilizada contra ele. Apesar de apresentar uma história com base em eventos ocorridos, o documentário não se isenta de questionar e indagar o seu público. Sem entregar respostas, busca percorrer uma cronológica história apresentando àqueles que estiveram presentes em cada uma de suas fases.  

Divertido, assustador, mas principalmente surpreendente, o longa lança vista sobre temas presentes no debate político mundial a partir de um simples desenho de sapo apresentando os benefícios e malefícios da internet sem nunca os estigmatizar. Indicado a três categorias ao Critics’ Choice Documentary Awards, Feels Good Man é tão preciso no que aborda, na forma como foi feita, que mais algumas horas acompanhando Furie e Pepe nessa perigosa aventura não seria tão difícil. Conhecer ambos a somente 1h30 foi o suficiente para tornar a cena final incrivelmente emocionante e melancólica. 

Acompanhe aqui a cobertura do Quarta Parede POP da Mostra de SP 2020

FELLS GOOD MAN
4.5

RESUMO

Dinâmico documentário de Arthur Jones, Fells Good Man explora o poder da internet através do famoso meme “Pepe, o Sapo”.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Juliana Oliveira

Estudante de psicologia e fascinada pelo audiovisual. Acredita que o cinema seja uma arte de teor político que dá voz a quem não é ouvido. Gosta de conhecer novas culturas e acredita que o cinema seja a melhor forma para isso, expandindo assim a visão de mundo dentro se sua limitada realidade.