Mostra de SP 2020 | Mamãe, Mamãe, Mamãe é uma experiência sensorial que transita entre o “coming of age” e o luto – Crítica

Abordar uma situação traumática por meio do olhar infantil nunca é uma tarefa fácil. Em Mamãe, Mamãe, Mamãefilme argentino dirigido por Sol Berruezo Pichon-Riviére, esse assunto é tratado da forma mais delicada possível, focando no amadurecimento da criança após severas mudanças no ambiente em que está inserida. 

O filme segue o cotidiano de Cleo (Agustina Milstein), que após sofrer a perda da sua irmã devido à um afogamento na piscina, passa a conviver com suas primas e tia, enquanto sua mãe se isola no quarto em luto pela morte da filha. Cleo vai ser inserida em um contexto extremamente feminino de descobertas e amadurecimento, enquanto lida com a ausência da mãe e o sentimento de solidão. 

A experiência sensorial que a diretora traz consegue aproximar o espectador daquela realidade, sem que precise inserir grandes acontecimentos pra fazer a história andar. É, realmente, um filme para se sentir, e acompanhar o dia a dia dessas meninas que encontram descobertas novas a todo momento. A infância é um momento sensível, mas que mesmo inserida em uma realidade extremamente pesada, ainda é possível encontrar a inocência que ela carrega. 

Lidar com as mudanças do corpo, sua existência e amadurecimento, ao mesmo tempo em que sofre com a ausência de sua principal figura acolhedora não é algo fácil. Em alguns momentos, devido ao elenco majoritariamente feminino e infantil, sentimos como se estivéssemos vendo uma diferente versão de As Virgens Suicidas. A presença dos adultos quase não é mostrada, especialmente para dar a sensação de que aquelas meninas, principalmente Cleo, estão lidando com tudo a partir do companheirismo entre uma e outra. 

Mamãe, Mamãe, Mamãe um filme e triste e bonito na sua melhor essência. Pode ser monótono para alguns, mas para outros a experiência sensorial será recheada de significados. Os longos takes ajudam na inserção naquele universo, ao mesmo tempo em que deixa tudo ainda mais íntimo do que já é. Belíssimo, melancólico, e real. 

Acompanhe aqui a nossa cobertura da 44ª Mostra de São Paulo, que ocorrerá entre os dias 22 de outubro a 4 de novembro

MAMÃE, MAMÃE, MAMÃE | MAMÁ, MAMÁ, MAMÁ
4

RESUMO

Melancolia, luto, e descobertas resumem a experiência sensorial que Mamãe, Mamãe, Mamãe oferece.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Gabriel Granja

Jornalista apaixonado pela sétima arte. Acredita que o cinema tem o poder de mudar pensamentos, pessoas e o mundo. Encontra nos filmes e séries um refúgio para o caos da vida cotidiana.