VIFF 2020 | ‘Father’ expõe a precariedade humana no drama de um pai que luta pela guarda dos filhos – Crítica

Em seu quinto longa, o diretor sérvio Srdan Golubović acompanha em Father (Otac) a trajetória de Nikola (Goran Bogdan) quando seus filhos são tirados dele após o serviço social decidir que ele é muito pobre para oferecer um ambiente de vida decente. Ele sai a pé para apresentar uma queixa em Belgrado, cidade que fica a 300 km de distância.

Exibido na seção Panorama da Berlinale em 2020, seção premiada pelo público, o filme recebeu os prêmios de Melhor Filme de Ficção e Prêmio do Júri Ecumênico. Além de ter sido o maior vencedor do FEST International Film Festival, levando o Prêmio do Júri FEDEORA de Melhor Filme, Melhor Ator e Prêmio Stella Artois. O filme também está sendo exibido no Festival Internacional de Vancouver (VIFF), onde o Quarta Parede POP pôde conferir o longa.

Em uma província humilde no interior da Sérvia, uma mulher vai com seus filhos até uma indústria, quando entra é impedida de prosseguir o caminho pois precisa marcar hora. Gritando de longe, afirma ser mulher de Nikola e informa que se o pagamento de seu marido não for feito, ateará fogo em seu corpo e nos de seus filhos pois não aguentam mais passar fome. Sendo ignorada, a mulher joga óleo em seu corpo e põe fogo. Assim ocorre a passagem inicial do drama que de forma crua e objetiva, expõe o poder das mídias e o pior dos homens. 

Após perder a guarda dos seus filhos, Nikola, um homem abatido pelo cansaço, não mede esforços para conseguir novamente com que eles fiquem com o pai. O homem que foi demitido, e ainda não recebeu a sua indenização mesmo após um ano sem emprego se mantém com os bicos que faz na região. De forma humilde e simples, não entende totalmente o funcionamento burocrático do trâmite social, mas não desiste de seus filhos mesmo com os obstáculos que encontra. Com sua mulher no hospital devido ao ferimento do corpo, ele decide ir a pé ao encontro do ministro, para conseguir reaver a guarda dos filhos.

Com uma garrafa de água, pão e uma coberta na mochila, Nikola começa sua trajetória percorrendo os 300km até a cidade de Belgrado. Father se passa grande parte durante o trajeto do homem, que no seu caminho encontra poucas gentilezas, destacando um cachorro que dorme com ele em sua primeira noite na estrada. Nessa espécie de road movie vemos que a pobreza monetária foi o estopim para que Nikola perdesse seus filhos, mas a pobreza da índole humana que desencadeia todo o resto. Desde a falta de emprego do homem sendo um problema social que atinge vários homens da região, como a forma que os homens que estão acima dele na lei e, até mesmo seus vizinhos, o tratam.

O caminho tortuoso trafegado pelo rapaz em Father não é romantizada como alguns filmes costumam fazer utilizando uma boa trilha emotiva de fundo e uma bela imagem da natureza. Difícil e tenso, sentimos o peso de cada passo que o homem dá conforme a água termina, o pão acaba e a fraqueza transparece em seu rosto. Culpado por não ter emprego, o filme se assemelha a proposta dos irmãos Dardenne em Dois Dias, Uma Noite (2014). Lá os diretores focam em uma França onde uma mulher luta para conseguir reaver seu emprego, mas para isso depende da boa vontade de todos os seus colegas. Enquanto tenta convencer um a um a lhe ajudar, Nikola em Father precisa convencer somente uma pessoa, mas uma pessoa a frente de uma grande instituição corrupta e detentora de grandes poderes pode ser tão difícil quanto. 

Durante a caminhada, encontra algumas pessoas que oferecendo caronas para o moço, sempre afirmam “você nunca irá conseguir”, mesmo que não acredite, Nikola sente na pele que de fato, se torna cada vez mais difícil para ele conseguir se manter de pé. Decidiu ir a pé não somente pela falta de dinheiro para bancar a viagem, mas principalmente com o intuito de que aqueles que possuem o poder se solidarizassem com sua causa. Entretanto, Golubovic já havia nos dado uma amostra durante a caminhada do rapaz de como o mundo pode ser cruel e ganancioso. 

Juntamente com a caminhada de um humilde pai em busca de seus filhos, o diretor também escancara os falsos ideais da sociedade, que coloca os lucros individuais na frente de tudo. Mesmo após tentar contato com o ministro, Nikola só consegue o que deseja ao aparecer na TV. Assim, somente após a mídia se apropriar do ato de Nikola, é que ele ganha algum valor, quando a mobilização social parece agir em prol do mesmo e o caso repercute. 

Os próximos passos seguidos por Nikola só nos revela que, de fato, o destino não liga para o que passamos no passado, e muito menos a sociedade. O que nos leva a perguntar se os mais próximos, em um momento de fragilidade, ajudariam ou se aproveitariam da situação. Father responde isso de forma clara e simples através da vida de Nikola, que possui um poder transcendente nos olhares murchos e tristes do ator Goran Bogdan que entrega uma poderosa performance, firme mesmo quando aparenta desmoronar.  Um homem sem dinheiro, sem muitos bens, que encontra no poder legal e na sociedade ao seu redor os maiores obstáculos que deve enfrentar. 

FATHER | OTAC
4

RESUMO

Father (Otac) é um drama atual, que apesar de recordar um tempo mais antigo, se passa em um século XXI precário do mínimo: compaixão.

Acompanhe aqui a nossa cobertura completa do Festival Internacional de Cinema de Vancouver (VIFF) 2020

 

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Juliana Oliveira

Estudante de psicologia e fascinada pelo audiovisual. Acredita que o cinema seja uma arte de teor político que dá voz a quem não é ouvido. Gosta de conhecer novas culturas e acredita que o cinema seja a melhor forma para isso, expandindo assim a visão de mundo dentro se sua limitada realidade.