Critica | Com ótimas atuações, ‘The Morning Show’ entrega críticas à indústria do entretenimento

Sendo lançada como uma das séries que estrearia o serviço de streaming da Apple, o Apple TV +, The Morning Show chegou com o desafio de chamar a atenção do público para a nova plataforma. Desafio que foi cumprido de maneira excepcional, já que a série abocanhou indicações em diversos prêmios, inclusive em categorias no Emmy Awards 2020.

A série conta a história do programa matinal de notícias Morning Show, que está passando por uma grande mudança, já que um dos seus âncoras, Mitch Kessler (Steve Carell) é demitido após acusações de assédio sexual à suas colegas de trabalho virem a tona. Nisso, Alex Levy (Jennifer Aniston) precisa não só lidar com a demissão de seu colega, mas com a contratação de um novo âncora, onde também acompanhamos a história de Bradley Jackson (Reese Whitherspoon), uma repórter que ganhou a atenção do programa e está sendo cotada para assumir o lugar de Mitch.

A primeira coisa a ser notada na série é como os ótimos roteiro e direção conseguem apresentar toda a situação logo nos minutos iniciais do primeiro episódio, sem sobrecargas de informações, o que mantém o bom ritmo da série, mas sem que tempo de desenvolvimento dos personagens seja perdido por isso.

Além disso, outro ponto extremamente positivo é seu elenco. Reese Whitherspoon consegue transmitir toda a força das convicções de sua personagem, ao mesmo tempo toda a sua ambição com perfeição. Já Steve Carell e a ambiguidade de seu personagem nos passam a sensação de dúvida o tempo todo.

The Morning Show (Apple TV +)

Porém, o destaque fica para Jennifer Aniston. A atriz indicada ao Emmy não só consegue passar toda a angústia de Alex, e a sensação de que ela sabe muito mais da situação do que está falando em cenas de conflito e discussão, como em cenas com poucos diálogos. E apesar de dividir espaço com outros ótimos atores, sua personagem acaba sempre roubando a atenção.

A série também conta com um ótimo elenco, tendo nomes como Billy Crudup (de Watchmen e Alien: Covenant),  Mark Duplass (do filme de terror Creep), Gugu Mbatha-Raw (de Cloverfield Paradox), e muitos outros que conseguem entregar personagens que se destacam mesmo com o trio protagonista poderosíssimo, principalmente Mbatha-Raw e sua personagem Hannah, que discretamente se mostra uma personagem muito mais complexa do que aparenta.

Ao longo de seus dez episódios, a série não só consegue fazer ótimas críticas à indústria do entretenimento e toda a rede de mentiras e de silêncio que há por detrás das câmeras, mas também as imagens equivocadas que são feitas de celebridades da TV. Além, é claro, de mostrar como toda a área foi afetada pelo movimento #MeToo, que justamente expôs muitos casos de assédio sexual na indústria do entretenimento.

The Morning Show (Apple TV +)
THE MORNIG SHOW – 1ª TEMPORADA
5

RESUMO

The Morning Show não só entrega ótimas atuações, mas também conta com um ótimo roteiro, direção, personagens memoráveis e uma trama que faz ótimas críticas à indústria da televisão e toda a sua idealização.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Matheus Ribeiro

Paulista, jornalista em formação, gamer e viciado em filmes e séries. Acredita que boas histórias nos ajudam a conhecer não só a maneira que a sociedade funciona, mas a conhecer a nós mesmos.