Cinemateca Brasileira | Funcionários anunciam nova greve

Funcionários da Cinemateca Brasileira anunciam nova greve para esse mês.

O perfil S.O.S. Cinemateca Brasileira divulgou uma carta no Instagram, anunciando a greve da instituição por tempo indeterminado. Além disso, a carta também diz respeito à TV Escola. Anteriormente, ocorreu uma paralisação entre os dias 18 e 26 de junho. Os funcionários estão sem receber os seus salários e estão com as contas de luz e de água atrasadas há 3 meses.

Tem sido um período bastante conturbado para a Cinemateca Brasileira. No mês passado, o Governo Federal apresentou uma proposta para fechar a instituição. Essa ideia foi introduzida durante uma reunião entre os representantes do governo e da Acerp (Associação de Comunicação Educativa Roquette Pinto). A entidade tem um contrato com a Secretaria Especial da Cultura – vinculada ao Ministério do Turismo – no que diz respeito à gestão da Cinemateca. Esse contrato tem data de vencimento para 2021. Ainda mais, a associação também tinha contrato com o Ministério da Educação para produção de conteúdo e gestão da TV Escola. Porém, ele foi encerrado no ano passado, depois de 25 anos.

O governo Bolsonaro quer encerrar o contrato de qualquer forma. Mas isso vai contra o posicionamento da Acerp. A associação afirma que ela não teria a capacidade para pagar os funcionários. Como já era de se esperar, o Governo Federal não quer se comprometer com essa situação. É o Governo que adora mandar e interferir e, ao mesmo tempo, se ausentar de suas responsabilidades.

Devido a essa situação problemática, os funcionários da Cinemateca Brasileira emitiram uma carta em defesa da instituição. A instituição conta com alguns funcionários que trabalham lá há 40 anos. 150 pessoas podem ser demitidas se a instituição de fato for fechada. Ainda mais, o que será feito com todo o acervo que existe lá? São 250 mil rolos de filme e 1 milhão de documentos, o que representa o maior acervo da América Latina.

O Novo Anúncio de Greve

Confira abaixo a nova carta divulgada pelos funcionários da instituição:

“CARTA ABERTA À SOCIEDADE BRASILEIRA
FUNCIONÁRIOS DA CINEMATECA BRASILEIRA E TV ESCOLA EM GREVE POR TEMPO INDETERMINADO

O início do mês de julho de 2020 marca para nós, equipe técnica da Cinemateca Brasileira, o terceiro mês sem o recebimento de nossos salários e benefícios.

Durante esse período, cumprimos todos nossos compromissos trabalhistas, com exceção dos dois períodos em que estivemos em greve por tempo determinado – dia 12/06 e entre os dias 18/06 a 26/06. Em vão, tentamos nessas paralisações anteriores, um diálogo com a Diretoria da Associação de Comunicação Educativa Roquette Pinto (Acerp), Organização Social gestora da Cinemateca Brasileira e da TV Escola. Os pedidos por respostas ou um plano de resolução para o imbróglio que se estende infelizmente não foram atendidos.
Além dos salários e das contas de água e luz atrasadas há 3 meses, a Cinemateca Brasileira começou recentemente a perder seus funcionários terceirizados, igualmente fundamentais para a manutenção do acervo e do espaço físico. As equipes de manutenção elétrica e climatização não mais dão suporte à Cinemateca Brasileira desde o dia 10/06. Os bombeiros, desde o dia 25/06.
Na próxima semana, as equipes já extremamente reduzidas de limpeza e segurança, sob aviso-prévio, podem seguir o mesmo caminho, deixando a Cinemateca esvaziada, sem um corpo de funcionários mínimo que garanta sua correta salvaguarda. Aumentam-se, assim, os riscos de uma grande tragédia, fato que inclusive já vem sendo bastante noticiado pela mídia brasileira.
Diante desse quadro alarmante, iniciamos agora uma nova greve, dessa vez por tempo indeterminado a partir de hoje, dia 07 de julho de 2020. Seguimos mobilizados exigindo o pagamento dos salários devidos, um planejamento com estabelecimento de datas para a solução dos problemas pela Acerp, e que seu diretor-geral, Francisco Câmpera, se apresente para uma reunião com os trabalhadores e seu sindicato.

Reiteramos a necessidade de responsabilizarmos o Estado pela manutenção da Cinemateca, e não seus trabalhadores individualmente e seguimos na luta pela sobrevivência financeira de nossas famílias e pela memória do audiovisual brasileiro.

Sem salário, sem trabalho.”

S.O.S. Cinemateca Brasileira

O movimento S.O.S. Cinemateca Brasileira foi criado recentemente e contou com o apoio de muitas associações cinematográficas. O grande objetivo é buscar ideias a fim de manter a Cinemateca funcionando. Dessa forma, algumas manifestações foram realizadas nos últimos dias. Além disso, chegaram a criar uma campanha de financiamento coletivo, o qual arrecadou quase 130 mil reais. No entanto, a meta inicial era de 200 mil reais. O valor será utilizado para contribuir com os salários atrasados dos funcionários e algumas despesas da instituição, como as estruturas para evitar a ocorrência de incêndios.

Os organizadores do grupo lembraram nos últimos dias alguns dos projetos que podem se perder num possível fechamento da Cinemateca Brasileira. Filmes das décadas de 40 e 50 (produções da Atlântida e da Vera Cruz), a cinematografia de Glauber Rocha, que passou por um longo processo de restauração, filmes de Humberto Mauro, entre muitos outros.

É possível conferir algumas dessas produções cinematográficas no canal Cinemateca Popular Brasileira: Filmografias e Cronologias no YouTube.

 

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Paulo Victor Costa

Depois que descobriu "The Truman Show" e "Lost", passou a viver de filmes e séries. Também é muito fã dos filmes do Spielberg. Tenta assistir de tudo para poder debater com outras pessoas.