Crítica | A exaltação do sonho em ‘Festival Eurovision da Canção: A Saga de Sigrit e Lars’

Quer se divertir? Então a pedida da vez é Festival Eurovision da Canção: A Saga de Sigrit e Lars, filme que acaba de entrar no catálogo do serviço de streaming da Netflix. O longa do diretor David Dobkin funciona não só como o musical que é, mas também e principalmente como comédia, mesmo que a música seja realmente seu ponto forte.

Na história, Lars (Will Ferrell), um homem de meia idade, sonha em participar – e vencer – o Festival Eurovision da Canção, a maior competição musical do mundo. Para isso, ele conta com sua amiga Sigrit (Rachel McAdams) e, juntos, eles criam uma banda chamada Fire Saga que, por puro acaso, é selecionada para representar a Islândia no campeonato.

Assim, levando em consideração o roteiro que acabo de expor e a experiência de ter assistido ao filme, existem vários pontos a se comentar sobre essa película, alguns bons e outros nem tanto.

Nesse ínterim, o grande feito de Festival Eurovision da Canção: A Saga de Sigrit e Lars é não se levar muito a sério, coisa que, se fizesse, acabaria por estragar toda a fruição do espectador e que, felizmente, não acontece. Dobkin sabia que estava produzindo uma comédia e se manteve dentro de sua proposta o tempo inteiro, mas o fez com muita qualidade, a começar pela escolha da pessoa responsável pela notável trilha sonora, o produtor e compositor Savan Kotecha.

Aqui abro um parênteses para situar o leitor: Kotecha é o responsável por vários sucessos de várias estrelas pop do mundo atual, como Ariana Grande e Demi Lovato, esta última que, aliás, participa do filme como a representante da Grécia do Festival, Katiana. Casado com uma sueca, o produtor é bem versado no Eurovision e soube representar o espírito do concurso no longa direitinho. As músicas – com destaque para Lion of Love e Húsavík (Hometown) – são uma delícia de se ouvir e muito bem interpretadas por Dan Stevens (em excelente atuação) e Rachel McAdams, respectivamente, ainda que as vozes não sejam as deles – e aí contamos com o talento dos cantores suecos Erik Mjönes e Molly Sandén.

Festival Eurovision da Canção: A Saga de Sigrit e Lars – Netflix (2020)

E então, quando juntamos a esses grandes nomes do cinema (mais o de Demi Lovato, que não faz feio!) o de Pierce Brosnan, nota-se o grande elenco que Dobkin conseguiu juntar. Mas mesmo assim, é um mistério a presença deles em Festival Eurovision da Canção: A Saga de Sigrit e Lars, uma vez que estão num nível muito acima do que a película representa, principalmente McAdams (já que Brosnan tem uma tendência enorme para escolher filmes no qual ele destoa enormemente – haja vista sua participação em Percy Jackson e o Ladrão de Raios (2010)).

Explico. É que Festival Eurovision, apesar de tudo o que já foi dito, simplesmente não é um grande filme, possui um protagonista meio simplório, um vilão fraquíssimo, um roteiro 100% previsível e umas justificativas que beiram o ridículo. É claro que a simples aparição da estrela de filmes como Meninas Malvadas (2002) e Diário de Uma Paixão (2014) eleva a própria condição do longa, mas é como se McAdams fosse muita areia para o seu caminhãozinho.

Fora isso, encontramos um figurino bastante exuberante e chamativo – o que não chega a incomodar, afinal, estamos falando de artistas que, geralmente, costumam adotá-lo, notavelmente em suas performances -, mas a fotografia é muito bonita, chamando a atenção as belas imagens da Islândia, país natal dos dois protagonistas.

O diretor também brinca com a relação entre europeus e americanos (ele próprio sendo um americano vivendo em terras suecas), um dos pontos bem destacados ao longo da história, além de inserir aqui e ali elementos da cultura nórdica (viking), como a lenda dos elfos.

Festival Eurovision da Canção: A Saga de Sigrit e Lars – Netflix (2020)

Mesmo assim, a grande questão do filme é o sonho e em que medida vale a pena lutar por ele e persegui-lo. É fato que sem um sonho não há qualquer motivação para seguir a vida, mas fica o questionamento de que sua exaltação sem limites também pode causar o efeito contrário e nos impedir de viver e que, às vezes, as coisas são bem mais simples do que imaginamos.

Sendo assim, pesando os prós e o contras de Festival Eurovision da Canção: A Saga de Sigrit e Lars, a balança pende para o lado dos prós. Da primeira vez que escutamos Waterloo (do Abba) – numa versão parecidíssima com do clássico Mamma Mia (2008) – , tocando até a última canção do longa, não conseguimos despregar os olhos da tela e, como dito lá no começo, é a pedida da vez.

FESTIVAL EUROVISION DA CANÇÃO: A SAGA DE SIGRIT E LARS
3

RESUMO

A notável trilha sonora e grande elenco superam os pontos fracos da história do diretor David Dobkin.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Flávia Leão

Cinéfila mineira que ama os filmes desde quando os clássicos da Disney ainda eram em VHS e os seriados desde que Jeffrey Lieber e J.J. Abrams inventaram Lost.