Brooklyn Nine-Nine | Elenco faz doação para pagar a fiança de manifestantes

O elenco de Brooklyn Nine-Nine faz doações para ajudar manifestantes.

O elenco de Brooklyn Nine-Nine, através das suas redes sociais, se posicionou a favor das manifestações Black Lives Matter, que estão ocorrendo nos EUA há mais de uma semana. Ainda mais, o criador e showrunner da série, Dan Goor, anunciou, através de uma carta, que a equipe fez uma doação de US$ 100 mil ao National Bail Fund. Dessa forma, o valor será utilizado para o pagamento das fianças dos manifestantes que forem presos durante os protestos. A fonte é o site Omelete.

Vale lembrar que Brooklyn Nine-Nine já abordou muitas questões importantes ao longo de seus sete anos. E é por isso, que ela tem tantos fãs e é uma das mais adoradas da atualidade. Sobre isso, é possível citar os episódios Moo Moo (quarta temporada), Noite de Jogos (quinta temporada) e A Minha Palavra contra a Dele (sexta temporada).

Moo Moo aborda a questão do racismo. Nesse episódio, Terry (Terry Crews) é abordado por um policial branco só por estar andando na rua à noite. Em seguida, ele tenta decidir se denuncia ou não esse policial pelo ato racista.

Confira: Os 10 Melhores Episódios de Brooklyn Nine-Nine.

Dan Goor ainda pede para que os fãs de Brooklyn Nine-Nine também contribuam para as doações. Veja a postagem abaixo:

“O elenco e o showrunner de Brooklyn 99 condenam o assassinato de George Floyd e apoiam as muitas pessoas que estão protestando contra a brutalidade da polícia. Juntos nós fizemos uma doação de US$ 100.000 ao National Bail Fund. Nós encorajamos vocês a olharem os seus fundos de fianças locais: o National Bail Fund é uma organização que pode conduzir vocês a eles.”

Sobre Brooklyn Nine-Nine

Nos EUA, a sitcom foi recuperada pela NBC após ter sido cancelada pela FOX. Isso devido a um forte movimento conduzido pelos fãs, que queriam seu retorno. Agora a série foi renovada para o seu oitavo ano. Ela é estrelada por Andy SambergJoe Lo TruglioDirk BlockerStephanie BeatrizTerry CrewsMelissa FumeroAndre Braugher Joel McKinnon Miller.

Brooklyn Nine-Nine é exibida pela TNT aqui no Brasil e a sexta temporada entrou na catálogo da Netflix recentemente.

O Caso George Floyd

George Floyd foi assassinado por um policial branco no dia 25 de maio, em Minneapolis. O policial, Derek Chauvin, colocou a vítima no chão e pressionou o joelho no pescoço dela por mais de 8 minutos. George, de 46 anos, anunciou algumas vezes que não estava conseguindo respirar. Mesmo assim, o policial continuou a ação brutal. No entanto, ele foi acusado por homicídio culposo, aquele em que se entende que não houve a intenção de matar.

A partir disso, o movimento Black Lives Matter voltou às ruas para realizar uma das maiores manifestações da história dos EUA. A organização ganhou destaque em 2014 após as mortes de Michael Brown, na cidade de Ferguson, e Eric Garner, em Nova York. Ambos foram assassinados por policiais brancos.

Os manifestantes fazem questão de lembrar os nomes das vítimas e enfrentam a polícia, que recebem ordens de oprimir o movimento. Esses agentes têm feito constante uso de bombas de gás contra os cidadãos, além de realizarem prisões durante os protestos.

Dessa forma, pelo menos 40 cidades começaram a estabelecer toques de recolher na tentativa de barrar as manifestações. Mas as pessoas não param de se mobilizar. Na última noite (31 de maio), centenas de pessoas se posicionaram em frente à Casa Branca. O Presidente dos EUA, Donald Trump, que é radicalmente contra os protestos, deu ordem para um enfrentamento policial no local. Ele chegou a se dirigir aos protestantes como “bandidos” e culpou-os pela violência.

Manifestações no Brasil

As manifestações nos EUA têm inspirado uma série de outros movimentos ao redor do mundo. No Brasil, por exemplo, ocorreram protestos do “Vidas Negras Importam” em nome de pessoas negras como a Ágatha, de 8 anos, e o João Pedro, de 14; ambos assassinados por policiais militares.

Dessa forma, todo o debate acerca do racismo aqui no Brasil voltou com força. E é muito importante que sempre se fale sobre isso. Segundo dados apresentados em 2016 numa CPI sobre o Assassinato de Jovens no Senado Federal, um jovem negro é assassinado a cada 23 minutos no Brasil. De acordo com uma pesquisa de 2019 feita pela Fundação Abrinq pelos Direitos da Criança e do Adolescente, o número de jovens negros assassinados aumentou 429% em 20 anos. O relatório leva em consideração o período de 1997 a 2017.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Paulo Victor Costa

Depois que descobriu "The Truman Show" e "Lost", passou a viver de filmes e séries. Também é muito fã dos filmes do Spielberg. Tenta assistir de tudo para poder debater com outras pessoas.