Crítica | Nova série da Netflix, ‘Eu Nunca…’ é a série teen perfeita que faltava no catálogo

Criada, produzida e inspirada nos fatos reais vividos na infância pela comediante Mindy Kaling (conhecida por seu personagem Kelly Kappor na série The Office e pelo seriado Projeto Mindy), a nova série da Netflix, Eu Nunca… vai além no dia a dia típico de uma adolescente para abordar o choque cultural, as relações interpessoais e a difícil dinâmica familiar após o luto, tudo isso através de um roteiro inteligente e cheio de referências da cultura pop atual.

Eu Nunca… acompanha Devi Vishwakumar (Maitreyi Ramakrishnan), uma jovem americana criada por seus pais indianos no subúrbio de Sherman Oaks, California. No seu novo ano escolar, Devi está decidida a mudar seu status social e ficar mais popular. Entretanto, seus amigos e sua família irão viver novas mudanças que atrapalharão todos os seus planos.

Devi é uma jovem que, assim como muitas outras, vive sua adolescência em conflito com o real e o imaginário, possui muitas expectativas quanto ao futuro e tenta guiar o rumo do seu ano letivo para alcançar os seus objetivos. Assim, de forma insistente, sendo uma das melhores alunas de sua classe e na companhia de duas melhores amigas, a jovem tenta namorar o cara de seus sonhos, o popular Paxton (Darren Barnet). A protagonista é vivida pela canadense Maitreyi Ramakrishnan, que além de estrear como atriz na série, parece ter nascido para o papel. Descontraída, audaciosa, cínica e divertida, Devi pode não ser uma das jovens mais fáceis de se lidar, acompanha-la em sua jornada pode ser muito cansativo, entretanto é gratificante perceber o seu aspecto real e a não banalização das mudanças que a jovem enfrenta.

A mudanças são travadas principalmente a partir do âmbito familiar, um dos principais temas da série. Passamos a acompanhar a trama logo após a morte do pai de Devi. Apesar da jovem não abordar o assunto, lembranças do fatídico dia perseguem sua memória, bem como a de quem assiste. Quando confrontada por sua psicóloga, vivida por Niecy Nash (Olhos Que Condenam), a menina utiliza de outros assuntos para preencher a lacuna, assim como também o faz em sua vida bem como na sua vida.

Série indiana da Netflix Eu Nunca...
Eu Nunca… (Netflix)

Durante o dia a dia, Devi se ocupa de outros assuntos e novos interesses ocupando o lugar prioritário em sua vida, fugindo dos sentimentos mais desagradáveis. Ao retratar o luto vivido pela jovem ao decorrer de todos os oitos episódios, a série dá ênfase no quanto doloroso e duradouro pode ser essa experiência. Sem que haja um prazo de validade para que a dor passa ou um momento ideal para que a memória vá embora, a lembrança sempre aparece, principalmente nos pequenos momentos.

Após a morte se seu pai, Devi passa a viver somente com sua mãe e prima mais velha. Ambas formam os principais pilares para abordar o choque cultural entre a Índia e a cultura americana. A mãe, vivida por Poorna Jagannathan (The Night Of), é uma dermatologista que se mudou para o país a contragosto, somente pela insistência do marido. E apesar da série apresentar de forma mais superficial a solidão e como é estar em um país no qual não se conhece ninguém, a produção prefere seguir o caminho de questões culturais mais arraigadas, ao invés das generalizadas. A cultura indiana é abordada a todo instante, de forma mais discreta em algumas cenas – a exemplo da religião – e mais exacerbada em outros episódios – como o episódio dedicado ao encontro coletivo de famílias com descendência indiana –, tudo isso servido muitas vezes como base para críticas feitas pela autora da série. Como a dura reprovação das mulheres indianas perante àquelas que abdicam dos casamentos arranjados por suas famílias.

Um dos diferenciais da série, portanto, é o fato de que diferente de outras séries teens americanas da Netflix, Eu Nunca… se propõe a debater a diferença cultural e explora-la a partir do olhar dos mais velhos como a mãe, no olhar dos adultos mais jovens como a prima de Devi, Kamala (Richa Moorjari), além da própria jovem Devi. Além dos choques culturais e geracionais ocupados pelo polo da família, a jovem também passa pelas transformações a partir do núcleo de amigos e colegas da escola. Eleanor Wong (Ramona Young) e Fabiola (Lee Rodriguez), as duas melhores amigas da protagonista, vivem seus próprios conflitos joviais – que ganham importante atenção na série como a descoberta sexual – mas assim como Devi, são os dramas familiares vividos pelas personagens que ganham destaque, algo que une as garotas, mas que em certo momento da série também se torna um empecilho.

Eu Nunca... tem como destaque a diversidade cultural através do drama familiar vivido pela protagonista, mas isso não impede a série de abordar a famosa paixão pelo garoto mais popular do colégio, brigas entre amigas, e toda a clássica bagagem de clichês que uma jovem americana vive durante a adolescência. A originalidade da série então fica pela forma como Mindy guia essa história.

Série indiana da Netflix Eu Nunca...
Eu Nunca… (Netflix)

Além de usar a narração do John McEnroe, famoso ex-tenista profissional, o que já deixa a série com um tom descontraído além de aproxima-la de nós, telespectadores, já que não acompanhamos Devi sozinhos, Mindy também não poupa esforços ao fazer referências da cultura pop. Do uso do Tik Tok a citação da série Riverdale, vários ícones da cultura pop atual localizam a série no tempo e espaço em que ela se passa, de forma descontraída acrescentando a diversão e o tom lúdico que a obra exige, em contraponto àquilo que Eu Nunca... aborda.

EU NUNCA... – 1ª TEMPORADA
4

RESUMO

Através de um roteiro inteligente e cheio de referências da cultura pop, Mindy Kaling transforma suas memórias de infância em Eu Nunca…, novo sucesso do streaming.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Juliana Oliveira

Estudante de psicologia e fascinada pelo audiovisual. Acredita que o cinema seja uma arte de teor político que dá voz a quem não é ouvido. Gosta de conhecer novas culturas e acredita que o cinema seja a melhor forma para isso, expandindo assim a visão de mundo dentro se sua limitada realidade.