Regina Duarte deixa cargo da Secretaria da Cultura do Governo Bolsonaro

Regina Duarte deixa o Governo Bolsonaro

O Presidente Jair Bolsonaro anunciou que Regina Duarte está deixando seu cargo na Secretaria Especial da Cultura. A informação é do site G1. De acordo com uma postagem do Presidente no Twitter, Regina estaria sentindo “falta de sua família.”

A atriz assumiu o cargo no dia 4 de março. Anteriormente, quem assumia tal posição era o diretor de teatro Roberto Alvim. No entanto, ele deixou escapar o seu real posicionamento ao produzir um vídeo com um discurso muito semelhante ao de Joseph Goebbels, Ministro da Propaganda do Alemanha Nazista na década de 30. Dessa forma, ele foi demitido.

Bolsonaro fez a seguinte publicação no seu meio de comunicação preferido, o Twitter: “Regina Duarte relatou que sente falta de sua família, mas para que ela possa continuar contribuindo com o Governo e a Cultura Brasileira assumirá, em alguns dias, a Cinemateca em SP. Nos próximos dias, durante a transição, será mostrado o trabalho já realizado nos últimos 60 dias.”

Portanto, parece que a Cinemateca Brasileira é o próximo ponto de parada da atriz. À respeito disso, Regina comentou de maneira bizarra em um vídeo: “Acabo de ganhar um presente que é um sonho de qualquer pessoa de comunicação, de audiovisual, de cinema, de teatro: um convite para fazer cinemateca, que é um braço da cultura que funciona lá em São Paulo, e é um museu de toda a filmografia brasileiro, ficar ali, secretariando o governo dentro da cultura na cinemateca. Pode ter presente melhor do que esse? Obrigado, presidente.” É bizarro, porque esse comportamento mostra a enorme submissão da ex-Secretaria em relação ao Presidente. Mesmo depois de ter sido demitida.

É importante lembrar que a Cinemateca Brasileira é uma instituição vinculada à Secretaria da Cultura.

Bolsonaro Descontente com o Trabalho de Regina Duarte

Nos últimos dias, Jair Bolsonaro tem mostrado um descontentamento com o trabalho de Regina Duarte. Segundo ele, a, até aquele momento Secretária Especial da Cultura, estaria muito afastada. Inclusive, ele chegou a comentar em entrevista que ela estaria tendo problemas com a questão de “ideologia de gênero”.

O Presidente também começou a fazer fortes intervenções na Secretaria sem a sabedoria de Regina. Um exemplo foi a nomeação do maestro Dante Henrique Mantovani para o cargo de Presidente da Funarte (Fundação Nacional de Artes). Essa figura tornou-se conhecida por sua fala que relacionava o rock à droga, ao sexo, ao aborto e ao satanismo. Mantovani já tinha sido demitido do cargo no primeiro dia de trabalho de Regina Duarte na Secretaria da Cultura.

No mesmo vídeo citado acima, Bolsonaro comenta: “Pode ter certeza de uma coisa, eu acho que você quer ajudar o Brasil e o que eu mais quero é o seu bem, pelo seu passado, por aquilo que você representa para todos nós. Ir para a cinemateca, do lado do teu apartamento ali em São Paulo, você vai ser feliz e produzir muito mais, eu fico muito feliz com isso. Chateado porque você se afasta do convívio nosso em Brasília.”

Com isso, Regina responde: “A minha família, que é uma coisa a qual eu sempre fui muito ligada. Então, é um presente duplo: é a cinemateca e é também eu estar próxima da minha família, que é uma coisa que eu estou desejando muito.”

A Trajetória de Regina Duarte na Secretaria da Cultura

Esse trecho do texto deve ser curto, porque a Regina Duarte não fez muita coisa enquanto ocupou o cargo na Secretaria da Cultura. Basicamente, a pasta passou a ser vinculada à uma série de polêmicas. Demissões e nomeações que não passavam pelas mãos da Secretária; entrevistas polêmicas; omissões; entre outros casos.

Assim, Mantovani foi apenas um exemplo de nomeação fora do controle de Regina. Outro caso foi a exoneração do chefe de gabinete da Secretaria, Pedro José Vilar Godoy Horta. Sobre esse último, a Secretaria tinha emitido uma nota informando que a pasta “está em andamento uma reestruturação interna, motivada por novos projetos e prioridades. Fazem parte desse processo eventuais adequações das equipes e suas lideranças.”

Em relação às entrevistas, provavelmente uma das mais infelizes que Regina já fez na carreira, foi à emissora CNN. Nessa, a ex-atriz se omitiu em relação à questão do auxílio à classe artística, que não está conseguindo trabalhar nesse momento da pandemia do novo Coronavírus. Além disso, ela se mostrou muito empolgada ao relembrar o período da Ditadura Militar e fez descaso em relação às mortes que estão ocorrendo aos montes todos os dias.

Devido a isso, as críticas à Regina Duarte se intensificaram.

Quem Assume a Secretaria da Cultura?

Já está mais do que provado que a Secretaria da Cultura é uma pasta menosprezada pelo atual Governo. Inicialmente, a Cultura perdeu a condição de Ministério. Em seguida, o setor começou a sofrer constantes deslocamentos. Assim, passou do Ministério da Cidadania para o Ministério do Turismo – essa nova vinculação ocorreu em novembro do ano passado.

Ainda segundo o G1, o mais cotado para assumir o cargo de Regina Duarte é o ator Mário Frias. Durante um almoço ontem com Jair Bolsonaro, Mário teria se colocado a disposição para assumir tal função.

Depois de Alvim e Regina Duarte, já é possível imaginar qual será o perfil do próximo nome que será anunciado para a Cultura.

 

 

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Paulo Victor Costa

Depois que descobriu "The Truman Show" e "Lost", passou a viver de filmes e séries. Também é muito fã dos filmes do Spielberg. Tenta assistir de tudo para poder debater com outras pessoas.