Crítica | ‘The Outsider’ é mais uma boa adaptação da obra de Stephen King

O que fazer quando todas as evidências (digitais, amostras de DNA e até mesmo gravações em vídeo) provam que o treinador do time infantil de baseball, Terry Maitland (Jason Bateman) cometeu um crime horrível, mas ele pode provar que na data e no horário em que o ato hediondo estava acontecendo, ele estava em outra cidade? Essa é a premissa de The Outsider, adaptação do livro de mesmo nome de Stephen King, que foi escrita por outro autor de livros, Richard Price, que também foi o autor da icônica minissérie The Night Of, que curiosamente conta uma história bastante similar, onde todas as evidências comprovam que um rapaz cometeu um assassinato, mesmo ele jurando de todas as formas que não foi o responsável.

O que parece um caso praticamente impossível de ser solucionado pela polícia, se torna ainda pior quando a única explicação plausível envolve causas sobrenaturais, mais especificamente teorias envolvendo uma estranha criatura chamada de El Cuco, mas que possui versões diferentes em várias outras culturas. Inclusive no Brasil, onde leva a alcunha de a Cuca, responsável pela composição de controversas canções de ninar (que mais parecem que foram criadas para traumatizar as crianças: “Nana, neném, que a Cuca vem pegar…”).

The Outsider toma algumas liberdades criativas em relação à obra de King e nessa ocasião, pode-se dizer que este é um fator positivo, uma vez que o autor é conhecido por criar tramas bastante peculiares, personagens cativantes, situações tensas, mas com finais nem tão bons assim. Na série, o desenvolvimento dos personagens vai se dando pouco a pouco, com o lado antagonista aos poucos revelando suas características. Vamos descobrindo a natureza dessa lenda, o que particularmente é destacado ao nos dar em conta da possibilidade de os personagens estarem lidando com um ser dotado de habilidades de metamorfose, uma espécie de Doppelgänger que se alimenta de sofrimento e luto.

Ben Mendelsohn e Cynthia Erivo em “The Outsider” (HBO)

Tendo essa enrascada na mão, o detetive veterano Ralph Anderson (Ben Mendelsohn) não tem alternativa a não ser juntar seus esforços com a excêntrica detetive Holly Gibney (Cynthia Erivo), personagem que já apareceu em outras obras de King, para deter essa criatura que ameaça incriminar novas vitimas.

De um lado, temos o cético detetive e seus companheiros veteranos do departamento de polícia, bem como a família enlutada do suposto assassino e do outro, temos Holly, que atua como uma espécie de Fox Mulder de Arquivos X.

Com uma fotografia escura, sombria e com cores sem saturação, pastéis e quase cinzentas, que expressam bem como é o clima desesperançoso da série, The Outsider se destaca pelo clima de mistério que é estabelecido logo no primeiro episódio e que vai se intensificando a cada momento. Os personagens também são muito cativantes, o que faz com que o expectador fique ansioso para saber o que está por vir.

Um dos únicos aspectos que podem ser considerados como negativos nessa primeira temporada é o final que alguns podem julgar como anticlimático. Porém, isso não é o suficiente para arruinar a minissérie, que com certeza merece uma segunda temporada.

THE OUTSIDER
4

RESUMO

Envolvente e misteriosa, The Outsider é mais uma boa adaptação da obra de Stephen King.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Cineasta independente e amante de filmes e séries. Nutre uma intensa paixão pela habilidade que só o ser humano tem de transmitir os aspectos de sua alma por meio da Arte...