Crítica | Better Call Saul 5×09: o peso das escolhas ruins em ‘Bad Choice Road’

A sequência de abertura de Bad Choice Road diz tudo sobre os caminhos de Jimmy McGill (Bob Odenkirk) e Kim Wexler (Rhea Seehorn). A tela dividida mostra que o jogo de ambos é diferente. Mas isso estaria prestes a mudar definitivamente em Better Call Saul.

Dirigido por Thomas Schnauz, cujo último episódio comandado na série foi Expenses, A Estrada das Más Escolhas põe em perspectiva passado, presente e futuro da série. É como uma espécie de reflexão sobre ações que nos levam a determinadas situações, das mais pequenas às mais grandiosas. O diretor consegue tirar o melhor dos atores (todos estão incríveis!), usa enquadramentos de forma precisa, e a fotografia, em especial o jogo de sombras da última cena, joga a favor deste que é um dos melhores episódios de toda a série.

Embora Jimmy seja levado ao extremo mais uma vez, o momento crucial chega para Kim, quando ela já não vê sentido no que faz e decide sair do S&C. Ela vê um quadro, com agradecimentos de uma cliente pro bono, que se diz agradecida por causa da advogada ter acreditado e não ter desistido dela. A recompensa pelo trabalho, além das cifras do Mesa Verde, não é o mais importante para ela. No que isso vai influenciar o restante de sua jornada, iremos descobrir, mas com certeza, de uma coisa já sabemos: ela faz parte do jogo de Saul, definitivamente.

“Fique longe de pessoas como o Lalo. Você não pode ver o Lalo. Eu vejo o Lalo, está bem? Eu estou no jogo. Você não”, diz Jimmy a Kim, no começo de Bad Choice Road. Ele tem a falsa sensação de que ela não está envolvida o suficiente. O que vemos a seguir é a mais cruel constatação de que um caminho pode levar a lugares sinistros, e não ter volta.

Better Call Saul 5×09 – Bad Choice Road (AMC/Netflix)

“Nós todos fazemos nossas escolhas. Essas escolhas nos colocam em um caminho. Às vezes parecem pequenas, mas colocam você no caminho. Você pensa em sair… mas no fim acaba voltando. O nosso caminho nos levou ao deserto, a tudo o que aconteceu lá, e direto de volta ao lugar em que nós estamos agora. E nada, nada pode ser feito sobre isso”, diz Mike a Jimmy, que tenta utilizar esta sabedoria com Kim, minutos antes de Lalo aparecer no apartamento do casal. No entanto, ele reduz esse pensamento e o aplica a sua vida, quando diz a ela que escolhas ruins levam a estradas ruins, que levam a lugares ruins. Ela deixar de ser uma advogada de sucesso significa isso para ele.

Sabemos que Breaking Bad e Better Call Saul são pautadas pelo determinismo e as relações de causalidade. Nada acontece por acaso, cada mínima escolha tem consequências, tanto imediatas, quanto tardias. Nada fica para trás. Tudo é uma questão de escolha. Kim parece querer o melhor para si, que pode não ser o melhor para Jimmy. A relação entre os dois já não estava boa, e as coisas tendem a piorar a partir de agora, mesmo que possa haver um tempo de momentos felizes.

É necessário destacar como Kim cresce como personagem nesta temporada, o que já vinha acontecendo desde o quarto ano da série. De simples coadjuvante a atriz principal, Rhea Seehorn pavimenta aqui sua estrada rumo ao Emmy. Repare como Kim assume a posição de destaque na tela, na cena final. Jimmy é enquadrado no canto esquerdo, enquanto Kim se agiganta na tela. Ela agora assume o protagonismo e está no jogo. Ela defende Jimmy com todas suas habilidades possíveis, e é quase que como Lalo fosse o juiz, prestes a dar uma sentença de morte. Ela não apenas consegue persuadir o bandido e o deixa sem palavras, mas planta a discórdia entre os Salamancas, a famosa pulga atrás da orelha.

“Quando isso vai passar para mim?”, questiona Jimmy a Mike. Tudo isso desemboca na conversa que eles têm acima, sobre as escolhas. Lalo é solto, mesmo sendo culpado por um crime que cometeu. E no que Jimmy se meteu? Ora, estamos presenciando, simultaneamente, Jimmy como Gene em Omaha, e Kim, no jogo de Saul Goodman em Albuquerque. Em linhas temporais distintas, tememos pelo destino dois. Até porque, como Mike bem alertou, e vivenciou, a estrada pode ser ruim o bastante para ser o fim da linha.

Better Call Saul 5×09 – Bad Choice Road (AMC/Netflix)

Últimas palavras

* Quando Lalo pede a Jimmy que vá até o deserto buscar os 7 milhões de dólares, eu pensei: como alguém chega com tanto dinheiro para pagar uma fiança, sem qualquer questionamento? Seria tão simples assim? Porém, o que acontece é justamente o contrário. Jimmy é questionado sobre a origem da receita, passa duas horas na delegacia e ainda precisa contar sua história a Lalo. A tal história…

* Todas as informações que recebemos em Better Call Saul não são gratuitas. No começo do episódio, Tyrus e Victor, capangas de Gus, falam sobre a “limpeza” que deveria ser feita no deserto. Mike diz que isso seria o suficiente, e realmente ele tinha razão, pois o último sobrevivente do tiroteio estava no meio do nada. No entanto, algo com o que ambos não contavam era a astúcia de Lalo, que nos fornece o grande ponto de virada do episódio.

* “Você viu?”. Essa é a pergunta que Jimmy faz a Kim, quando ao ver a bolsa com dinheiro, ela descobre o copo que deu de presente a Jimmy no começo da série, com perfuração de bala. Repare que ela nem olha a grana, o que mais tarde nós constatamos não ser algo necessariamente relevante para ela. Depois, em uma rima visual interessante, Lalo enxerga pelo mesmo buraco, mas no carro de Jimmy.

Better Call Saul 5×09 – Bad Choice Road (AMC/Netflix)

* “Em 11 meses, o Tuco sai da prisão e cuidará de tudo aqui. Eu sei. Eu sei que Tuco é impulsivo e… quando está drogado… Nós vamos nos encarregar de pôr alguém com ele. Ele ficará sóbrio”, diz Lalo a Hector. Nada disso sairá como o planejado, porém, duas coisas chamam a atenção. Primeiro, quem estará na jogada? Nacho? Segundo, Tuco começou toda essa conexão entre Saul, Mike, que vai chegar até Walter White e tudo o que conhecemos. Um ciclo sem fim na estrada das más escolhas.

* Jimmy perde no tribunal, é zoado e fica com uma cara jamais vista. Bom, “você ainda é um advogado”, diz o promotor que geralmente é zoado por Jimmy. Bom, Jimmy se torna Saul porque é um advogado. Mas, agora, ele é mais Amigo do Cartel do que um mero representante legal.

* Que diálogo entre Mike e Gus Fring (Giancarlo Esposito). Autoridade, hierarquia e respeito se fazem presentes em um grande momento entre os dois. “Um cão que morde todos os donos que já teve só pode ser disciplinado com uma mão firme, ou sacrificado”, sentencia Gus, sobre Nacho. Um prenúncio?

Better Call Saul 5×09 – Bad Choice Road (AMC/Netflix)

* E quem diria que Juan Bolsa estaria por trás do ataque a Mike e Jimmy…

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Carioca, apreciador de filmes e séries em tempo integral, quando o Bernardo (filho dele) deixa. Iniciou sua admiração pela sétima arte com os clássicos da sessão da tarde e se apaixonou pelo mundo das séries quando o Voo 815, da Oceanic, caiu misteriosamente em algum lugar no meio do nada...