Crítica | ‘A Jornada’ e o eterno dilema da mulher

Como diz Úrsula em A Pequena Sereia, “a vida é cheia de escolhas difíceis, não é”? E alguém tem como negar? A diretora Alice Winocour certamente concordou com a vilã quando escreveu o roteiro de seu mais novo longa, A Jornada (Proxima). E para mostrar o quanto, resolveu abordar uma das questões mais difíceis da vida da mulher moderna: a escolha entre a maternidade e a carreira de sucesso.

Já tem algum tempo que nós, mulheres, lutamos pelo nosso espaço no mercado de trabalho e muitas estão aí para provar nossa capacidade profissional. Sonhamos desde pequenas em nos tornar grandes advogadas, médicas, atrizes, jornalistas e até mesmo (e por que não?), como é caso de Eva Green na trama do filme, astronautas.

É por isso que, em A Jornada, quando a engenheira Sarah (Green) é chamada para uma missão em Marte, vê-se em face do maior dilema de sua vida: ir atrás de seu sonho ou abrir mão dele para ficar com a filha, Stella (Zélie Boulant). Durante 107 minutos, assistimos a esse impasse, nos perguntando se a moça teria coragem ou não de entrar na nave espacial.

E apesar do tema forte, Winocour tem o mérito de entregar uma obra dinâmica e sensível que passa longe da pieguice. É linda a forma como a cineasta consegue abordar essa questão sem deixar nenhum detalhe para trás, ajudada, é claro, pela impressionante atuação de Eva Green e da pequena Zélie Boulant.

É assim que percebemos o brilho no olhar de Sarah quando ela é escolhida para a missão espacial, seu sonho desde a infância, e como ela fica confortável no macacão azul da agência espacial em que trabalha. Notável também a forma superior com que ela lida com o preconceito de seus companheiros, pouco se importando se eles gostam ou não de ter uma mulher na missão. E não é difícil reparar em sua dedicação tanto para com o trabalho, como em relação à Stella.

A química entre Green e Boulant é tanta, que é difícil acreditar que elas não são realmente mãe e filha. Esta aliás, é outra das minúcias do longa. Winocour quis uma menina e não um menino para o papel, uma vez que, em geral, as meninas se identificam mais com as mães do que com os pais, o que tornou o laço entre Sarah e Stella ainda mais forte. Isso e o fato de a garota ter dislexia e dificuldades de socialização, sendo por isso, ainda mais apegada à sua progenitora.

E assim, cada cena mostra o quanto é bonita a relação das duas e quanto é difícil para ambas entender que ficarão mais de um ano (tempo missão) afastadas. A angústia de Sarah é ainda maior, porque a escolha da separação é inteiramente dela, que fica no meio do cabo de guerra entre o amor pela filha e a força de seu sonho.

A Jornada (2019) – Paris Filmes

Quanto aos aspectos técnicos de A Jornada, absolutamente nada a reclamar. O azul e o branco destacam-se, duas das cores da França, nacionalidade do filme, das atrizes principais e também da cientista e astronauta Claudie Haigneré, única mulher daquele país a ter ido ao espaço e a quem a diretora presta uma clara homenagem em sua obra.

A película também alterna entre os idiomas, passando do francês ao inglês à medida em que Sarah interage com a filha, o ex-marido e seus colegas de trabalho, dentre os quais se destaca Matt Dillon, em bela atuação. Interessante assistir como seu personagem, Mike, vai superando o preconceito em relação à colega de missão conforme a vai conhecendo melhor, reconhecendo sua capacidade. Ele acaba entendendo também como é muito mais difícil para ela deixar a filha do que é para ele deixar os seus.

Sendo assim, não é difícil afirmar, sem dúvidas, que A Jornada é o melhor longa francês a que já assisti e torço, de antemão, por uma indicação ao Oscar. Tomara que a Academia preste atenção porque esse longa já decolou rumo às estrelas.

A JORNADA | PROXIMA
4

RESUMO

Alice Winocour se supera com seu A Jornada e Eva Green entrega uma das melhores atuações de sua vida.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Flávia Leão

Cinéfila mineira que ama os filmes desde quando os clássicos da Disney ainda eram em VHS e os seriados desde que Jeffrey Lieber e J.J. Abrams inventaram Lost.