Crítica | História forte de ‘Lost Girls: Os crimes de Long Island’ não supera sua narrativa morna

Lost Girls: Os Crimes de Long Island tinha potencial para um bom filme. Os acontecimentos reais em que se baseia, a investigação, pessoas envolvidas, histórias das vítimas, todos esses elementos poderiam, facilmente, compor um documentário forte e bastante relevante. A diretora, Liz Garbus, já teve duas indicações no Oscar por melhor documentário. Um deles sendo o admirável What Happened, Miss Simone? Não foi esse o caso. Infelizmente, como ficção, a obra deixou muito a desejar.

A trama acompanha Mari Gilbert e suas tentativas para solucionar o desaparecimento da filha — Shannon — , uma garota de programa. Ela, no entanto, encara o descaso e indiferença da polícia e começa a averiguar o caso por conta própria. Em meio à investigação, quatro corpos de também garotas de programa aparecem e a polícia precisa começar considerar um serial killer.

O enredo de Lost Girls lembra bastante o excelente Três Anúncios Para Um Crime ao se tratar de uma mãe buscando por justiça para um filho. No entanto, a comparação só faz a nova produção Netflix diminuir ainda mais seu iminente sucesso. O roteiro não se aprofunda e algumas cenas acabam por não serem verossímeis.

O grande problema do longa da Netflix é que o roteiro não sustenta o acontecimento que se propõe a contar. O ritmo lento e cansativo transforma a história, influente, grave e significativa, em uma narrativa monótona. O que não deveria ser visto que se trata de uma luta por justiça e combate à uma polícia que despreza uns em detrimento de outros, estes pertencentes à uma classe social superior.

Lost Girls: Os Crimes de Long Island – 2020 (Netflix)

A atuação da protagonista — Amy Ryan — é confusa. Em alguns momentos, é possível vislumbrar o desespero de uma mãe em busca de sua filha, mas em outros, tudo parece um pouco forçado e, portanto, pouco crível. Além disso, outro elemento longe do plausível é o fato de Mari conduzir a própria investigação, o que inclui encontrar com possíveis suspeitos por conta própria.

Lost Girls: Os Crimes de Long Island levanta uma bandeira importante e extremamente expressiva. Por que indivíduos ricos são protegidos de imediato pela polícia enquanto outros, garotas de programa, por exemplo, são menosprezadas? São situações negligenciadas que precisam ganhar mais atenção e poderia receber muito mais, mas acabamos por ver uma produção um tanto quanto morna para uma história que deveria ser retratada exatamente pelo oposto.

LOST GIRLS: OS CRIMES DE LONG ISLAND | LOST GIRLS
2

RESUMO

Apesar de apresentar um história forte e relevante, Lost Girls: Os crimes de Long Island, de Liz Garbus, se perde em meio a uma trama monótona.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Isa Carvalho

Jornalista e estudante de cinema. Acredita que o cinema é um documentário de si mesmo, em que o impossível torna-se parte do real. "Como filmar o mundo se o mundo é o fato de ser filmado?"