Crítica | Para Todos os Garotos: P.S. Ainda Amo Você

Seria fácil escrever um texto condenando os defeitos de Para Todos os Garotos: PS. Ainda Amo Você. Desafiador, principalmente nos dias atuais, é evitar julgamentos. Porque mais clichê do que esse filme da Netflix são as críticas que apontam justamente isso, o óbvio.

Nesta segunda parte, continuamos a acompanhar Lara Jean (Lana Condor) e como sua vida mudou após sua irmã enviar cartas amorosas a todos os garotos que ela já nutriu sentimentos. Agora ela namora Peter Kavinsky (Noah Centineo), mas o retorno de John Ambrose (Jordan Fisher) à sua vida a deixa dividida e em dúvida sobre seus sentimentos. Essa incerteza é precisamente o gancho do filme e responsável por seu movimento.

Apesar de se aproximar do ritmo do primeiro longa, Para Todos os Garotos que Já Amei, este segundo perde-se um pouco. É difícil manter o compasso quando há pouco material para segurar no tempo de duração. Ou seja, os conflitos não são fortes o suficiente para prender a atenção do público.

No mais, o grande ponto fraco do filme acaba por ser o cuidado com que tudo foi construído. Tudo parece perfeito demais. Diálogos, looks, cabelos e cenários, o que faz que não nos entreguemos totalmente à trama. Na realidade, as situações saem do lugar e fogem ao controle. Principalmente na fase adolescente. É um momento de descoberta e Lara Jean, embora levada pela incerteza e insegurança no roteiro, isso não nos é passado de forma verossímil em tela.

E agora que já falamos desses detalhes, podemos abordar o clichê. Assistindo ao filme, entendo que esta característica estaria atribuída ao romance, às cenas previsíveis e à uma possível utopia. A vida real não é assim. Depois de anos desmistificando conteúdos como esse, aprendemos que não existem príncipes encantados e contos de fada.

Para Todos os Garotos: P.S. Ainda Amo Você (2020) – Netflix

De fato, comédias românticas precisavam ser problematizadas pois se afastam bastante de como as coisas acontecem no mundo real. Mas acho possível que tenhamos ido longe demais. Tornamo-nos cínicos. Céticos. Desacreditados de qualquer positividade. Então talvez, só talvez, estejamos precisando de uma boa dose de clichê para reencontrarmos aquela parte de nós que um dia já achou ser possível presenciar uma espécie de “magia”.

Precisamos de um meio termo. Algo entre acreditar cega e alienadamente e negar e criticar ferrenhamente. Necessitamos urgentemente de respiros em uma sociedade que acaba se voltando para o líquido quando, na verdade, temos medo de nos permitir sermos vulneráveis. Não estou dizendo que Para todos os garotos é o melhor filme de romance já criado, longe disso. Mas vamos pegar leve e parar de criticar tanto.

PARA TODOS OS GAROTOS: P.S. AINDA AMO VOCÊ
3

RESUMO:

Para todos os garotos: PS. Ainda amo você é clichê sim, mas te convido a não criticar.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Isa Carvalho

Jornalista e estudante de cinema. Acredita que o cinema é um documentário de si mesmo, em que o impossível torna-se parte do real. "Como filmar o mundo se o mundo é o fato de ser filmado?"