7 em cada 10 dos jovens brasileiros procuram se ver na tela, diz pesquisa da Netflix

Os dilemas de Doni, Rita e Nando, em Sintonia, as questões de Otis em Sex Education, e até os dramas amorosos de Lara Jean, em Para Todos os Garotos Que Já Amei, não são apenas uma ficção para os jovens brasileiros. Em pesquisa feita pela Netflix, com 1.000 jovens brasileiros entre 16 e 25 anos, ficou claro que eles querem se enxergar na tela, já que 7 entre cada 10 pessoas disse que personagens parecidos com elxs e seus amigues é um fator importante para escolher a qual filme ou série assistir.

Para muitos, se ver na tela não é mais uma questão de opção, já que 8 em cada 10 (79%) jovens disseram que agora eles se veem mais na tela do que antes.

“Os jovens querem se ver representados nas histórias a que eles assistem. E a Netflix está comprometida em levar histórias mais diversas aos nossos assinantes, porque acreditamos que mais pessoas devem ver suas vidas refletidas na tela. É por isso que estamos tão animados com as diferentes séries e filmes que temos para esse público – de Sex Education e Para Todos os Garotos que Já Amei, até Atypical e Sintonia“, diz Maria Angela de Jesus, diretora de produções originais internacionais da Netflix no Brasil.

Clique no infográfico para ampliar:

Se é importante para essa galera que ficção e realidade estejam super conectadas, nada mais natural que as experiências que veem nas telas também se desdobrem na vida real. Mais de 50 mil fãs brasileiros foram convidados para o TUDUM Festival Netflix, um evento gratuito que rola entre os dias 25 e 28 de janeiro no Pavilhão da Bienal do Parque do Ibirapuera em São Paulo, já com ingressos esgotados para todos os dias.

A pesquisa foi conduzida pela NetQuest, entre os dias 13 e 15 de janeiro de 2020, com base nas respostas de 1 mil pessoas, entre 16 e 25 anos. A amostra foi equilibrada por idade e gênero, e representa uma população adulta online que assiste a filmes e programas de TV via streaming, TV paga e TV aberta no Brasil.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Léo Barreto

Carioca, apreciador de filmes e séries em tempo integral, quando o Bernardo (filho dele) deixa. Iniciou sua admiração pela sétima arte com os clássicos da sessão da tarde e se apaixonou pelo mundo das séries quando o Voo 815, da Oceanic, caiu misteriosamente em algum lugar no meio do nada...