Terry Gilliam detona os filmes da Marvel e diz ter odiado ‘Pantera Negra’

Diretor de filmes como Brazil (1985), Os Doze Macacos (1995) e Medo e Delírio em Las Vegas (1998), Terry Gilliam afirmou não ser fã dos filmes da Marvel. Mais do que isso, ele esculhambou o sucesso de crítica e bilheteria Pantera Negra, durante a divulgação de seu filme mais recente, O Homem que Matou Dom Quixote, estrelado por Adam Driver e Jonathan Pryce.

Em entrevista ao IndieWire, o cineasta indicado ao Oscar em 1986 pelo roteiro de Brazil disse: “Odiei Pantera Negra. Me deixa louco. Passa a crianças negras a ideia de que isso é algo para se acreditar. É besteira. Acho que as pessoas que fizeram nunca foram para a África, apenas pegaram estilistas para criar designs africanos. Mas eu odiei aqueles filme, especialmente porque a imprensa não parava de falar da importância dessa porcaria”.

Como aponta o artigo do site The Wrap, o diretor Ryan Coogler e sua equipe – a designer de produção Hannah Beachler e a figurinista Ruth Carter, ambas vencedoras do Oscar por este filme – viajaram pela África para realizar pesquisas sobre a produção. A arquitetura afrofuturista do continente e o traje de tribos como os Masai foram as principais influências na construção do mundo de Wakanda e dos trajes mostrados no filme. Portanto, há uma grande inconsistência na fala do diretor.

Gilliam também falou sobre o cinema atual, adotando uma postura parecida com às de Martin Scorsese e Francis Ford Coppola, que afirmaram que filmes da Marvel “não são cinema” e se classificam como “desprezíveis“:

Não há mais espaço para a maioria dos filmes. Você tem que fazer algo acima de US$150 milhões de orçamento, ou abaixo dos US$10 milhões. Onde está todo o resto?”, questionou. “Faço filmes que fazem as pessoas pensarem. Quer dizer, entretenho elas o suficiente para que não durmam, e os filmes estão lá para fazer o público ver o mundo de outra forma. Aqueles filmes [de herói] não fazem isso. Onde está a gravidade? Porque nesse tipo de filme, tudo é possível. São as limitações que fazem a vida interessante. Ah, se sua armadura pegar fogo não tem problema porque você é Tony Stark. Não é o suficiente. Esses filmes controlam tudo.

No ano passado, Gilliam foi alvo de outra polêmica. Ele recebeu duras críticas de grandes nomes de Hollywood, após classificar o movimento #MeToo como “máfia”. O diretor, que também membro do grupo de comédia inglês Monty Python, afirmou na época que “a ordem da máfia tomou o poder, eles estão carregando suas tochas e eles vão queimar o castelo de Frankenstein”, além de ter justificado assédios e abusos cometidos pelo produtor Harvey Weinstein contra inúmeras atrizes, afirmando ser um preço a ser pago pelo sucesso.

O que acha da fala do diretor? O quanto ele está equivocado, ou certo? Deixe suas impressões.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Carioca, apreciador de filmes e séries em tempo integral, quando o Bernardo (filho dele) deixa. Iniciou sua admiração pela sétima arte com os clássicos da sessão da tarde e se apaixonou pelo mundo das séries quando o Voo 815, da Oceanic, caiu misteriosamente em algum lugar no meio do nada...