Crítica | Rian Johnson brinca de suspense em ‘Entre Facas e Segredos’

Uma boa dose de Agatha Christie; uma pitada de A Família Addams; um tanto do jogo “Detetive”. Esses são os ingredientes de Entre Facas e Segredos, novo filme de Rian Johnson (Star Wars: Os Últimos Jedi) que, escalando um grande elenco, traz uma das produções mais instigantes e inteligentes do ano.

A película tem início com um crime na lúgubre mansão dos Thrombey, onde o patriarca da família, Harlan (Christopher Plummer), morre misteriosamente após a comemoração de seus 85 anos. Um típico caso para o Sr. Hercule Poirot não é mesmo? Porém, aqui não é o famoso detetive belga quem assume as investigações, mas sim uma figura bastante semelhante a ele: o Sr. Benoit Blanc (Daniel Craig), que atua como conselheiro da polícia.

Desde o momento em que somos apresentados aos personagens/suspeitos da história (o que acontece logo no início do longa), todos com boas motivações para terem cometido o crime, surge a sensação de que o tabuleiro de “Detetive” foi armado. Os filhos, genros, noras e netos do falecido autor de livros são entrevistados um a um em frente a uma bizarra mandala de facas, um dos muitos (significativos) objetos espalhados pela mansão.

Faço aqui um parênteses para esclarecer que escrever sobre Entre Facas e Segredos não é tarefa simples, uma vez que suas reviravoltas fazem parte da experiência do espectador, e revelá-las antes de o filme ter sido assistido seria o pior tipo de spoiler. Terei cuidado, portanto, para dizer somente o estritamente necessário para que o leitor entenda a excelente qualidade do filme.

Sendo assim, não é demais dizer que a película traz uma trama bastante rara no que se refere à cronologia das anunciações. É que, logo no começo, tudo o que aconteceu já é desvendado, ou seja, quando uma semana após o crime, Benoit Blanc aparece para investigá-lo, todas as circunstâncias da morte de Harlan já estão bastante claras para o público.

E assim, de cara, o suspense acaba, mas o mistério (e a curiosidade) sobre como Blanc irá descobrir tudo permanece até o final, numa dinâmica esplendorosamente trabalhada em que o detetive irá conviver tanto com os que sabem como com os que ignoram a verdade do ocorrido.

E longe de impor um clima pesado à história, Johnson investe no humor, imbuindo seu longa de uma bem-vinda e inusitada leveza que nos diverte ao mesmo tempo que instiga. Destaque para a protagonista Ana de Armas, que interpreta Marta, a querida cuidadora de Harlan; e Katherine Langford, a polêmica Hannah de 13 Reasons Why.

De resto, não posso falar mais. Você terá que se divertir sozinho na sala de cinema!

ENTRE FACAS E SEGREDOS | KNIVES OUT
4

RESUMO:

Com reviravoltas e enredo inusitado, Entre Facas e Segredos apresenta um mix de investigação, mistério e humor de extrema qualidade.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Flávia Leão

Cinéfila mineira que ama os filmes desde quando os clássicos da Disney ainda eram em VHS e os seriados desde que Jeffrey Lieber e J.J. Abrams inventaram Lost.