Crítica | Apesar de ser uma ode ao americanismo, ‘Ford vs Ferrari’ é brilhante

Porsche. McLaren. Mercedes. Ford. Ferrari. Todas essas marcas são conhecidas mesmo por quem não entende nada de automobilismo, não se interessa por velocidade ou não se importa com design. Então porque todas as conhecem? Definitivamente há algo aí que as torna especial. E ao escolher duas delas para produzir seu filme, Ford vs Ferrari, James Mangold responde a essa pergunta quase retórica.

Ao conhecer a história de Carroll Shelby (Matt Damon) e Ken Miles (Christian Bale), dois grandes nomes da indústria automobilística, é fácil entender que o que torna uma marca e seu produto especial, são as pessoas envolvidas neles. Pessoas que injetam ali seu talento e paixão.

Como não poderia deixar de ser, Ford vs Ferrari é um filme sobre rivalidades – note o ‘vs’ do título! E como não poderia deixar de ser também, o público é levado a escolher um lado ou outro, a decidir quem é mocinho e quem é vilão. Levando em consideração, portanto, que o longa é uma produção americana, não é difícil perceber que papel cabe à Ford e que papel cabe à Ferrari…

A ode ao americanismo, no entanto, não atrapalha em nada aquela primeira mensagem que o filme quis passar. Porque muito mais importante do que a empresa para que trabalhavam, era a paixão que Shelby e Miles sentiam pelos carros que conta. Paixão esta que seus intérpretes (Damon e Bale) conseguem passar brilhantemente para o espectador.

Ford vs Ferrari (2019)

Ford vs Ferrari não é um filme sobre corrida em si, mas uma história pela busca da máquina perfeita. A mais veloz. A causadora de maior frisson em seus admiradores. Também é a história comovente de uma família amorosa. O carinho e a cumplicidade entre Miles e sua mulher, Mollie (Caitriona Balfe) é tangível. Sendo ele um engenheiro mecânico que vive às voltas com motores, não poderia haver uma declaração de amor maior do que quando ela lhe diz que adora o cheiro de gasolina. E o brilho no olhar de Peter (Noah Jupe), seu filho, cada vez que vê o pai correr, só consegue revelar quem é o seu ídolo maior.

Também é uma história de inveja e despeito pelo talento alheio, quando Shelby e Miles têm que lutar contra um mal-intencionado empresário para conseguir realizar seu sonho. Uma história em que a vaidade de dois homens idosos – Henry Ford II e Enzo Ferrari – vai acabar por desencadear a produção dos melhores carros de corrida de que se têm notícia, e cujo legado se estende até os dias atuais.

Sendo assim, a década de 60 de Ford vs Ferrari conhece principalmente uma trilha sonora: o ronco do motor; e a paleta de cores não deixa de fazer sua sutil referência: o azul e branco da Ford, o vermelho da Ferrari e o preto do óleo.

FORD VS FERRARI | FORD V FERRARI
4

RESUMO:

Muito antes de ser um filme sobre corrida de carros, Ford vs Ferrari, de James Mangold, consegue mostrar o lado mais emocionante do automobilismo

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Flávia Leão

Cinéfila mineira que ama os filmes desde quando os clássicos da Disney ainda eram em VHS e os seriados desde que Jeffrey Lieber e J.J. Abrams inventaram Lost.