Crítica | Com forte elenco, ‘A Odisseia dos Tontos’ é um bom exemplar de comédia argentina

As comédias argentinas são sempre interessantes de experienciar. Diferentes do que estamos acostumados a ver vindo do cinema americano, elas fogem do pastelão (uma grande parte do tempo) para entregar algo que consegue ser muito mais dramático e profundo do que somente uma comédia para fazer rir. Elas parecem querer dizer algo a mais, e escolhem um modo inteligente de fazer o que desejam. Obviamente, esse conceito não se aplica à todas. A Odisseia dos Tontosentretanto, consegue se encaixar nele.  

Baseado no livro La Noche de la Usina, de Eduardo Sacherio filme segue a história de Fermín Perlassi (Ricardo Darín, atuando lado a lado de seu filho Chino Darín), que surge com a ideia de juntar um grupo de pessoas para criar uma cooperativa agrícola. A ideia começa a ir pelo ralo quando o grupo se vê vítima de um golpe logo no início da crise econômica que abateu a Argentina em 2001. A partir disso, os 10 membros do grupo planejam uma forma de recuperar o dinheiro perdido, e retomar o plano inicial. 

A premissa é simples, e até mesmo batida, se analisarmos outros filmes que possuem uma ideia semelhante, mas a execução se destaca. O filme não procura navegar somente por mares seguros, e consegue entregar personagens cativantes – cada com um seu background – que se complementam e conseguem fazer a dinâmica de grupo funcionar. As distintas personalidades funcionam perfeitamente juntas, e o timing cômico de muitos deles é certeiro. 

Apesar de ser vendido como comédia, A Odisseia dos Tontos não se encaixa somente neste gênero. Suspense, ação, drama, e thriller se misturam e resultam em um projeto único e divertido. É como se fosse um “filme de roubo” feito à moda antiga. Não é difícil encontrar-se cativado pelos personagens, e torcendo para que o plano seja bem-sucedido.  

A Odisseia dos Tontos (2019)

Mas, apesar da comédia ser bem encaixada, e a mistura de gêneros funcionar bem, o que mais se destaca aqui é a naturalidade. É fácil se identificar e embarcar nessa história pois os personagens são extremamente palpáveis, e o desenvolvimento, tanto deles, quanto do roteiro soa natural e sincero. Nada parece forçado, ou fora de lugar.  

O filme procura trazer uma abordagem política bastante bem-vinda. Algo que a comédia consegue fazer com maestria é poder tratar de assuntos sérios de formas diferenciadas, sem deixar o humor isentar com que o dedo na ferida não seja sentido. O roteiro faz exatamente isso, deixando notável sua intenção de criticar a forma com que o banco lida com o dinheiro da população, principalmente as de baixa renda, além mostrar como ele consegue se beneficiar mesmo o país estando cara a cara com uma crise econômica.  

A Odisseia dos Tontos é um filme seguro de si, e que tenta divertir ao mesmo tempo em que dá necessárias pinceladas em assuntos mais complexos. Encabeçado por Ricardo Darín, que nos entrega aqui o seu obrigatório filme anual, o elenco se mostra forte e com uma excelente química entre si. Difícil imaginar como seria o resultado se os nomes presentes não fossem escolhidos a dedo. A premissa pode não ser original, mas a execução é satisfatória, e faz valer a experiência. 

A ODISSEIA DOS TONTOS | LA ODISEA DE LOS GILES
3.5

RESUMO:

A Odisseia dos Tontos não apresenta uma premissa original, mas a boa execução, e o forte elenco que possui uma excelente química e timing cômico fazem valer a experiencia.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Gabriel Granja

Jornalista apaixonado pela sétima arte. Acredita que o cinema tem o poder de mudar pensamentos, pessoas e o mundo. Encontra nos filmes e séries um refúgio para o caos da vida cotidiana.