Crítica | ‘Fleabag’ é a verdadeira representação da mulher moderna

Se existe uma palavra que se repete muito quando falamos de cinema e televisão é clichê. Tudo se repete, tudo é igual, nada é original. E sim, tem muita verdade nisso. Até aparecer Fleabag. A série, coproduzida pela BBC e pela Amazon e criada pela atriz britânica Phoebe Waller-Bridge – que também assume o papel principal – é o que surgiu de mais original no que se refere a seriados nos últimos tempos.

Você pode até se perguntar como uma história cujo tema é a mulher e o feminino (já que hoje não se fala em outra coisa, direta ou indiretamente) pode oferecer algo novo. Mas essa dúvida só permanece em quem não assistiu a série.

Não é só a atuação genial de Waller-Bridge que torna Fleabag especial, já temos muitos atores e atrizes incríveis por aí que, com seu talento e carisma, acabam salvando as histórias do fracasso. O diferencial da produção está em seu formato – meio diferente do que estamos acostumados – e na forma como o tema mulher e feminino é abordado – que foge do tal clichê que lhe foi atribuído nos tempos modernos.

Ora, e como a série faz isso? Simples: sendo corajosa e tendo muita qualidade. Waller-Bridge interage com o público fazendo o oposto do que é usual na televisão. Geralmente o ator/atriz ignora a câmera – e ela(a) deve fazer isso -, sendo o espectador uma espécie de “deus” onisciente observador que assiste a tudo sob essa ou aquela perspectiva.

Fleabag – Amazon Prime Video

Porém, nesse seriado em questão, Fleabag (que também é o nome usado para se referir à personagem principal) desvia-se constantemente dessa convenção. Ela literalmente olha para a câmera e conversa com quem está lhe assistindo. Não conversa somente com quem ela está contracenando, não conversa somente com ela mesma, conversa com você. E isso faz com que o público desça de seu lugar comum divino para dividir com ela, de igual para igual, as questões terrenas.

E quando falo de igual para igual, quero dizer principalmente as mulheres, uma vez que, como já dito, estamos falando de uma série centrada em uma mulher. Só que o mais interessante é o que os homens, apesar de se identificarem menos, obviamente, se divertirão tanto quanto elas e terão uma pequena amostra de como nós enxergamos algumas coisas no mundo, principalmente o sexo.

Mais um clichê? Sim e não. Não estamos falando de um Cinquenta Tons de Cinza e, apesar de ser extremamente sexual, Fleabag está longe de se comparar à Anastasia Steele. Aqui o sexo tem um milhão de significados, bons e ruins também. Ele é mostrado em toda a complexidade que possui na cabeça de uma mulher. Como explicar, por exemplo, o fato de a protagonista, em uma das cenas da primeira temporada, concordar com seu parceiro que a transa foi incrível quando, na verdade ele não a impressionou nem um pouco? Ou em outra, quando ela prefere afastar o namorado e se masturbar sozinha, enquanto ele assiste? Os homens talvez não entendam, mas as mulheres saberão exatamente o que ela quis dizer ali. É por isso que nos sentimos como uma espécie de melhor amiga para ela e não meras observadoras.

A segunda temporada voltou com tudo, ainda melhor que a primeira, e mereceu cada um dos 6 Emmys que recebeu, sendo que deveria ter levado os 11 a que foi indicada e mais um ainda. Manteve a qualidade da primeira, sendo a continuação da história de uma mulher que esconde a culpa e principalmente a solidão por trás de um humor inteligente, que nos faz rir ao mesmo tempo que mostra o quanto somos vulneráveis. A cena em que ela se confessa com O Padre (com “O” maiúsculo mesmo, não posso falar mais nada sem dar spoiler) ilustra isso muito bem. É quando ela se despe de qualquer fachada e se revela como realmente é sente.

Está aí, então, como sexo e amor podem ser tratados de forma original e espontânea, sem forçar nada. Na verdade, chamar temas como estes de clichês parece errado, já que são motes inesgotáveis por excelência e belos por si só.

FLEABAG – A SÉRIE
5

RESUMO:

Criada e protagonizada por Phoebe Waller-Bridge, Fleabag mostra como temas considerados clichês podem ser abordados de forma original.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Flávia Leão

Cinéfila mineira que ama os filmes desde quando os clássicos da Disney ainda eram em VHS e os seriados desde que Jeffrey Lieber e J.J. Abrams inventaram Lost.