Crítica | ‘Inacreditável’: verdades inconvenientes para uma sociedade opressora e machista

Ao abrir meu caderno de anotações sobre a nova série de drama da Netflix Inacreditável, encontrei apenas uma frase. “A verdade é inconveniente”, falada em algum momento dos oito episódios e que poderia resumir o tema abordado. Porque falar sobre estupro em uma sociedade machista que tenta amenizar um problema estrutural é inoportuno para os privilegiados.

A série acompanha dois momentos que se desenrolam em paralelo. O primeiro, em 2008, mostra-nos a angústia da jovem Marie Adler (Kaitlyn Dever) que, ao ser estuprada, é desacreditada e manipulada por dois policiais a mudar seu depoimento denunciando o crime. A própria vítima começa a duvidar de si mesma.

O segundo, em 2011, apresenta-nos a investigação de duas detetives que suspeitam de um estuprador em série. Os casos apurados em 2011 demonstram diversas similaridades com o de Marie, indicando que estão todos conectados e que se trata de apenas um autor.

O paralelismo usado para representar as duas épocas é importante para apontar a diferença entre cenários de violência de gênero conduzidos por mulheres e conduzidos por homens. Em 2011, Karen Duvall (Merritt Wever) e Grace Rasmussen (Toni Collette) fazem da luta das vítimas suas próprias lutas. Torna-se pessoal e elas estão dispostas a irem às últimas consequências para prender o homem responsável pelos ataques. Ao contrário de 2008, onde Marie é punida por inventar uma acusação de estupro, influenciada por dois homens que simplesmente não entendem. Ou melhor, não querem entender.

A obra é produzida de forma bastante cuidadosa por se tratar de um assunto pesado. Por mais que seja uma questão complexa, o roteiro e direção são prudentes e cautelosos o suficiente para evitar cenas como as explicitadas em 13 Reasons Why. Escrita e dirigida por mulheres, tal fato só demonstra a relevância desse tema ser tratado também por mulheres. No entanto, algumas passagens podem ser fortes e gatilhos para algumas, portanto recomenda-se cautela no consumo da série.

A série foi baseada em acontecimentos reais. Conteúdos como esse são muito significativos, pois auxiliam a popularizar a batalha enfrentada todos os dias pelas mulheres. É preciso gritar sobre a cultura do estupro e incentivar reflexões à sociedade. O audiovisual é um meio para tal.

INACREDITÁVEL | UNBELIEVABLE
5

RESUMO:

Minissérie da Netflix, Inacreditável acompanha casos de estupro e a luta de mulheres para encontrar o responsável.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Isa Carvalho

Jornalista e estudante de cinema. Acredita que o cinema é um documentário de si mesmo, em que o impossível torna-se parte do real. "Como filmar o mundo se o mundo é o fato de ser filmado?"