Emmy 2019 | Membro anônimo da Academia declara votos e detona ‘Pose’, ‘Boneca Russa’ e ‘Sharp Objects’

Todos os anos, o The Hollywood Reporter revela, através de membros anônimos da Academia de Artes e Ciências Televisivas, os votos nas principais categorias. É interessante notar a percepção de alguém que exerce influência na escolha dos melhores da temporada. Ou, no melhor dos casos, discordar ou concordar com eles.

Drama

Na categoria Melhor Série de Drama, o membro anônimo, um produtor de TV, declara voto em Killing Eve, e diz ser a melhor produção do gênero na atualidade, além de rasgar elogios às protagonistas. “Sandra Oh é ótima, mas eu assisto Jodie Comer, que é linda, fala cinco idiomas diferentes e tem uma qualidade diabólica que você quase nunca vê, exceto nos filmes antigos.” Ele elogia também This Is Us, classificando a série como “adorável”, e destaca o fato da produção da NBC ser a única série de TV aberta entre os nomeados.

Para o membro anônimo, Better Call Saul é uma ótima série e Jonathan Banks é o melhor ator da TV: “eu não entendo como ele ainda não ganhou”. Ele assume ter votado em Game of Thrones no passado, diz ter achado o final bonito e não se importar como a maioria das pessoas, mas com uma ressalva: “acho que eles perderam o controle quando não tinham um livro (para se basear)”.

O anônimo parece gostar de quase todas as produções, pelos elogias feitos a Segurança em Jogo e SuccessionEu amei Segurança em Jogo – [Richard] Madden foi incrível e terminei tudo em um fim de semana […] Sucession é brilhante, e sua segunda temporada, até agora, é ainda melhor que a primeira – mas a verdade é que seu brilho está principalmente no roteiro.”

A antipatia é destinada para Pose, e ele parece não ter gostado nem de longe da série do FX. “Eu não assisti Pose. Acho que as coisas de Ryan [Murphy] são as mesmas repetidas vezes – pretensiosas – e isso não me atraiu; Prefiro assistir RuPaul, para ser sincero, a Ryan ter me ensinado sobre drag.” Sobrou também para a série da Netflix protagonizada por Jason Bateman. Pare ele, Ozark tornou-se irrelevante na segunda temporada.


Comédia

A categoria de comédia parece tido menos destaque para o membro anônimo ouvido pelo THR. “Fiquei imensamente desapontado com Boneca Russa – é o Dia da Marmota, mas sem razão. Schitt’s Creek é adorável, mas não sei como foi indicado. Fico feliz em ver um programa de TV aberta, como The Good Place, mas não é do calibre dos programas de TV aberta do passado – você não pode colocar isso no mesmo universo que o Cheers.”

A vencedora do ano passado, The Marvelous Mrs. Maisel, não encheu os olhos do produtor, enquanto Veep não o impressiona mais. “Não amei essa temporada da Maisel, embora pudesse assistir Tony Shalhoub lendo a lista telefônica. Veep é ótimo, mas não vou votar novamente – deve haver uma regra de misericórdia em que você não possa ganhar algo mais do que três ou quatro vezes.”

A escolha se resumiu a duas séries: Fleabag BarryE não foi difícil, segundo ele: “Então, tudo se resumia a Fleabag e Barry. Você não pode imaginar o quanto eu adoraria votar em Phoebe, mas ela está contra Barry, que é o melhor programa de TV. Como contador de histórias, posso lhe dizer que a coisa mais difícil da TV é ser capaz de passar de um drama estrondoso a uma comédia de cair na cara. O que eles fazem neste show é simplesmente surpreendente”. Ele ainda acrescenta algo curioso sobre o protagonista: “eu me preocupo muito com Barry – e ele é um assassino de aluguel!”.


Melhor Série Limitada

Aqui a insatisfação com a minissérie da HBO é enorme. “Eu detestava Sharp Objects. Amy Adams era malvada – às vezes os atores são as últimas pessoas que deveriam escolher seu material – e se ela pegasse a garrafa de água com vodka mais uma vez, eu jogaria um tijolo na minha TV. Entendi, você é uma bêbada!”.

Outras três séries agradaram ao anônimo, mas não em sua totalidade. Fosse/Verdon foi bom, mas a versão de Bob Fosse de Sam Rockwell empalidece em comparação com a de Roy Scheider em All That Jazz, que basicamente conta a mesma história, mas melhor; [Michelle Williams] foi ótima, no entanto. Escape at Dannemora foi bom – eu amei a direção mais do que a escrita, e não fiquei louco pelo elenco, além de Patricia Arquette. A verdade é que eu não terminei quando Olhos que Condenam porque foi tão perturbador – Ava [DuVernay] o dirigiu tão bem, e eu me importava tanto com aquelas crianças que não aguentava mais.”

Para o produtor, Chernobyl “é a melhor coisa que apareceu na TV nos últimos 10 anos.” Ele justifica: “Foi extraordinário – a escrita, elenco, locações, efeitos visuais. E o fato de ter sido [criado e escrito por] o cara que fez os filmes da Ressaca [Craig Mazin escreveu Se Beber Não Case II eIII ] ?! Inacreditável. É como todos os homens do presidente, porque você sabe como isso vai acabar, mas você realmente não sabe como tudo aconteceu. Eu não tinha ideia do quão perto a Terra estava de se aproximar – e agora isso aconteceu novamente!”.

A cerimônia do Emmy 2019 acontece dia 22 de setembro, ás 22 horas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Léo Barreto

Carioca, apreciador de filmes e séries em tempo integral, quando o Bernardo (filho dele) deixa. Iniciou sua admiração pela sétima arte com os clássicos da sessão da tarde e se apaixonou pelo mundo das séries quando o Voo 815, da Oceanic, caiu misteriosamente em algum lugar no meio do nada...