Crítica | Com uma história impactante em mãos, ‘Legalidade’ aposta na ficção novelesca

Em meio ao cenário político atual do Brasil, obras que relembrem a tragédia que o país viveu durante obscuros 21 anos – e principalmente, seus antecedentes – são consideradas cada vez mais primordiais. Mediante ao processo de 9 anos de produção, Legalidade parece ter sido concluído no momento certo, mas, tristemente, não atinge o potencial que tinha capacidade.

Quando Jânio Quadros renuncia o cargo presidencial em agosto de 1961, a democracia brasileira se apresenta cada vez mais fragilizada; é neste momento que o exército brasileiro, com intermédio de investigações norte-americanas, se aproveita da instabilidade política para impedir que o vice-presidente João Goulart tome posse e assim, aplique o golpe militar.

Enquanto isso, por meio de um transmissor de rádio em um bunker improvisado no subsolo do Palácio Piratini, o governador do Rio Grande do Sul Leonel Brizola cria a Campanha da Legalidade – movimento para incentivar o povo ir às ruas garantir a democracia e o direito de Goulart à presidência –, responsável por retardar o golpe que aconteceu 3 anos depois.

Líder de grande atuação política até sua morte em 2004 e um dos principais opositores da ditadura de 1964, Brizola também fundou e presidiu o Partido Democrático Trabalhista (PDT) e por uma diferença de 0,6% em relação ao Lula não disputou o segundo turno da corrida eleitoral de 1989 com Fernando Collor.

legalidade (2019) – Boulevard Filmes

Lamentavelmente, Legalidade não faz jus a esse grande nome da política brasileira e muito menos ao movimento que toma o título. Na verdade, o período abordado serve apenas como pano de fundo para passar o foco ao triângulo amoroso fictício entre Cecília (Cleo) e os irmãos Luís Carlos (Fernando Alves Pinto) e Tonho (José Henrique Ligabue), que acaba por tomar conta da maior parte da projeção em cenas dispensáveis dignas de novela. A decisão de Zeca Britto e Léo Garcia em tornar o filme mais interessante para o grande público, no entanto, acaba por adquirir o efeito contrário.

O filme também conta com a subtrama da filha de Cecília (interpretada por Letícia Sabatella), anos depois, em 2004, investigando o passado da mãe que mais tarde é revelada como uma agente da CIA – disfarçada de jornalista, repassava informações do palácio para os Estados Unidos enquanto manipulava os dois irmãos. Diante do objetivo do diretor a ideia poderia ser proveitosa, se não fosse tão mal articulada.

Aparentemente insuficientes, as três histórias simultâneas são conectadas por uma montagem desajustada e por vezes confusa, quebrando totalmente o ritmo do filme e o tornando cansativo. As imagens reais do movimento da Legalidade adicionadas para compor as marchas reproduzidas do filme perdem sua efetividade em meio às inúmeras dramaticidades malconduzidas e cenas que não adicionam nada em sua totalidade.

Apesar dos erros citados e do um tom teatral que a obra por vezes adquire, o filme possui (poucos) bons momentos; esses sendo os que envolvem Brizola. Se o filme se limitasse a contar sua trajetória ou explorar o período antecedente ao golpe de 64 com as imagens documentais do movimento, poderia ter um impacto poderoso. Ao invés disso, se apoia em diálogos ruins e situações improváveis ou nulas, que afastam o filme da realidade.

Legalidade (2019) – Boulevard Filmes

Legalidade é uma tentativa de Zeca Brito de encaixar a ficção em uma história significativa e de extrema necessidade no período atual, mas acaba por a desviar totalmente. Os casais fictícios são protagonistas na história, sem deixar tempo algum para que o espectador sinta o peso das ações reais antecedentes ao golpe tomadas pelos generais do exército, manipulados para atender aos interesses dos Estados Unidos e dos quais sofremos consequências até hoje.

LEGALIDADE
2

RESUMO:

Com uma história real e impactante em mãos, Legalidade aposta na ficção novelesca para contar sobre um dos períodos mais importantes da história brasileira.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Rafaella Rosado

Jornalista apaixonada pela sétima arte desde pequena, quando achava que era possível assistir todos os filmes do mundo. Acredita que o cinema é a forma mais sensível de explorar realidades.