Crítica | ‘Toy Story 4’ é menos grandioso que seu antecessor, mas mostra a que veio

Escrever esta crítica é uma tarefa mais que difícil para mim; Toy Story é um dos meus filmes preferidos, em que assisti repetidamente durante a infância e ainda continuam a me emocionar. Com isso a tarefa se complica, mas é uma alegria falar sobre.

Com sua nova criança, o Xerife Woody sente grandes dificuldades de se adaptar aos novos hábitos, seu altruísmo cresce na tentativa de manter o grupo sempre unido. As coisas começam a degringolar quando um brinquedo artesanal feito por Bonnie, o famigerado Garfinho, tem que agora assumir função de brinquedo, pois é um símbolo afetivo para o crescimento de Bonnie. Garfinho não entende e não quer assumir a função e cabe a Woody dar tudo de si, mais uma vez, para colocar as coisas de volta no eixo. Contanto com a ajuda de grandes aliados do passado.

Depois do grandioso final de Toy Story 3, um filme que emociona, impacta e finaliza, acredito que ninguém estava realmente esperando um quarto. Quando ele foi anunciado não é de se espantar uma desconfiança, mas, dando um voto de confiança para uma franquia que não decepcionou, temos aqui um filme narrativamente menor que o seu antecessor, mas que consegue manter sua qualidade, se esforça para trazer novidades, tem muito a dizer e é um brinde para os nostálgicos.

Seria legal olharmos Toy Story 4 como, de certa forma, olhamos para Vingadores Ultimato, onde toda a grandiosidade aconteceu no seu antecessor e aqui temos a conclusão de pontas soltas, com uma forte invocação de nostalgia, concluindo com o que John G. Cawelti chamava de reafirmação do mito, no seu trabalho sobre as constantes transformações dos gêneros. Reafirmar o mito é mostrar ao espectador que acreditamos na obra não porque é real, mas porque ela guarda dilemas em que precisamos sempre acreditar.

A franquia Toy Story carregou ao longo dos anos diversas perspectivas, diversos meios de olhar e encarar o mundo e as adversidades, mostrou diversos valores distintos – algo que eu acredito que valha a pena um outro artigo só para comentar sobre – por isso sempre foi bastante rica em temáticas infantis e adultas, é uma franquia que trabalhou com a proposta “Familiar”, filosofia de Walt Disney, com maestria.

Mas, acredito que o que mais se destaca, principalmente em Woody, é o amor cristão, ou ágape, o amor pelo teu próximo e pelos inimigos, aquele amor desinteressado que não acaba nunca em você, mas naqueles que estão a sua volta. E como Toy Story obviamente não é uma história religiosa, podemos dizer que Woody pratica sempre o amor prático de Kant, onde se diz que obviamente não dá para amar todo mundo, mas dá para agir como se amasse, o que define a conduta generosa – é aquela que imita e simula a conduta amorosa.

Woody carrega dentro de si um poderoso dilema do herói, aquele que busca qual é o real sentido de estar vivo e transmite aos seus semelhantes através da conduta generosa. E digo sobre Woody, pois esse filme é praticamente dele, Buzz infelizmente toma uma posição secundaria, Jesse e a maioria dos brinquedos que gostamos somem e dão espaço para Beth, Garfinho e para algumas novidades. Este não é um filme sobre o grupo que conhecemos e amamos, é um filme intimamente ligado ao Woody.

A trama mais simples e curta mostra diversos traços de desgaste, momentos que claramente só “enchem linguiça”, cenas que estão lá apenas para evocar nostalgia e por aí vai – se esse filme não encerrar a franquia, podemos duvidar da qualidade de um suposto Toy Story 5 com muito mais embasamento.

A animação está cada vez mais linda do que nunca, não tem o que falar a não ser elogiar – é impressionante!

Em resumo, temos em Toy Story 4 uma belíssima e encantadora estética, uma trilha sonora precisa e nostalgia, uma trama mais simples, porém com gás para novidades e com poderosos ensinamentos sobre amor e amizade. Não vá esperando grandiosidade, grande foi o Toy Story 3, mas não deixe de ir para ver e entender porque amamos tanto essa franquia.

TOY STORY 4
3.5

RESUMO:

Com uma historia mais intima focada em Woody, Toy Story 4 é um filme narrativamente menor que seu antecessor, mas que traz a tona assuntos pertinentes, evoca muita nostalgia e mostra ao público porque gostamos tanto da franquia.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Matheus Amaral

Formado em Audiovisual, amante do cinema em todos os seus aspectos. Filósofo de bar. As vezes mistura as coisas...Desde pequeno assistia tudo o que via pela frente, cresceu lado a lado com o cinema e com as suas diversas vertentes.