Apple também quer emplacar filmes no Oscar

De acordo com o NY Post , a Apple vai entrar na briga pelo Oscar. Segundo a publicação, a empresa está planejando produzir seis filmes de pequeno orçamento por ano, mirando em histórias que poderiam concorrer na premiação. Este seria um dos motivos pelos quais a empresa estreitou laços com grandes nomes do cinema, como Steven Spielberg, M. Night Shyamalan, Damien Chazelle e Ron Howard, entre outros.

Conheça as séries que serão lançadas esse ano no Apple TV +

O caso de Spielberg é curioso. O lendário cineasta vem liderando uma cruzada ferrenha desde 2018 contra a presença do streaming no Oscar, mais especificamente a Netflix, que inclusive respondeu o diretor. Recentemente, ele fechou um acordo para produzir conteúdo de TV para o Apple TV +, novo serviço de streaming que será lançado em breve pela empresa de tecnologia, e se tornou alvo de críticas. E agora, José… Ou melhor, Spielberg?

Segundo o relatório apresentado, a Apple será muito estratégica com seus gastos nesse projeto. Cada um será supostamente orçado em US$ 5 milhões e US$ 30 milhões, tendo como base produções da Netflix e Focus Features, cujo modelos servirão de inspiração.

Na última edição do Oscar, Roma, de Alfonso Cuarón, foi indicado em 10 categorias e ganhou três estatuetas, incluindo Melhor Filme Estrangeiro, Fotografia e Direção. A Focus Features lançou, recentemente, The Dead Don’t Die, filme que abriu o Festival de Cannes.

Ainda não se sabe ao certo qual será o modelo adotado pela Apple, mas, certamente os filmes serão exibidos em seu serviço de streaming. Porém, é bom lembrar: para concorrer ao Oscar, pelas regras da Academia, um filme precisa ser lançado nos cinemas e ficar em cartaz por um determinado período, ainda que não seja necessário um lançamento amplo. É o que a Netflix fez com Roma, lançando o longa em circuito limitado por algumas semanas. Depois de estrear no streaming, o longa ganhou diversas sessões no cinema, inclusive aqui no Brasil.

A empresa também pode adotar o modelo da Amazon e lançar suas principais apostas nos cinemas, e ao fim da janela de três meses, disponibilizá-los no streaming. Esse é o caminho normal aponta por Spielberg. Isso nós saberemos no fim deste ano, quando o serviço de streaming estiver disponível.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Léo Barreto

Carioca, apreciador de filmes e séries em tempo integral, quando o Bernardo (filho dele) deixa. Iniciou sua admiração pela sétima arte com os clássicos da sessão da tarde e se apaixonou pelo mundo das séries quando o Voo 815, da Oceanic, caiu misteriosamente em algum lugar no meio do nada...