Era Uma Vez em Hollywood | Primeiras impressões apontam filme como o mais pessoal de Quentin Tarantino

Aconteceu hoje (21), no Festival de Cannes , a premiere de Era Uma Vez em Hollywood, novo filme de Quentin Tarantino. Na Croisette, estiveram presentes o diretor e seu elenco principal, composto por Margot Robbie, Leonardo DiCaprio e Brad Pitt.

O longa se passa em 1969, em Los Angeles. Rick Dalton, interpretado por Leonardo DiCaprio é um ator de TV que, juntamente com seu dublê, está decidido a fazer o nome em Hollywood. Para tanto, ele conhece muitas pessoas influentes na indústria cinematográfica, o que os acaba levando aos assassinatos realizados por Charles Manson na época, entre eles o da atriz Sharon Tate (Margot Robbie), mulher do cineasta Roman Polanksi.

Nas primeiras reações, quem assistiu garante que o filme é bom, apesar de ser diferente do que Tarantino está acostumado a apresentar em seus filmes como o excesso de violência. Além de ser considerado por muitos com maior carga emocional e pessoalidade.

“O brilhante humor ácido do cinema apelativo de Quentin Tarantino, Era Uma Vez Em Hollywood, encontra uma visão redentora e fictícia do pesadelo de Manson: chocante, emocionante, deslumbrantemente filmado nas cores primárias de celulóide do céu azul e do pôr do sol dourado. Crítica mais tarde.”

“Era Uma Vez Em Hollywood é uma mistura fascinante de Jackie Brown e Bastardos Inglórios. O novo de Tarantino é ao menos o mais chamativo e emotivo, mas ao mesmo tempo também brinca com o cinema, os locais e a história de Hollywood.”

“Eu ri. Eu suspirei. Eu me perguntei: o que Roman Polanski acharia? Concordei, a contragosto, em não twittar spoilers. Tarantino faz uma ode à inocência perdida de Hollywood, enquanto insolentemente sugere que nunca teve nada para começar.”

“Era Uma Vez Em Hollywood é uma ruminação bonita e impetuosa sobre a sujeira e a beleza de Hollywood. É uma façanha suja e percebida sensualmente, com muitos, muitos tiros de pés sujos e sensuais.”

 

“Como esperado, Era Uma Vez em Hollywood é Tarantino faz referência a outros filmes e TV e à velha Hollywood e aos bons tempos nos anos 60. Cavando em seu passado e nos mostrando, através do cinema perfeitamente trabalhado, seus sentimentos sobre filmes e artistas e os assassinatos de Manson e muito mais.”

“Era Uma Vez Em Hollywood ou Bromance de Tarantino. Naturalmente apaixonado pelos “velhos filmes antigos” e LA. No set as cenas ocidentais são minhas favoritas. Não esperava estar tão encantada com isso.”

“ERA UMA VEZ EM HOLLYWOOD: Por que ninguém está twittando sobre Margot Robbie? Ela é o coração e alma deste filme. Sua Sharon Tate é o personagem mais humano e ressonante de todo o filme. Quase toda cena em que ela está é de partir o coração.”

“Acabei de sair de Era Uma Vez Em Hollywood. Mistura realmente interessante de nostalgia afetuosa, amizade masculina, trilha sonora e selvageria cômica.”

“É muita coisa para digerir, mas Tarantino fez seu filme mais específico, realista e suave em Era Uma Vez Em Hollywood. Realmente gostei, embora haja muito o que fazer em relação à falta de personagens femininos, Robbie tem um papel surpreendentemente pequeno.”

“ERA UMA VEZ EM HOLLYWOOD é maravilhoso. é como se tarantino estivesse sonhadoramente relembrando para nosso benefício. sente-se inocente de alguma forma – adorável, pura, hilária. testemunhando robbie, dicaprio, & pitt incorporando imaculadamente L.A. nos anos 60, é o suficiente para torná-lo ótimo. e👏🏼isso👏🏼recompensa👏🏼”

Antes da estréia, o diretor pediu para que público e críticos não dessem spoilers sobre o filme. Aviso que foi novamente repassado pelo diretor do Festival de Cannes, Thierry Frémaux, antes da sessão.

O filme está concorrendo pela Palma de Ouro no Festival de Cannes, exatos 25 anos depois de seu Pulp Fiction (1994) levar o prêmio para casa. A premiação ocorre dia 25 de maio. Para mais informações sobre o festival, clique aqui.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Juliana Oliveira

Estudante de psicologia e fascinada pelo audiovisual. Acredita que o cinema seja uma arte de teor político que dá voz a quem não é ouvido. Gosta de conhecer novas culturas e acredita que o cinema seja a melhor forma para isso, expandindo assim a visão de mundo dentro se sua limitada realidade.