Crítica | Veep: 7ª temporada finaliza comédia de maneira brilhante


Reviewed by:
Rating:
5
On 19 de maio de 2019
Last modified:19 de maio de 2019

Summary:

Com altas doses de ironia, "Veep" se despede em sua 7ª temporada ridicularizando de maneira brilhante da situação política mundial.

Desde a estreia de sua primeira temporada, lá em 2012, Veep vem abocanhando indicações e vitórias em diversas premiações, principalmente o Emmy, em que praticamente já tinha sua vaga garantida nas categorias Melhor Série de Comédia e Melhor Atriz em Série de Comédia, sendo que nesse segundo, Julia Louis-Dreyfus saiu vitoriosa 7 vezes. E com esse ótimo histórico, e já com a estreia adiada, devido ao afastamento de sua atriz principal, que estava enfrentando um tratamento contra o câncer de mama ,a série chega ao fim.

Em sua última temporada, Selina Meyer (Julia Louis-Dreyus) decidiu concorrer novamente as eleições presidenciais e, junto de sua equipe, passa por situações extremamente absurdas nessa corrida eleitoral. Assim como em House of Cards, a grande jogada da comédia é se basear na política da vida real, e não só na política americana, para fazer suas melhores piadas, como por exemplo debates presidenciais insanos, o envolvimento de outras nações nas votações, crescimento de candidatos com discursos de ódio, entre outros.

Uma das melhores coisas em Veep é sem dúvida seu elenco, que consegue dar vida a personagens moralmente errados, mas que mesmo assim divertem. Como a própria protagonista Selina Meyer, que é o exemplo perfeito de má líder. Como a chefe de campanha Amy (Anna Chlumsy, a Vada do clássico Meu Primeiro Amor), que começa a observar que discursos de ódio e opiniões completamente infundadas, podem vencer uma eleição, mesmo não querendo que seu candidato, Jonah Ryan (Timothy Simons) vença. Ou como Gary (Tony Hale de Arrested Development), o fiel faz tudo de Selina, que está sempre ao seu lado, mesmo que ela nem sempre o queira lá.

Porém, a característica mais marcante da série é sua comédia extremamente irônica e que não tem medo de brincar e fazer piada com o ridículo no meio político. O roteiro faz críticas à situação política mundial justamente expondo e ridicularizando acontecimentos fictícios, mas que tem relação com a realidade, desde candidatos não se importando com a opinião de seus eleitores (a menos que isso afete a pesquisa de intenções de votos), candidatos com discursos escritos na própria mão e até mesmo fazendo piadas com os próprios eleitores.

Em sua conclusão, Veep encerra a história de Selina Meyer em grande estilo, encerrando as histórias de seus personagens das maneiras mais comicamente ridículas possíveis e sem perder todo o humor ácido e irônico que é sua marca desde a primeira temporada.

VEEP - 7ª TEMPORADA
5

RESUMO:

Com altas doses de ironia, Veep se despede em sua 7ª temporada ridicularizando de maneira brilhante da situação política mundial.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Matheus Ribeiro

Paulista, jornalista em formação, gamer e viciado em filmes e séries. Acredita que boas histórias nos ajudam a conhecer não só a maneira que a sociedade funciona, mas a conhecer a nós mesmos.