As força das mulheres em ‘Game of Thrones’

Talvez um dos motivos para Game of Thrones ser um grande sucesso seja a identificação. Mesmo que seu universo seja ambientado em uma época semelhante à Medieval, muitos são os elementos trabalhados que podem ser equiparados com os dias atuais. Uma dessas questões é a desigualdade e injustiça contra as mulheres.

No início da série, somos aos poucos apresentados aos personagens e é imediatamente notável que as mulheres são oprimidas na trama. É um mundo de guerras, espadas, cavaleiros e a parcela feminina é educada para serem princesas, frágeis e que precisam da proteção dos homens. Esta deveria ser a regra, no entanto, logo no começo, percebemos uma resistência.

Depois de oito temporadas, é muito interessante observar a evolução das personagens femininas. E como, inclusive, são mais fortes que os homens porque além de todas as dificuldades passadas, ainda enfrentam o obstáculo do gênero.

Daenerys Targaryen estreia como uma jovem aparentemente frágil e ocultada pela sombra do irmão, que a vende para ser esposa de Khal Drogo. Assistimos, com o passar dos personagens, a transição de irmã para Khaleesi, uma rainha. Ela compreende seu próprio poder e capacidade. Nesta oitava temporada, vemos uma líder bem próxima de ocupar o trono de ferro, lugar antes restrito a homens.

Tal trono que, aliás, está, na oitava temporada, sob o controle de Cersei Lannister. Desde a primeira temporada, sabemos que é uma personagem forte e esperta, que usa das adversidades impostas às mulheres a seu favor, sem jamais aceitar a submissão. Ela sempre conseguiu o que quis e se mostrou uma das figuras mais inteligentes da trama.

Sansa Stark inaugurou sua jornada como o arquétipo ideal da mulher da época. Educada para abaixar a cabeça, costurar vestidos, ser rainha e dar a luz a bebês, no princípio é exatamente isso que ela deseja. Talvez Sansa seja a personagem que mais sofreu e este sofrimento a moldou. Na oitava temporada, seu olhar é gélido e duro até mesmo quando sorri. Até sua forma de andar mudou. A menina inocente deu lugar à uma mulher astuciosa, firme e determinada. Sabemos que ela não vai se permitir oprimir novamente.

 

E o que falar de Arya Stark? A garotinha designada que nunca aceitou o destino que estava preparado para ela como mulher. A trajetória de Arya é uma das mais interessantes devido propósito. Ela tornou-se corajosa, sem misericórdia, temível e respeitada. Vingou a família em uma das cenas mais marcantes da série. E sua participação na oitava temporada tem sido de bater palmas.

Muitas outras personagens podem ser citadas aqui. Brienne de Tarth, Melisandre, Margaery Tyrell, Olenna Tyrel, Catelyn Stark, Yara Greyjoy e a incrível Lyanna Mormont. Todas, entre outras, demonstraram, a suas formas, não aceitar os preceitos machistas e patriarcais da sociedade em que estão inseridas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Isa Carvalho

Jornalista e estudante de cinema. Acredita que o cinema é um documentário de si mesmo, em que o impossível torna-se parte do real. "Como filmar o mundo se o mundo é o fato de ser filmado?"