Game of Thrones | Como Melisandre previu acontecimentos da Batalha de Winterfell

Com spoilers do terceiro episódio da oitava temporada – ‘The Long Night’

A Batalha de Winterfell não derrubou apenas nortenhos, dothrakis, imaculados e white walkers. Muitas teorias que a internet produziu também caíram por terra com a morte do Rei da Noite pelas mãos de Arya Stark (Maisie Williams). Foi uma noite daquelas em Game of Thrones.

O que muita gente não imaginava, também, era a participação central de Melisandre (Carice van Houten) na história. Banida do Norte por Jon Snow (Kit Harington) no final de sexta temporada, a sacerdotisa de R’hllor e sua fé tiveram papel decisivo na batalha contra os mortos. Mas essa também foi uma jornada de desenganos consigo mesma.

A conselheira de Stannis Baratheon foi apresentada na série no início da segunda temporada. A mulher vermelha veio de outro continente, Essos, para propagar sua fé em Westeros, e ainda em Pedra do Dragão, queimou as estátuas da Fé dos Sete que lá haviam.

Por suas atitudes, Melisandre provocou a ira do Meistre de Stannis, e de Davos Seaworth (Liam Cunningham), com quem nunca se deu muito bem. Inclusive, ele convenceu Stannis a não levá-la para a Batalha da Água Negra, quando, sem sucesso, ele tentou invadir Porto Real. E, principalmente, porque no futuro ela aconselharia Stannis a sacrificar sua filha Shireen ao Deus Vermelho. Fato que não adiantou nada, por causa da derrota sofrida para os Bolton liderados por Ramsey. Foi por causa dela que, ainda na segunda temporada, Stannis atentou contra a vida do irmão, Renly Baratheon, na briga pela sucessão do trono.

Melisandre em “The North Remembers”, episódio 1 da segunda temporada

Por causa de todos esses infortúnios e por acreditar que estava errada em suas convicções, Melisandre ficou desenganada com a sua fé. Ela confiou que Stannis era o escolhido. Quando Davos a convence a ressuscitar Jon Snow, no segundo episódio da sexta temporada, ela começa então a acreditar que o “Príncipe Que Havia Sido Prometido” seria Jon, e  passa a não tentar mais convencer as pessoas sobre sua fé.

O encontro nas Terras Fluviais

Ainda na terceira temporada, Melisandre esteve nas Terras Fluviais para se encontrar com a Irmandade sem Bandeiras. Na época, Arya Stark estava com o grupo, que também tinha o bastardo de Robert, Gendry, como ferreiro.

Após falar com o Sacerdote Vermelho Thoros de Myr, o mesmo que havia ressucitado Beric Dondarrion seis vezes, Melisandre comprou Gendry da Irmandade, para que pudesse ser útil na Guerra de Stannis. Na verdade, sua utilidade seria o sacrifício – ela usou o sangue de Gendry num ritual para matar os rivais de Stannis, mas, antes que ele pudesse ser sacrificado, Davos o ajudou a escapar com vida.

Porém, ainda no encontro que selou a compra do bastardo, revoltada, Arya Stark confrontou Melisandre, em um diálogo enigmático, que passou enfim a ter sentido com a exibição do episódio The Long Night. “Olhos castanhos, olhos azuis, olhos verdes”. Ao se referir desta forma, ele pode ter feito uma alusão aos mortos que Arya já fez; aos white walkers; e, quem sabe, há uma referência aos Lannisters. Ou, mais especificamente Cersei, nome que ainda está no caderno da menina.

Mas, não foi apenas os acontecimentos derradeiros com o Rei da Noite que Melisandre previu. Após chegar em Winterfell e inflamar as lâminas do Dhotrakis, a sacerdotisa entrou no castelo e foi recebida por Davos. Sua fala prevê que essa serão suas últimas horas de vida, que não duraria até o amanhecer do dia. No fim do episódio, ela tira seu colar e vestes, e cai no solo gelado.

Da mesma foram que o propósito de Beric era ser revivido diversas vezes para chegar até aquela noite – é ele quem protege Arya e possibilita sua fuga com O Cão até um aposento em que Melisandre estava – sua missão só estaria concluída no fim da noite, com a vitória dos vivos contra os mortos. A mulher vermelha encontrou enfim o seu destino.

A sacerdotisa teve um papel questionável durante toda a história, e Game of Thrones nos fez ter sentimentos ambíguos quanto as suas motivações o tempo todo. Ela, que ainda invocou o Senhor da Luz para acender as trincheiras do castelo, foi o start decisivo para Arya Stark e o seu “Hoje não“. É um arco que, se colocado em perspectiva, se fecha com um propósito errante, mas cumprido.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Léo Barreto

Carioca, apreciador de filmes e séries em tempo integral, quando o Bernardo (filho dele) deixa. Iniciou sua admiração pela sétima arte com os clássicos da sessão da tarde e se apaixonou pelo mundo das séries quando o Voo 815, da Oceanic, caiu misteriosamente em algum lugar no meio do nada...