Filmes com brasileiros compõem lineup do Festival de Cannes 2019; confira

O maior festival de cinema, também conhecido como Festival de Cannes, começa dia 14 de maio e vai até dia 25. Como de costume, o festival abrange uma grande diversidade de países tanto nas nacionalidades de seus jurados quanto na origem de seus filmes. 

Como sempre, o Brasil é um dos países que volta a integrar o lineup das mostras competitivas deste ano. Confira abaixo quais longas nacionais estarão presentes na Croisette. 

“Bacurau”, de Kleber Mendonça Filho e Juliano Dornelles. Presente na Competição Oficial.

Presente novamente no Festival de Cannes, Kleber Mendonça Filho esteve presente em 2016 com o longa Aquarius, filme protagonizado por Sônia Braga, pelo qual concorreu a Palma de Ouro, além de fazer protesto no Festival contra o impeachment da presidenta Dilma Rousseff. Em 2019 ele retorna com o longa de ficção científica e faroeste, novamente proganizado por Sônia e de novo na disputa pela Palma de Ouro. No longa, Bacurau é um povoado futurístico no sertão brasileiro. Lá eles dão adeus a Dona Carmelita, mulher forte e querida, falecida aos 94 anos. Dias depois, os moradores de Bacurau percebem que a comunidade desapareceu misteriosamente dos mapas. De acordo ao diretor artístico de Cannes, Thierry Frémaux, Bacurau “deriva da tradição dos filmes de cangaceiros, mas tem um traço autoral particular, extremamente político”.


“O Traidor”, de Marco Bellocchio. Presente na Competição Oficial. 

Apesar de Bellocchio (Bom Dia, Noite) ser de origem italiana, O Traidor, confirmado na Seleção Oficial, contará a história do mafioso Tommaso Buscetta, um italiano que se refugiou no Brasil após delatar seus antigos comparsas. O filme conta com a atriz Maria Fernanda Cândido além de parte da produção ser de origem brasileira como Andre Ristum (A Voz do Silêncio), Sabrina Valente (Chacrinha: O Velho Guerreiro), Von Gabriel (Aquarius)Manuel Moruzzi (Mais Forte que o Mundo: A História de José Aldo) e Daniel Floresta (Tudo Por um Popstar). Além disso, parte do filme foi gravado no Rio de Janeiro, sendo os irmãos Caio e Fabiano Gullane (Que Horas Ela Volta?) responsáveis por. 

Leia: A diversidade cultural na presidência das mostras do Festival de Cannes 2019


“A Vida Invisível de Eurídice Gusmão”, de Karim Aïnouz. Presente na mostra Um Certo Olhar.

O diretor de O Céu de Suely, veterano de Cannes, já esteve no Festival em 2002 com Madame Satã na mostra Um Certo Olhar onde concorreu pela Câmera de Ouro, e em 2011 com O Abismo Prateado pelo qual concorreu pelo C.I.C.A.E. Award e Queer Palm, prêmio voltado para o cinema LGBT. Em 2019, o diretor retorna com A Vida Invisível de Eurídice Gusmão, longa baseado no livro de Martha Batalha escrito em 2016. Na romance protagonizado por Carol Duarte e Julia Stockler, duas irmãs, Eurídice e Guida vivem em um rígido regime patriarcal, entretanto elas trilham caminhos distintos: Guida decide fugir de casa com o namorado, enquanto Eurídice se esforça para se tornar uma musicista, ao mesmo tempo em que precisa lidar com as responsabilidades da vida adulta e um casamento sem amor. O filme conta ainda com a participação especial de Fernanda Montenegro. 


“Port Authority”, de Danielle Lessovitz. Presente na mostra Um Certo Olhar.

No primeiro longa escrito e dirigido pela americana Lessovitz e produzido pelo grande produtor brasileiro Rodrigo Teixeira (Me Chame Pelo Seu Nome) responsável pela produtora RT Features, uma jovem transexual (Lenya Bloom) faz parte de um triângulo amoroso  na cidade de NY, tendo como pano de fundo a cena do voguing nova-iorquino. 

Leia: Dos 64 diretores já confirmados no Festival Cannes, apenas 13 são mulheres; conheça as cineastas


“Sem Seu Sangue”, de Alice Furtado. Presente na Quinzena dos Realizadores.

Estreando na direção e no roteiro, a filha de Jorge Furtado (O Homem que Copiava) conta, em seu longa, a história de Silvia, uma garota desinteressada pela rotina diária entre a família e a escola. Entretanto, um dia na escola conhece Artur, um jovem aluno que acaba se tornando uma forma de escapismo em sua vida. Apesar de ser novato em sua turma, ela e o jovem mergulham em uma convivência intensa, interrompida por um grave acidente. 


“The Lighthouse”, de Robert Eggers. Presente na Quinzena dos Realizadores.

No novo terror do diretor de A Bruxa, protagonizado por Robert Pattinson e Willem DafoeOld, interpretado por Dafoe, trabalha em um misterioro farol em Maine, no início do século XX. O longa é coproduzido pela produtora de Rodrigo Teixeita, a RT Features, também responsável pelo longa A Bruxa.

Até o dia 14/05 novos filmes nacionais podem ser anunciados no Festival.

Leia mais: Zumbis, máfia e Brasil: confira a seleção oficial da 72ª edição

Confira mais conteúdos sobre o Festival de Cannes 2019.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Juliana Oliveira

Estudante de psicologia e fascinada pelo audiovisual. Acredita que o cinema seja uma arte de teor político que dá voz a quem não é ouvido. Gosta de conhecer novas culturas e acredita que o cinema seja a melhor forma para isso, expandindo assim a visão de mundo dentro se sua limitada realidade.