Free Solo | Documentário ganhador do Oscar explora a superação dos limites

Desafios e recordes fazem parte da rotina de atletas, principalmente daqueles que estão constantemente tentando superar aos seus colegas e a si mesmos. Em Free Solo, acompanhamos o alpinista mais renomado da atualidade, Alex Honnold, tentando realizar o seu maior sonho: escalar o “El Capitán”, paredão de 975 metros em Yosemite, sem cordas ou algum equipamento de proteção.

O casal de diretores Jimmy Chin e Elizabeth Chai Vasarhelyi, juntamente com sua equipe de filmagem, acompanham o alpinista, trazendo imagens incríveis de uma sublime beleza natural e testemunhando algo nunca feito antes.

O alpinista de 33 anos de idade mora em um trailer, simples e prático assim como ele. Introspectivo durante a infância, autônomo e independente quando adulto, o filme nos apresenta a vida do atleta, indicando de onde surgiu seu amor por escalar e qual a influência disso em sua vida adulta.

(Alex Honnold em frente ao “El Capitán”

O filme explicita o atributo solitário de Alex a partir do seu completo oposto, depoimentos de amigos, família e namorada. A mãe do alpinista esclarece como foi sua vida durante a infância, abordando traços que ajudam o telespectador a formar o perfil do atleta. Assim como ela, colegas de profissão e amigos discursam acerca do mesmo, incluindo um especialista neuronal que teve sua curiosidade despertada para saber como funciona o cérebro do alpinista, já que o mesmo pratica algo tão perigoso, sem nenhum medo.

Sanni McCandless, namorada de Alex, entra em cena divergindo todos as características atribuídas ao alpinista até então. A partir das falas e das ações da mesma durante o filme, uma nova imagem começa a ser feita do protagonista. A vida de alpinista de Alex passa a dividir a tela com sua vida amorosa e o relacionamento dos dois acrescenta a humanidade e a sensibilidade necessária, não só no filme, mas na vida do mesmo.

O documentário inova ao apresentar os próprios diretores como personagens. Chin e sua equipe, amigos de Alex, alegam a dificuldade em acompanha-lo em uma situação tão arriscada. Apesar dos diversos treinamentos que o alpinista fez, o seu objetivo ainda não foi alcançado por ninguém, devido ao grande risco e dificuldade em seu processo. Escalar uma montanha sem equipamentos já é perigoso o bastante, fazer isso sendo filmado além de aumentar a pressão sobre o atleta, tende a afligir a equipe a própria equipe da gravação, que pode testemunhar um grande recorde a ser feito, ou uma terrível tragédia diante de qualquer passo em falso.

Honnold enfrenta seu maior sonho e seu maior desafio

Além do diretor expressar seus sentimentos, é exposto como foi filmado todo o processo. A equipe tendo de escalar para conseguir ângulos que valorizassem e fizessem jus a escalada de Alex, mesmo que todos eles estivessem tão tensos quanto o próprio atleta.

Free Solo é um retrato de uma pessoa com personalidade única, que além de ser muito apaixonado pelo que faz, é rodeado de boas pessoas. O documentário não testemunha apenas um dos maiores feitos na área do alpinismo, como também a transformação pessoal vivida pelo alpinista durante todo esse tempo. Após conseguir realizar o seu maior sonho, Alex Honnold segue em busca de algo mais desafiador e tão prazeroso quanto. Resta saber se Chin e Vasarhelyi estão preparados para registrar essa nova aventura.

FREE SOLO
4

RESUMO:

Ganhador do Oscar de Melhor Documentário em 2019, Free Solo acompanha o maior sonho de um alpinista, que é também o seu maior desafio.

Alex e sua namorada Sanni

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Juliana Oliveira

Estudante de psicologia e fascinada pelo audiovisual. Acredita que o cinema seja uma arte de teor político que dá voz a quem não é ouvido. Gosta de conhecer novas culturas e acredita que o cinema seja a melhor forma para isso, expandindo assim a visão de mundo dentro se sua limitada realidade.