Máquinas Mortais | Peter Jackson e o diretor Christian Rivers falam sobre o mundo fantástico do filme

O universo fantástico do longa Máquinas Mortais (Mortal Engines), da Universal Pictures, é destaque em novo vídeo (veja abaixo) sobre os bastidores do filme, mesclando depoimentos com imagens dos grandiosos cenários.

Máquinas Mortais é ambientado em um mundo jamais visto. São cidades tradicionais e imensas que se movimentam de verdade. Quero sempre pensar que, se vou passar dois anos produzindo um filme, tem que ser algo que eu nunca vi”, revela o produtor vencedor de três estatuetas do Oscar Peter Jackson.

“As cidades-tração grandes devoram cidades menores e Londres é uma das maiores. Elas têm a missão de caçar outra cidade”, explica o premiado diretor Christian Rivers.  Baseado na série de livros de Philip Reeve, Máquinas Mortais traz a história de uma civilização que foi totalmente destruída por um evento cataclísmico. Milhares de anos depois, a humanidade se adapta a uma nova maneira de viver e os poucos seres humanos que restam são forçados a morar em cidades móveis – estruturas gigantescas e mortais que destroem cidades menores para obter novos recursos.

No filme, Tom Natsworthy (Robert Sheehan, Genius) – que vem de uma camada inferior da grande cidade de Londres – encontra-se lutando por sua própria sobrevivência depois que ele encontra o perigoso fugitivo Hester Shaw (Hera HilmarUm Homem Comum). Dois opostos, cujos caminhos nunca deveriam ter cruzado, forjam uma aliança improvável destinada a mudar o curso do futuro.

Filmado na Nova Zelândia, o longa tem roteiro assinado por Peter Jackson e dirigido pelo artista de efeitos visuais ganhador do Oscar, Christian Rivers (King Kong). O elenco ainda traz nomes como Hugo Weaving (O Senhor dos Anéis: O Retorno do Rei), Jihae (Mars), Ronan Raftery (The Terror), Leila George (The Long Home), Patrick Malahide (Game of Thrones) e Stephen Lang (Avatar) no elenco.

Máquinas Mortais chega aos cinemas em 10 de janeiro de 2019.

 

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Léo Barreto

Carioca, apreciador de filmes e séries em tempo integral, quando o Bernardo (filho dele) deixa. Iniciou sua admiração pela sétima arte com os clássicos da sessão da tarde e se apaixonou pelo mundo das séries quando o Voo 815, da Oceanic, caiu misteriosamente em algum lugar no meio do nada...