Crítica | ‘O Ódio que Você Semeia’ aborda a brutalidade policial de maneira didática

A brutalidade policial, principalmente contra grupos marginalizados, nem sempre é um assunto fácil de ser retratado. Baseado no best-seller de Angie Thomas, George Tillman Jr. traz em O Ódio que Você Semeia uma abordagem totalmente didática, sensível e necessária sobre racismo, mas que também não deixa de ser bem dolorosa em alguns momentos.

Aos 16 anos, Starr (Amandla Stenberg) vive sua vida se portando de duas maneiras bastante distintas. Enquanto em seu bairro age livremente, em seu colégio particular localizado em uma região privilegiada ela toma cuidado em excesso desde do jeito de se vestir até com o uso de gírias. Ao ser a única testemunha em um caso de brutalidade policial na qual vê seu melhor amigo Khalid morrer, Starr precisa tomar a decisão de ser a porta-voz do ocorrido, ocasionando uma colisão entre seus dois mundos.

A fotografia de Mihai Malaimare Jr. faz questão de acentuar ainda mais a diferença da protagonista nos dois ambientes. Ao fazer o uso de cores frias quando Starr está nos arredores da escola, traz um ar distante e não muito convidativo; alternando rapidamente para as cores mais amareladas quando está próxima de seus amigos e sua família, expondo uma atmosfera calorosa e acolhedora.

Além da morte de Khalid, as intrigas na escola envolvendo comentários racistas, a constante ameaça da gangue em um bairro marginalizado e o namorado branco de Starr fazem parte da subtrama. Essa abrangência pode parecer apenas um amontoado de assuntos, mas na verdade, funcionam como uma reunião de diferentes vieses sobre um mesmo tema para transmitir a mensagem de forma ainda mais efetiva.

Apesar de transparecer um filme teen para os que não estão familiarizados com sua história, essa visão é desconstruída logo nos minutos iniciais quando o pai de Starr está ensinando a garota e os irmãos – os três ainda crianças – em como se portar na frente de um policial, sempre os deixando verem suas mãos. Já fica claro a seriedade por qual o longa tomará rumo, mesmo que não abandone ou inove no estilo narrado pela protagonista e nos aspectos dramáticos que consolidam os filmes do gênero.

Não que isso seja um problema, claro, e em O Ódio que Você Semeia não sair dessa estrutura convencional de filmes adolescentes acaba sendo um ponto positivo. Pela seriedade e necessidade da discussão do tema, essa abordagem acaba sendo extremamente didática, tornando-se ainda mais acessível para todos os tipos de público. Aqui, a temática apresenta-se mais digesta do que se a trama adotasse outro padrão de narrativa, consequentemente nos fazendo refletir sobre seu contexto que nada mais é que a própria realidade.

O ÓDIO QUE VOCÊ SEMEIA | THE HATE U GIVE
4

RESUMO:

O Ódio que Você Semeia é um filme necessário, que aborda a brutalidade policial de maneira didática mas não deixa de ser um filme contundente.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Rafaella Rosado

Jornalista em formação e apaixonada pela sétima arte desde pequena, quando achava que era possível ver todos os filmes do mundo. Acredita que o cinema é uma forma de viajar e conhecer outras realidades sem sair do lugar.