Crítica | ‘Um Pequeno Favor’ surpreende ao trazer suspense e humor com altas doses de ironia

O lançamento do drama dirigido por David Fincher, Garota Exemplar, não só inspirou incontáveis livros, que acabam seguindo a mesma construção narrativa do Thriller escrito por Gillian Flynn , mas também tem inspirado alguns dos lançamentos no gênero drama desde então, como A Garota do Trem. Um Pequeno Favor pode ser considerado um desses filmes que tomou inspiração do sucesso de Gone Girl, porém segue uma linha bem diferente.

A trama conta a história se Stephanie (Anna Kendrick de A Escolha Perfeita), uma mãe solteira que fica fascinada pela sua nova melhor amiga, a misteriosa Emily (Blake Lively, a Serena de Gossip Girl). De repente Emily desaparece, iniciando a trama misteriosa que não só deixa no ar a dúvida de o que aconteceu com ela, mas também a de quem Emily de fato é, já que seu passado é completamente desconhecido.

A direção fica por conta de Paul Feig, que usa a comédia de uma maneira bem feita e marcante em seus filmes, como em A Espiã que Sabia de Menos e Missão Madrinha de Casamento, e aqui não é diferente. Apesar da trama aparentemente clichê (o próprio trailer do filme, se assemelha muito a outros do gênero), o destaque de Um Pequeno Favor fica por conta do humor irônico que é usado durante todo o filme. Em momentos mais dramáticos, como por exemplo próximo ao final do filme, em que toda a trama é explicada em um grande momento dramático, isso logo é cortado de uma maneira cômica, que faz com que a cena acabe levando um rumo bem diferente.

O destaque no elenco fica para as duas estrelas principais que fazem papéis extremamente opostos. Enquanto Anna Kendrick interpreta a mãe que é extremamente dedicada a criação e ao bem estar dos filhos, passando até uma aura inocente, Blake Liverly e sua personagem Emily fazem o papel da mãe relapsa, que fala palavrão o tempo todo, passa pouquíssimo tempo com o filho e que inclusive há um quadro de seu corpo completamente nu na sala de sua casa, mostrando a total falta de inocência da personagem.

Porém com o desenrolar do filme, há um incrível desenvolvimento dessas duas personagens, em que elas começam a se influenciar uma pela personalidade da outra (que inclusive evidencia a atuação incrível de Anna Kendrick) e que chegam ao final do filme com uma postura completamente diferentes, mas sem perder a sua própria personalidade. O que também é resultado do ótimo roteiro escrito por Jéssica Sharzer (conhecida por seu trabalho na série American Horror Story).

No longa também existe um ótimo trabalho técnico, principalmente na fotografia, trilha sonora e figurino. Sendo que os dois primeiros aspectos ajudam a recriar o clima dos filmes de mistério dos anos 80 e 90, mesmo com a história sendo contada nos dias de hoje. O figurino, além de ajudar nessa recriação consegue representar com perfeição a mudança de personalidade das duas personagens principais.

No fim, Um Pequeno Favor é uma grande surpresa  no gênero de suspense, que consegue arrancar boas risadas com sua alta dose de ironia.

5

RESUMO

Um Pequeno Favor é um thriller que se assemelha a Garota Exemplar, mas cria sua própria marca com seu humor com alta dose de ironia

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Matheus Ribeiro

Paulista, jornalista em formação, gamer e viciado em filmes e séries. Acredita que boas histórias nos ajudam a conhecer não só a maneira que a sociedade funciona, mas a conhecer a nós mesmos.