Crítica | ‘A Primeira Noite de Crime’ é o filme mais preguiçoso e decepcionante da franquia

Os filmes da franquia The Purge têm feito grande sucesso nos últimos anos. O enredo que gira em torno de uma noite em que todos os crimes se tornam legais durante um período de 12 horas agora chegou em seu quarto filme. Em A Primeira Noite de Crime, mostra-se como a ideia de uma noite de expurgo foi introduzida e implantada na sociedade norte-americana.

O filme se inicia com uma série de notícias envolvendo o caos em que se encontra os Estados Unidos. Aproveitando os acontecimentos desastrosos, os New Founding Fathers of America (NFAA) – um partido em oposição aos Democratas e aos Republicanos – aproveitam para trazer a noite do expurgo como a solução para todos os problemas. Staten Island, um distrito de Nova York, acaba sendo o lugar escolhido para realizar o experimento da primeira noite de crime.

Após dirigir os três primeiros filmes, James DeMonaco passa a direção para Gerard Murray, já reduzindo a qualidade da franquia devido a uma certa falta de maturidade com a câmera. O estilo de direção lenta e preguiçosa de Murray não contribui em nada na estrutura narrativa que repete a dos filmes anteriores, tornando-a ainda mais monótona.

James DeMonaco, que escreve os roteiros de The Purge desde o primeiro filme, não se importou em continuar usando os mesmos elementos na construção da trama. Por ser um filme de como tudo começou, havia inúmeras possibilidades de contar uma história legal com novas informações ou, no mínimo, dar alguma profundidade aos personagens. Além de deixar mais perceptível o quão cansativo o roteiro se tornou, ele ainda segue a linha de The Purge: Election Year e tenta encaixar críticas sobre a política norte-americana, que terminam não funcionando e não são nada inteligentes.

Esses fatores também contribuíram para não conseguir gerar a tensão ou o nervosismo que os outros filmes de The Purge conseguem transmitir, apesar de seus defeitos. Há jumpscares desnecessários, os diálogos são cafonas e previsíveis e a trama não é nada envolvente. As sequências de violência acabam se tornando confusas, e em uma tentativa de gerar dramaticidade, tornam-se excessivas.

O filme acaba por se apoiar apenas no drama e no gore, mostrando-se extremamente preguiçoso, principalmente em termos de escrita. A Primeira Noite de Crime se explica mais do que o necessário, não inova e não entretém. Em contrapartida, talvez James DeMonaco perceba que esteja na hora de mudar o rumo da franquia, ou acabar com ela de uma vez.

A PRIMEIRA NOITE DE CRIME
1.5

RESUMO

Sem a mesma tensão e nervosismo dos filmes anteriores, A Primeira Noite de Crime é repleto de clichês e não apresenta uma trama envolvente.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Rafaella Rosado

Jornalista apaixonada pela sétima arte desde pequena, quando achava que era possível assistir todos os filmes do mundo. Acredita que o cinema é a forma mais sensível de explorar realidades.