CineBH | celebração ao cinema nacional e latino, além de jornada de filmes, debates e palestras de mercado

Entre 28 de agosto e 2 de setembro último, Belo Horizonte (MG) virou a capital mundial do cinema com exibição de 75 filmes nacionais e internacionais, em pré-estreias e retrospectivas (27 longas, 03 médias e 45 curtas-metragens) em 44 sessões de cinema, com títulos de 13 estados brasileiros (BA, CE, DF, ES, GO, MG, RJ, SP, PB, PE, PR, RS e SC) e 13 países – Brasil, Alemanha, Portugal, Argentina, Chile, EUA, México, República Dominicana, Qatar, Colômbia, Cuba, Bolívia e Uruguai.

Seis espaços culturais da cidade (Fundação Clóvis Salgado/Palácio das Artes, Sesc Palladium, Cine Theatro Brasil Vallourec, Teatro Sesiminas, MIS Cine Santa Tereza e Praça Duque de Caxias) receberam a programação, todos com entrada franca.

Mostra CineBH contou ainda com o 9o Brasil CineMundi, evento de mercado do cinema brasileiro que recebeu 23 convidados internacionais da indústria audiovisual de 12 países. O encontro teve também debates, painéis, rodas de conversa, masterclass, oficinas, Mostrinha, sessões cine-escola e atrações artísticas na grade.

A temática central da mostra este ano, “Pontes Latino-americanas”, foi definida pelo trio de curadores de longas-metragens Francis Vogner dos Reis, Pedro Butcher e Marcelo Miranda, e teve como propósito exibir, discutir e questionar a produção na América Latina ao longo dos anos, a partir de uma produção que se preocupou em levar às telas, em temas ousados e formas inventivas, a própria condição de continente periférico e colonizado.

 

Top 10 CineBH:

1 – Noite de abertura – Teve a pré-estreia nacional de Sol Alegria, longa-metragem paraibano dirigido por Tavinho Teixeira e Mariah Teixeira e, no elenco, Ney Matogrosso, que esteve presente na sessão.

2 – Homenagem – O hiato ainda presente na relação do Brasil com os colegas latinos foi um dos motivos de a CineBH homenagear a produtora argentina El Pampero Cine, fundada em 2002 por Mariano Llinás, Laura Citarella, Agustín Mendilaharzu e Alejo Moguilansky.

3 – Mostra A Cidade em Movimento – Pela terceira vez, a Mostra reuniu trabalhos de comunidades de Belo Horizonte e região que retratam uma realidade deixada de fora pela grande mídia. Foram exibidos 16 filmes, além de rodas de conversa e outras manifestações. A curadora Paula Kimo adotou, este ano, a temática “Deslocamentos”, priorizando as abordagens do espaço urbano como centralidade nas relações políticas e sociais.

Cinco curtas-metragens que tematizam “A cidade e seus múltiplos” foram exibidos: Cenas Urbanas (Rodrigo Sampaio Cauhi e Tobias Cazarini Trotta), BH é o Texas (Jorge Mairink, Marcelo Lin e Marcão Pesada), Marquinhos e Princesa (Nélio Costa), Favela em Diáspora (Gabriela Matos) e De Mão em Mão (Clebin Quirino & das quebradas).

 4 – Destaques nacionais – Do Brasil, a seleção promoveu pontes internas, apresentando um cinema brasileiro em constante reinvenção. Uma novidade foram os Encontros de Cinema, rodas de conversa promovidas logo após as exibições. Entre alguns presentes, estiveram Tavinho TeixeiraMariah Teixeira e Ney Matogrosso (por Sol Alegria), Cao Guimarães (Espera) e Ewerton Belico e Samuel Marotta (Baixo Centro).

Destaque também para as produções mineiras Espera, de Cao Guimarães, além do baiano Abaixo a Gravidade, de Edgard Navarro; e o capixaba A Mata Negra, de Rodrigo Aragão.

5 – Mostra CineMundi – Foram exibidos dois longas brasileiros que participaram de edições anteriores Brasil CineMundi e conseguiram realizar seus projetos em coproduções internacionais: Ferrugem, de Aly Muritiba, e Benzinho, de Gustavo Pizzi – recentemente consagrados como os grandes vencedores no Festival de Gramado.

6 – Mostra Pontes Latino-Americanas – Reuniu curtas históricos, dos anos 1960 e 1970, e longas contemporâneos ao lado dos filmes da produtora homenageada no encontro: El Pampero, como La Mujer de los Perros (2015), de Laura Citarella e Veronica Llinás e La Flor (Mariano Llinás, 2009-2018), com 14 horas de duração e que foi dividido em três sessões. Destaque para os curtas Bla bla bla (Andrea Tonacci, Brasil, 1968) e Agarrando Pueblo – Os Vampiros da Miséria (Luis Ospina, Carlos Mayolo, Colômbia, 1978).

7 – Mostrinha – Acreditando na importância de investir no olhar de jovens plateias, que serão os espectadores do cinema brasileiro do futuro, foram exibidos seis filmes, sendo quatro curtas e dois longas-metragens: O Colar de Coralina, de Reginaldo Gontijo, com Letícia Sabatella no elenco; e Sobre Rodas, de Mauro D’Áddio da Silva, protagonizado por Lara Boldorini.

8 – Clássicos na Praça – Foram quatro títulos de grande apelo histórico e nostálgico exibidos ao ar livre. Os filmes selecionados estão todos em ano comemorativo de seus lançamentos originais: Superman – O Filme (Richard Donner, 1978); O Submarino Amarelo (George Dunning, 1968); Os Embalos de Sábado à Noite (John Badham, 1978) e Corra que a Polícia Vem Aí! (David Zucker, 1988).

9 – Mostra Contemporânea – Teve a seleção de quatro filmes: Perpétuo; A Barca do Sol; O Malabarista e Você, Morto. Na seleção de curtas-metragens que integra a Mostra Contemporânea, assinada pelo curador Pedro Maciel Guimarães, foram exibidos 18 filmes de nove Estados (MG, GO, RJ, ES, CE, PE, SP, RS e DF).

10 – Mostra Diálogos Históricos – O pesquisador João Luiz Vieira conduziu a primeira sessão (de três) dos Diálogos Históricos com um filme escolhido por ele: Carnaval Atlântida, chanchada de 1952 dirigida por José Carlos Burle e protagonizada por Oscarito, Grande Otelo, Eliana Macedo, Dick Farney e José Lewgoy.

Já a produção mexicana Vítimas do Pecadolonga, de 1950, foi escolhido pelo crítico e professor João Luiz Vieira. O bate-papo com o público foi mediado por Francis Vogner dos Reis.

O crítico argentino Roger Koza apresentou e comentou o drama Pajarito Gómez – Uma Vida Feliz (1965) causou grande impressão na plateia, ao apresentar a história de um cantor manipulado pela indústria fonográfica para fazer sucesso junto às camadas populares.

 

Natalí Alencar

Jornalista com experiência em redação para Revistas Especializadas e produção de conteúdo para websites, redes sociais e roteiros para vídeos. Tudo com foco em cinema. Apaixonada pela sétima arte!