Polícia de Los Angeles não irá investigar Kevin Spacey por acusação de assédio sexual; outras investigações continuam

Segundo informações do Deadline, a procuradora distrital de Los Angeles, Jackie Lacey, informou que não irá acusar o ator Kevin Spacey pelos crimes de assédio sexual e pedofilia. As acusações aconteceram em 1992, e pelas leis da Califórnia, o crime já prescreveu. Pelo mesmo motivo, Anthony Anderson e Steven Seagal também estão livres das denúncias.

Isso não significa, no entanto, que Kevin Spacey está livre de todas as denúncias que recebeu. A promotoria analisa uma segunda acusação contra o ator, recebida em 22 de agosto. Enfrentando uma investigação em Connecticut, o ator que já venceu dois Oscars na carreira também está sob investigação no Reino Unido por seis alegações de agressão sexual durante um período de 22 anos.

A propósito, a Promotoria de Los Angeles montou uma força-tarefa no ano passado para investigar a má conduta sexual em Hollywood. O escritório está analisando, entre outros casos, novas acusações de agressão sexual contra Harvey Weinstein, que enfrenta quase uma dúzia de processos movidos por 80 mulheres que o acusaram de agressão sexual e assédio. No entanto, além de Spacey, Anderson e Seagal, o chefe da CBS, Les Moonves, e o ex- ator de Gossip Girl , Ed Westwick, escaparam das acusações no último mês. No caso do ator, segundo os investigadores, “não haviam evidências suficientes” para a promotoria ir em frente.

Ostracismo de Spacey

Sob a sombra dos escândalos e amargando o ostracismo, o mais recente filme de Kevin Spacey, Billionaire Boys Club, fez a menor bilheteria do ano até agora nos EUA, arrecadando apenas US$ 618 em seu primeiro fim de semana no país.

Filmado em 2015 e lançado em circuito limitado (nenhuma delas em Los Angeles ou Nova York) sem qualquer publicidade após o lançamento em streaming no mês passado, o Billionaire Boys Club foi um dos últimos projetos de Spacey antes das acusações de assédio sexual. O ator Anthony Rapp e membros da equipe de de produção de House of Cards foram os primeiros a denunciarem o ator, que atualmente responde por outras acusações em Londres.

Na época, a Netflix suspendeu a produção da série, cortou relações com o ator e desistiu de produzir a cinebiografia de do famoso escritor Gore Vidal, que seria protagonizada por Spacey. Devido aos escândalos, a Sony Pictures e o cineasta Ridley Scott decidiram remover as filmagens de Spacey do longa Todo o Dinheiro do Mundo, que já estava finalizado. O ator foi substituído em tempo recorde por Christopher Plummer, que foi indicado ao Oscar em 2018 por esta atuação.

Como consequência, a sexta temporada do drama político terá apenas oito episódios, estrelados agora por Robin Wright, que falou pela primeira vez sobre o caso no mês passado. Na época, Spacey se internou em uma clínica localizada no estado do Arizona, a fim de realizar tratamento para pessoas viciadas em sexo.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Carioca, apreciador de filmes e séries em tempo integral, quando o Bernardo (filho dele) deixa. Iniciou sua admiração pela sétima arte com os clássicos da sessão da tarde e se apaixonou pelo mundo das séries quando o Voo 815, da Oceanic, caiu misteriosamente em algum lugar no meio do nada...