Roteiristas de ‘Vingadores: Guerra Infinita’ falam sobre final chocante, Thanos e ‘Vingadores 4’

Não custa dizer: essa entrevista contem muitos spoilers de  Vingadores: Guerra Infinita.

Em entrevista ao BuzzFeed News, Christopher Markus e Stephen McFeely, roteiristas de Vingadores: Guerra Infinita, falaram sobre as decisões criativas que tiveram que tomar ao escrever o filme. A jornada e o triunfo de Thanos (Josh Brolin), a escolha dos personagens que iriam morrer e a participação  dos heróis que ficaram de fora durante a Guerra Infinita em Vingadores 4 foram os destaques da conversa entre eles e o jornalista Adam B. Vary.

“Quando você está escrevendo essas coisas, você tem que ser bastante calculista e frio”, disse Christopher Markus. “Você sabe, eu não choro toda vez que leio. Mas ver os personagens totalmente rendidos e ver os rostos dos atores processando essa perda é bem profundo”.

Falando sobre assuntos relacionados ao recente filme, e outros que envolvem sua continuação, os roteiristas deram respostas surpreendentes e podemos analisar o que vem pela frente em Vingadores 4.

A vitória de Thanos era parte do plano desde o início

 

 

Depois de coletar todas as seis Joias do Infinito, o Thanos estala os dedos e faz com que metade da população do universo se desintegre cinzas, entre eles o Pantera Negra (Chadwick Boseman), Homem-Aranha (Tom Holland), Doutor Estranho (Benedict Cumberbatch), Falcão (Anthonie Mackie), Soldado Invernal (Sebastian Stan), e com exceção de Rocket, todos os Guardiões da Galáxia, incluindo Mantis (Pom Klementieff), além da Feiticeira Escarlate (Elizabeth Olsen), Maria Hill (Cobbie Smulders) e Nick Fury (Samuel L. Jackson).

Muito se fala sobre a “natureza” dessas mortes. Metade da população do universo realmente morreu ou está aprisionada na Joia da Alma? As principais teorias indicam que a situação deles pode ser revertida, ao contrário dos casos de Loki (Tom Hiddleston), Heimdall (Idris Elba), Gamora (Zoe Saldana) e Visão (Paul Bettany), mortos antes do estalar de dedos.

O triunfo de Thanos e a forma como isso iria acontecer já era previsto desde o início, segundo os escritores. Eles só precisavam decidir quando. “Esta é a jornada do herói para Thanos”, disse McFeely. “No final da jornada do herói, nosso personagem principal, nosso protagonista – pelo menos, neste caso – consegue o que quer.”

Sobre a natureza trágica e o desfecho dramático que levou plateias do mundo inteiro às lagrimas e perplexidade, a intenção dos roteiristas era clara: “Mesmo que o final fosse uma tragédia, queríamos que fosse definitivo”, disse Markus.”

É o fim da linha para todos aqueles heróis?

 

Se as mortes podem significar um adeus aos heróis recentemente adicionados ao Universo Cinematográfico da Marvel, isso quer dizer que Doutor Estranho, Homem-Aranha e o Pantera Negra, cujo filme entrou para o top 10 de bilheteria de todos os tempos, não retornarão mais? Isso é algo difícil de acreditar, principalmente por causa dos planos da Marvel/Disney nos próximos anos.

Heróis como o Homem-Aranha e os Guardiões da Galáxia irão ganhar novos filmes em 2019 e 2020. Além disso, em entrevista à Entertainment Weekly, o chefe do Universo Cinematográfico Marvel, Kevin Feige, confirmou a produção de Pantera Negra 2. Como aceitar ser plausível, então, um adeus definitivo a esses heróis? Os roteiristas explicam, usando T´Challa como exemplo:

“Primeiro, faríamos tudo de novo. Mas lembre-se, quando estávamos escrevendo Guerra Infinita, e até mesmo filmando, não havia um filme do Pantera Negra. Nós não sabemos que seria tão bom, tão eficaz, tão ressonante. E nós tivemos que tratar todos esses personagens da mesma forma. As pessoas que nos deixaram são os personagens principais de suas próprias franquias. E Pantera Negra não é diferente”, disse McFeely.

Entretanto, mesmo com as franquias a pleno vapor, Markus e McFeely disseram que tiveram que deixar de lado o apelo comercial dos heróis, para contarem a história que desejavam em Guerra Infinita: 

“Não podemos fazer filmes presumindo que você saiba como os filmes serão feitos”, disse McFeely. “Podemos apenas contar a melhor versão da história que pudermos, e esperamos que você esteja dentro dessa história enquanto estiver nela, e você sentirá tristeza ou a alegria apropriada enquanto estiver nela”, completou.

A derrota dos Vingadores também foi essencial para que a vitória de Thanos tivesse maior amplitude. “Queríamos que o final do filme tivesse o maior impacto possível”, disse Markus.

As mortes serão revertidas?

É claro que eles não abririam o jogo, faltando pouco mais de um ano para a estreia de Vingadores 4. Entretanto, os roteiristas foram extremamente cautelosos ao falarem sobre as mortes em Guerra Infinita:

Vingadores 4 não faz o que você acha que faz,” disse Markus. “É um filme diferente do que você pensa que é. Além disso…[as mortes são] reais. Eu só quero dizer que é real, e o quanto antes você aceitar isso, mais cedo você poderá seguir para o próximo estágio do luto.”

McFeely interrompeu e disse: “Considere isso: eu acho que [Guerra Infinita] é um filme muito maduro para um blockbuster. Tem muita diversão nele, obviamente, mas cara, ele fica muito maduro. O segundo também é maduro. Nós fizemos essas escolhas, esperamos surpreendê-los e deixarmos vocês interessados. É do mesmo estúdio, da mesma equipe de produção. Eles foram escritos ao mesmo tempo, filmados ao mesmo tempo. Eles claramente estão conectados, mas eles definitivamente são dois filmes completamente diferentes, um dos quais depende do que aconteceu antes no outro.”

“Nós quebramos seus corações,” acrescentou Markus. “Agora iremos explodir suas mentes!”

Ora, o que eles dizem aqui é claro: as mortes são reais. Não quer dizer que não possam ser revertidas. Não nos enganemos quanto a isso. A forma como isso se dará deve ser o ponto chave. Então, nos surpreendam!

A escolha dos protagonistas em Vingadores 3 e 4

Em relação a decisão sobre quem viraria pó ou não, e o fato de personagens de alto escalão como o Capitão América (Chris Evans) e a Viúva Negra (Scarlett Johansson) terem um destaque menor, os escritores alegaram ser uma questão de projeto. “Tínhamos tantos personagens no primeiro filme e sabíamos que era uma história para dois filmes”, disse McFeely.

“Alguns personagens serão melhor trabalhados no segundo filme. Estávamos fazendo algumas escolhas baseadas em alguns personagens que sabíamos que nos deixariam no final do primeiro filme, então eles tiveram destaque. E alguns que iriam estar no segundo filme tiveram menos atenção ou menos tempo de tela”, completou.

Por outro lado, sobre o protagonismo em Vingadores 4, McFeely deu a entender que Steve Rogers e a Viúva Negra terão papéis importantes a desempenhar. “ Estou pensando no Capitão e em Natasha, especificamente. É sobre a história que queremos contar no segundo filme, principalmente.”

Senhor das Estrelas não puxaria o gatilho

Em Guerra Infinita, o conhecimento de Gamora sobre o paradeiro da Joia da Alma fez com que o Senhor das Estrelas prometesse matá-la, se Thanos a capturasse. No roteiro original, quando Thanos captura Gamora, o Senhor das Estrelas não consegue puxar o gatilho. Mas a mudança foi fundamental para os eventos que viriam a seguir.

“Quanto mais eu penso sobre isso, gosto da mudança”, disse McFeely. Para ele, o fato de Thanos utilizar a Joia da Realidade para colocar bolhas de sabão na arma do Senhor das Estrelas, permitiu aos roteiristas fazer um espelhamento narrativo no filme. A decisão em Peter Quill em matar a mulher que ele ama, se relaciona diretamente com o tema central de Guerra Infinita, que é fazer o que você acredita ser a coisa certa, mesmo que tenha um custo pessoal terrível.

“Thanos tem essa mesma escolha depois [ao sacrificar Gamora pela Joia da Alma], e ele escolhe fazê-lo e consegue”, disse McFeely. “Wanda tem essa mesma escolha depois [com visão]. Muitos personagens têm escolhas realmente difíceis de fazer. ”

Homem-Formiga e a Vespa e Capitã Marvel serão fundamentais para o que vem a seguir

Depois das lágrimas, o cinema literalmente foi ao delírio no último instante do filme, quando um Nick Fury em desintegração (Samuel L. Jackson) envia um sinal de SOS para a Capitã Marvel através de um pager. Tudo leva a crer que a personagem, que será interpretada por Brie Larson, irá desempenhar um papel significativo em Vingadores 4.

De acordo com Markus e McFeely, no entanto, os fãs também devem prestar atenção ao que acontece nos filmes Capitã Marvel, que estreia em março de 2019, assim como em Homem-Formiga e a Vespa, protagonizado por Paul Rudd e Evangeline Lilly, que chega aos cinemas em julho deste ano.

“Coloque-se em nossos lugares há dois anos”, disse McFeely, se referindo ao fato de escreverem um evento posterior (Vingadores 4) aos acontecimentos dos filmes citados. “Estamos olhando para uma parede em branco, que era Vingadores 3 , Homem-Formiga e a VespaCapitã Marvel Vingadores 4 . Portanto, há quatro grandes espaços em branco e fomos responsáveis por fechá-los. Enquanto decidimos o que queríamos fazer, tínhamos esses dois espaços no meio que você pode encarar como fardo ou oportunidades.”

Embora tenham dado algumas sugestões e os filmes estejam conectados diretamente com Vingadores 4, McFeely enfatizou que os cineastas de Homem-Formiga e a Vespa e Capitã Marvel “conseguiram fazer exatamente os filmes que eles queriam”. “Há uma relação entre todos eles”, disse McFeely.

Gavião Arqueiro não virou pó?

 

Para a surpresa de muitos, todos os Vingadores originais – Capitão América, Viúva Negra, Thor, Hulk e Homem de Ferro – sobreviveram ao ataque de Thanos. No entanto, conforme soubemos em uma pequena linha de diálogo do filme, o sexto membro da equipe original, Clint Barton (Jeremy Renner), o Gavião Arqueiro, fez um acordo com o governo após os eventos de Capitão América: Guerra Civil, e aposentou o arco.

No entanto, Christopher Markus garantiu que o personagem estará em Vingadores 4.  “Nós gostamos muito do Gavião Arqueiro, nós demos a ele uma história realmente boa.”

Vingadores: Guerra Infinita está em cartaz nos cinemas.  Vingadores 4 estreia em maio de 2019.

Leia mais sobre Vingadores: Guerra Infinita:

Léo Barreto

Carioca, apreciador de filmes e séries em tempo integral, quando o Bernardo (filho dele) deixa. Iniciou sua admiração pela sétima arte com os clássicos da sessão da tarde e se apaixonou pelo mundo das séries quando o Voo 815, da Oceanic, caiu misteriosamente em algum lugar no meio do nada...