Conheça ‘Deserto’, protagonizado por Jeffrey Dean Morgan e Gael García Bernal

Dirigido por Jonas Cuarón, o longa Deserto (Desierto) chega ao Brasil este mês. O filme acompanha Moises (Gael García Bernal) que junto a um grupo de pessoas, tenta atravessar a pé a fronteira do México com os Estados Unidos, buscando uma nova vida no Norte. No caminho eles se deparam com um solitário homem, Sam (Jeffrey Dean Morgan), que patrulha por sua própria conta a fronteira e se diverte em sua caça aos imigrantes.

O personagem central interpretado por Jeffrey Dean Morgan (The Walking Dead) é um patrulheiro inspirado no Minutemen Project, uma espécie de milícia armada que se autoproclama vigiante da fronteira entre Estados Unidos e México, acertando com armas de longo alcance os imigrantes que tentam cruzá-la.

Lançado no Festival de Toronto em 2015, o longa foi exibido nos EUA pouco antes da eleição do novo presidente Donald Trump. Sobre isso, o diretor e roteirista Jonas Cuarón afirmou: “Meu desejo foi criar um filme que envolvesse o público de uma forma visceral, que fosse uma experiência catártica, e que ao mesmo tempo permitisse refletir sobre um tema tão complicado como a imigração.”

O filme foi rodado ao longo de 10 semanas sob o sol escaldante do deserto de Baja California Sul. Não era raro haver desmaios do elenco ao preparar as cenas de ação.

 Os discursos de ódio que inspiraram a produção

A inspiração para Deserto surgiu durante uma viagem de Jonás Cuarón pelo Arizona, quando tinha 24 anos. Foi quando ouviu pela primeira vez a retórica de ódio contra os imigrantes. Em uma entrevista ao El País, o diretor justificou a opção por poucos diálogos e muita ação: “Meu desejo era fazer um filme que prendesse o público na poltrona”.

Ao consultar o pai sobre o conceito do filme que gostaria de fazer, o diretor Alfonso Cuarón, vencedor do Oscar em 2014 por Gravidade, se interessou especialmente pela narrativa que transforma o imigrante em herói. “De certa forma, eles são os verdadeiros heróis modernos”, disse Curaón. “O deserto não conhece nacionalidades, países nem fronteiras. Ali, todos são iguais, e são tantos os perigos que não conseguia tirar essa história da cabeça, precisava contá-la”, completa o diretor. 

O filme levou sete anos para ficar pronto, sendo o segundo longa dirigido por Jonás Cuarón, indicado ao Oscar pelo roteiro de Gravidade. Ele teve como inspiração os longas Encurralado, de Steven Spielberg; Um Condenado à Morte Escapou, de Robert Bresson e O Salário do Medo, de Henri-Georges Clouzot.

Em uma entrevista para El País, o ator Gael Garcia Bernal falou sobre a reação dos norte-americanos sobre o longa: “Jonás colocou nas telas o que acontece quando alguém valida o discurso de ódio”,  lembrando que os norte-americanos tiveram dificuldades em digerir esse personagem. “Os Estados Unidos não estão acostumados com o papel de bandido do filme”. 

Jonás Cuarón também declarou que “Deserto é a versão “pés na terra” de Gravidade” em entrevista para o site do Globo de Ouro, perguntado sobre semelhança entre os dois filmes. “As duas (histórias) têm um conceito parecido, mas como os ambientes são muito distintos, as histórias acabam sendo muito diferentes.”

“Eu sempre digo que Gravidade, por ser no espaço, acabou tocando em temas mais existenciais.  Deserto é a versão ‘com os pés na terra’, abordando questões mais geopolíticas e atuais”, completou Cuarón.

Com distribuição da Esfera Filmes, Deserto estreia no Brasil em 02 de Novembro.


Clique aqui e curta nossa página no Facebook

Léo Barreto

Carioca, apreciador de filmes e séries em tempo integral, quando o Bernardo (filho dele) deixa. Iniciou sua admiração pela sétima arte com os clássicos da sessão da tarde e se apaixonou pelo mundo das séries quando o Voo 815, da Oceanic, caiu misteriosamente em algum lugar no meio do nada...