Crítica | ‘Samantha!’: 1ª temporada esbanja carisma e nostalgia

Resenha de :
Jeziel Bueno

Reviewed by:
Rating:
4
On 10 de julho de 2018
Last modified:10 de julho de 2018

Summary:

Disponível na Netflix, primeira temporada de "Samantha!" acerta no tom, com muita nostalgia e uma protagonista carismática.

Nova série brasileira da Netflix, Samantha! tem como objetivo contar a história de Samantha (Emanuelle Araújo), uma mulher que no passado foi uma celebridade mirim, apresentadora de um programa infantil e que agora, no presente, já na meia idade, tenta de todas as maneiras recuperar os holofotes e se manter no hall da fama. Os conflitos começam a se acirrar quando seu ex-marido, Dodói (Douglas Silva), é libertado da prisão e retorna à casa da família, e começa a conviver com seus filhos que não teve contato durante seu tempo cumprindo pena, sendo eles a garotinha militante de 11 anos, Cindy (Sabrina Nonata), e o precoce garotinho de 8 anos que já escreveu sua biografia completa de quase 9 anos, Brandon (Cauã Gonçalves).

Samantha! é uma comédia com elementos de drama e forte teor de crítica social. Por meio de piadas, a série faz crítica ao sistema que ditava como eram realizados os programas de TV nos anos 1980, em contraponto aos elementos que compõem o que torna alguém uma celebridade nos dias de hoje. A própria Samantha é um retrato vivo da época em que sua fama foi desenvolvida. Nos tempos de seu apogeu na infância ela era uma criança mimada e malcriada, que prejudicava a todos que a rondavam em prol de seu benefício próprio. A Samantha do presente, já adulta, faz tudo o que estiver ao seu alcance para se manter sob os olhos da mídia, mesmo que essas ações sejam inescrupulosas e beirem o cruel.

Um elemento que é muito bem desenvolvido na série é a personalidade dos anos 1980, época em que havia realmente muitas coisas interessantes e que são elogiáveis até os dias de hoje, mas que também refletiam uma inocência misturada à malícia. Naquela época, não se via nada de errado em haver dançarinas vestidas em maiôs extremamente expositivos, dançando ao lado de crianças, nem tampouco se estranhava a presença de um homem fantasiado de maço de cigarros em um programa infantil – lembrando a todos como o cigarro era presente na vida das pessoas nessa época -, o Zé Cigarrinho (Ary França).

A ambientação dos anos 1980 em Samantha! é bastante fiel, com figurinos impecáveis e os sets com aquela aparência brilhosa tão presente nos programas de TV daquela época. A série também é bastante precisa no que diz respeito a comparação entre a forma como o público lidava com as celebridades no passado e no que compunha uma pessoa famosa naquela época, contrapondo-se com os famigerados social influencer dos dias de hoje, cuja fama é baseada em elementos não reais e sim, estabelecidos por meio das tão conhecidas ‘modinhas’.

Outro fator bastante elogiável da série é a escolha do elenco. Emanuelle Araújo consegue entregar uma personagem que, apesar de possuir uma personalidade bastante superficial, se apresenta como uma pessoa real, repleta de camadas. Apesar de sua personalidade egoísta e sua predileção por passar por cima de tudo e de todos para conseguir seus objetivos, fica bem claro o quanto ela ama seus filhos e a forma como eles a idolatram. Fica nítido também que, apesar de fazer de tudo para não demonstrar, ela ainda nutre sentimentos pelo seu ex-marido.

Douglas Silva vive o estereótipo de atleta do passado que, apesar da forma física precária, não consegue fazer nada que não tenha relação com sua antiga carreira. Obstinado a reconquistar sua família, ele se mostra um pai extremamente amoroso e que continua tentando recuperar Samantha. Os filhos da protagonista são outro achado, pois as crianças transbordam carisma, cada um com sua peculiaridade. A química entre os personagens é muito bem estabelecida, bem como as piadas que surgem entre eles. Aliás, o timming de comédia de toda a série está extremamente decente, sem se prender ao politicamente correto. Os diálogos são extremamente bem escritos e isso faz com que uma fluidez natural ocorra entre as cenas em família, assim como as demais cenas que compõem a série.

Outro acerto da Netflix em contraposição a outras de suas séries é a disposição dos episódios. Cada um deles gira em torno de um tema específico e não há capítulos chatos ou que não tenham nada para contar, entregando uma história bem fechada e sem momentos cansativos. Os sete episódios da primeira temporada de Samantha! cumprem o que prometem e deixam uma sensação de “quero mais” para uma segunda temporada. Quanto a isso, em uma época de séries que são canceladas do dia para a noite, só nos resta a frase bordão de Samantha: “O importante é não deixar de acreditar…”

Carioca, apreciador de filmes e séries em tempo integral, quando o Bernardo (filho dele) deixa. Iniciou sua admiração pela sétima arte com os clássicos da sessão da tarde e se apaixonou pelo mundo das séries quando o Voo 815, da Oceanic, caiu misteriosamente em algum lugar no meio do nada...