Advogados de Morgan Freeman exigem que a CNN se retrate sobre acusações de assédio

Os advogados de Morgan Freeman resolveram contra-atacar e exigiram retratação, além de um pedido de desculpas da CNN por sua matéria acusando o ator de assédio sexual. De acordo com o TheWrap, em uma carta enviada diretamente ao presidente da CNN, Jeff Zucker, os advogados de Freeman acusaram a emissora de difamação.

“Está claro que a CNN difamou o Sr. Freeman”, diz um dos parágrafos mais contundentes. “A CNN infligiu ferimentos graves em sua reputação e carreira. No mínimo, a CNN precisa imediatamente emitir uma retratação e pedir desculpas ao Sr. Freeman pelos mesmos canais, e com o mesmo nível de atenção que costumava atacá-lo injustamente em 24 de maio”, diz um trecho do comunicado.

O escritório de advocacia da Irell & Manella LLP acusou emissora e seu site de terem “intenções maliciosas, falsidades, falta de controle editorial e má-prática jornalística” com essa história em particular.

Depois das acusações feitas por jornalistas e funcionárias de sua empresa de produção, Morgan Freeman defendeu-se das denúncias, afirmando que “não é certo comparar terríveis incidentes de abuso sexual com elogios exagerados ou humor.” O ator de disse  “devastado” e emitiu uma declaração no último dia 26.

A co-autora do artigo, a repórter da CNN Chloe Melas, baseou seu trabalho investigativo em um encontro durante a divulgação do filme Despedida em Grande Estilo de 2017, durante a qual ela acredita que Freeman a assediou.  Na ocasião, segundo ela, ele teria feito comentários impróprios a ela, gravida de seis meses, olhando para ela dizendo que “gostaria de estar lá”.

Em um comunicado, os advogados do ator acusam a reportagem de ser parcial, além de insinuar racismo ao comparar uma suposta reação da jornalista em relação a outro ator presente na entrevista, Michael Caine. Veja o que diz o comunicado:

É correto que, durante a entrevista, o Sr. Freeman tenha dito: “Eu gostaria de estar lá”. Mas, Melas não tinha base factual para interpretar isso como uma declaração sobre ela, ou como assédio sexual. O vídeo deixa claro que o Sr. Freeman estava de fato respondendo a uma história que Michael Caine acabara de contar. Naquela história, o Sr. Caine parabenizou uma mulher por engravidar, apenas para descobrir o embaraço do Sr. Caine (e da mulher) de que ela não estava grávida. Quando o sr. Freeman disse “Eu queria estar lá”, qualquer espectador razoável saberia que o “lá” a que ele se referia era a conversa em que o amigo de Freeman, o sr. Caine, se envergonhara. Isso é exatamente o que o Sr. Freeman pretendia [dizer]. Apesar do que deveria ter sido claro para a Sra. Melas, ela escolheu interpretar a piada de Michael Caine, e a observação do Sr. Freeman sobre isso, como tendo algo a ver com ela e como assédio. Não se pode saber se isso foi produto de algo tão inócuo, como Melas tendo ouvido mal o que o Sr. Freeman disse, seu egocentrismo descontrolado, ou sua busca por um assediador sexual para expor, para que ela pudesse chamar atenção e avançar sua carreira. Também é preciso perguntar se Melas teria tido a mesma reação exagerada e injustificada se a observação tivesse vindo de Michael Caine ou Alan Arkin.

Os advogados de Freeman acreditam que Melas não deveria ter permissão para escrever uma reportagem baseada em sua própria experiência. “Se a CNN estivesse comprometida com uma reportagem imparcial sobre o Sr. Freeman, sobre um assunto de extrema sensibilidade e com o potencial de destruí-lo, a CNN não deveria ter permitido que isso acontecesse. Mas a CNN o fez”, concluíram os advogados.

Outras denúncias

A denúncia que originou a matéria não é a única, no entanto. No total, oito mulheres e oito testemunhas foram ouvidas e acusaram o ator.

Uma jovem assistente de produção que trabalhou em Despedida em Grande Estilo, comédia estrelada por Freeman, Michael Caine e Alan Arkin em 2017, alega que Freeman a submeteu a toques indesejados em suas costas e fez diversos comentários sobre sua aparência.

Em um dos casos, ela relatou a insistência de Freeman em tocá-la: “ele continuou tentando levantar minha saia e perguntando se eu estava usando calcinha. Ele nunca levantou a saia com sucesso, ele a tocava e tentava levantá-la, eu me afastava, e então ele tentava novamente.”

Até o momento, a CNN não comentou o caso. Os advogados de Freeman não mencionaram os outros casos.

Léo Barreto

Carioca, apreciador de filmes e séries em tempo integral, quando o Bernardo (filho dele) deixa. Iniciou sua admiração pela sétima arte com os clássicos da sessão da tarde e se apaixonou pelo mundo das séries quando o Voo 815, da Oceanic, caiu misteriosamente em algum lugar no meio do nada...