Os filmes de heróis em 2017, do pior ao melhor

A exemplo de 2016, Marvel Studios, Warner e Fox emplacaram em 2017, no total, seis filmes baseados em super-heróis. No entanto, ao contrário da leva anterior de filmes onde metade das produções não agradaram tanto o público quanto a crítica, no último ano tivemos um número maior de produções consideradas boas.

E não é somente de DC e Marvel que viveu o cinema de heróis no último ano. Os Power Rangers ganharam uma versão repaginada e até os russos se aventuraram pelo subgênero. Então vamos revisar o filmes lançados e vejamos quais os melhores e os piores filmes de heróis em 2017. Lembrando que a lista se baseia em uma opinião pessoal baseada nas críticas que estão disponíveis aqui no blog. Confira:

8) Os Guardiões 

Durante a guerra fria, uma organização chamada “patriota” criou um esquadrão de super-heróis, que inclui membros de várias repúblicas soviéticas. Durante anos, os heróis tiveram que esconder suas identidades, mas em tempos difíceis eles surgem novamente. Gostou da sinopse? Até que daria uma boa história. O trailer instigou aquele fã mais curioso do subgênero, mostrando um homem com cabeça e urso e as habilidades dos outros heróis. No entanto, a execução do filme é apressada, não há desenvolvimento algum e os diálogos são terríveis. Isto sem falar das atuações. Mas tudo bem, os efeitos especiais poderiam salvar parte da produção. Apenas poderiam, pois só não são mais genéricos que o vilão, carregado em um CGI esquisito. Valeu a tentativa mas Os Guardiões não funcionou. Pode-se extrair, no máximo, a curiosidade pura e simples, além de algumas cenas de ação bem construídas e umas boas risadas.


7) Power Rangers

A afirmação parece estranha mas colocar os Power Rangers nesta posição não torna o filme ruim. Para isso temos que levar em conta as expectativas que pessoalmente, estava próxima do zero com este filme. O pontapé inicial para uma possível nova franquia (não se sabe se isso irá acontecer) foi dado com este filme, cujo mérito reside não somente em agradar os antigos fãs (hoje na casa dos vinte e pouco ou trinta anos) e os mais novos. A representatividade mostrada e o desenvolvimento dos personagens são os grandes acertos em Power Rangers.  A equipe reúne todo tipo de adolescentes desajustados e um bom elenco jovem. O terceiro ato confuso, a vilã genérica e o CGI tosco da ameaça final jogam contra mas não tornam o filme desassistível. Leia a crítica de Power Rangers.


6) Liga da Justiça

Em termos de expectativas, potencial e pelos super-heróis icônicos, Liga da Justiça era o filme mais aguardado de 2017. Mas como tudo (ou pelos menos quase tudo) na Warner/DC nunca termina de um jeito tranquilo, os problemas começaram desde a concepção do tom do filme, passando pelo afastamento do diretor Zack Snyder até os cortes impostos pelo estúdio e as mudanças feitas na pós-produção, que incluíram até cenas adicionais conduzidas por Joss Whedon.  Liga da Justiça é um filme menor do que poderia ser mas até consegue atender, de certa forma, as necessidades do universo expandido, criado de forma apressada em 2013. A apresentação dos novos heróis não é ruim e a interação entre os heróis é excelente, podendo ser considerada a melhor coisa do filme. No entanto, a ameaça não impõe medo e o retorno de Superman, que poderia ter sido o melhor momento do longa, acaba sendo subaproveitado.  Leia a crítica de Liga da Justiça.


5) Guardiões da Galáxia Vol. 2

Quando os Guardiões da Galáxia surgiram em 2014, não representaram somente uma nova vertente para a Marvel nos cinemas. Era a chegada de um novo tom, que influenciaria novos filmes que viriam adiante. A ideia de levar as suas aventuras também para o espaço foi outra prova ambiciosa da capacidade do estúdio em ampliar o seu leque de heróis. Esta sequência, porém, não consegue superar o ótimo filme de estreia. Não pelo vilão Ego ou por conta do humor exagerado. Guardiões da Galáxia Vol. 2 parece apenas cumprir tabela e embora seja bastante divertido, com uma cena de abertura sensacional e um final surpreendente e bonito, cai no terreno dos filmes bons, porém esquecíveis. Leia a crítica de Guardiões da Galáxia Vol. 2.


4) Homem-Aranha: De Volta ao Lar

A volta para casa (Marvel) do Homem-Aranha já havia acontecido em Capitão América: Guerra Civil. Porém, em Homem-Aranha: De Volta ao Lar temos um filme solo em uma nova versão cinematográfica do herói. Desta vez vemos um Peter Parker adolescente num filme com clima de high scholl. Tom Holland e Michael Keaton são os destaques da divertida aventura. A propósito, o Abutre é o melhor vilão em filmes heróis em 2017. O Homem-Aranha pode não ser o melhor filme, mas está entre os mais divertidos de 2017. Ok, temos a necessidade quase que obsessiva da Marvel em colocar Robert Downey Jr. em muitos de seus filmes. Mas aqui ele possui uma participação importante, um pouco maior do que deveria mas que não incomoda como coadjuvante de luxo.  Leia a crítica de Homem-Aranha: De Volta ao Lar.


3) Thor: Ragnarok

Há quem tenha odiado este filme e de certa forma, é compreensível. Ele destoa bastante das duas aventuras solo do herói, que por outro lado, nunca foram sucesso entre o público. Ao analisarmos este filme como proposta, o diretor Taika Watiti fez de Thor: Ragnarok a grande e divertida piada da Marvel nos cinemas. A aventura não se leva a sério e escolhe, na base do humor, entregar o filme mais engraçado do estúdio.  Ao torná-lo uma produção que não utiliza a comédia como referência mas desenvolve sua narrativa em cima disso, a Marvel mostra que o sub-gênero possui diversas possibilidades que vão além da aventura com piadas, ou do tom realista e sombrio. Leia a crítica de Thor: Ragnarok.


2) Mulher-Maravilha

Depois de um 2016 que esteve longe de se tornar inesquecível, com os fracassos de crítica em Batman vs Superman e Esquadrão Suicida (e que voltariam a acontecer meses mais tarde), Mulher-Maravilha tornou-se o ponto fora da curva da Warner/DC. Mas de uma forma extremamente positiva. Captada sob uma ótica feminina pela diretora Patty Jenkins, o carisma de Gal Gadot e a história que abre espaço para o humor, sem deixar a aventura de lado, nos mostra uma heroína que coloca sua fé na humanidade acima de tudo. As cenas que mostram as amazonas na ilha de Temiscira são inspiradoras para as mulheres (sobretudo as jovens fãs do gênero que puderam se sentir representadas) assim como as batalhas durante a guerra. O confronto final pode soar um pouco genérico mas o filme é muito bom e entrega de tudo um pouco de maneira equilibrada e eficiente.


1) Logan

O longa dirigido por James Mangold foi o primeiro filme de heróis a estrear em 2017. E também foi o melhor. Logan é um filme sujo, áspero e que nos leva para dentro daquele universo de forma plausível, onde quase nos esquecemos por instantes que existem mutantes ali inseridos. É ai que reside o grande mérito da história em si, fazendo com que haja um senso de humanidade muito presente no filme. Ainda que não seja a maior obra-prima entre os mais de 50 filmes de super-heróis já feitos até hoje, Logan poderá compor listas dos melhores com obras como O Cavaleiro das Trevas Homem-Aranha 2 Antes de tudo, é uma obra apreciável e que chega a um patamar que transcende o gênero, onde sem exageros, sabe dosar todos os seus componentes para compor um resultado surpreendente. Isto sem mencionar as grandes performances de Hugh Jackman, Patrick Stewart e Dafne Keen.

Concorda ou discorda com a lista? Deixe seu comentário e diga qual o melhor e o pior filme de heróis em 2017.


Clique aqui e curta a Quarta Parede no Facebook

Léo Barreto

Carioca, apreciador de filmes e séries em tempo integral, quando o Bernardo (filho dele) deixa. Iniciou sua admiração pela sétima arte com os clássicos da sessão da tarde e se apaixonou pelo mundo das séries quando o Voo 815, da Oceanic, caiu misteriosamente em algum lugar no meio do nada...