Crítica | Game of Thrones 7×02: Stormborn

Ao longo de seis temporadas, Game of Thrones se notabilizou pelas articulações entre personagens em seus diversos núcleos. No entanto, a partir da segunda temporada, muitos deles assumiram jornadas diferentes. Agora estamos diante de um momento em que as conexões irão acontecer de forma mais intensa, ligando personagens e situações ocorridas em episódios anteriores. Stormborn definiu isso bem e colocou em situações inversas a detentora do Trono de Ferro e a atual postulante.

Os reencontros de Arya trouxeram um ar nostálgico ao episódio dois. Há uma cena onde toda sua evolução é expressa de maneira simples. Quando ela pede ao simpático Torta Quente mais uma cerveja, nota-se que aquela menina que fugiu de Porto Real já não é mais a mesma. De fato sabemos que nada será como antes, assim como seu reencontro com Nymeria expressa bem esse sentimento.

A cena é grandiosa ao mostrar com muita fluidez a loba gigante e sua alcateia, e simbólica, pois muito tempo depois tudo acaba mudando, embora a essência possa ser preservada. A surpresa da menina ao saber que Jon Snow agora é protetor do Norte também mostra que, se você não tem um bom corvo ou passarinhos que possam cantar por ai, as notícias chegam bem atrasadas. Sabemos o caminho que ela tomou mas qual será a sua real decisão? Seguir para a capital e matar a rainha ou reencontrar a família no comando de Winterfell?

As conexões em Game of Thrones também dão a muitos personagens a oportunidade de se lembrarem uns dos outros. Este é o caso de Jon, que ao anunciar sua ida a Pedra do Dragão, possui total desaprovação dos lordes nortenhos. Mais uma vez a tensão se estabeleceu entre ele e Sansa, fato que foi amenizado pela nomeação dá liderança interina da Stark, o que demonstra confiança e um ato de boa fé do irmão.

De fato, é totalmente compreensível que os lordes tenham um pé atrás com os Lannisters pois os mesmos conspiraram com os Bolton no Casamento Vermelho. Da mesma forma, tendo o Rei Louco sido um Targaryen, como confiar em Daenerys Targaryen? Imagine o que eles pensariam se soubessem o que Bran Stark viu, a propósito. É impressionante, no entanto, como muitos parecem não ter a real dimensão do que está por vir, mesmo aqueles que são os que coroaram o bastardo.

Jon também dá o seu voto de confiança à Tyrion e ao aceitar o convite para ir a Capital, ouve que da última vez que isto ocorreu um Stark foi morto. A vida não é feita de estatísticas exatas mas a história cria, através de acontecimentos diversos inevitavelmente, lendas e falácias a respeito de muitas coisas. Jaime Lannister, o regicida, que o diga. Também é curioso reconhecermos que somente quem viveu uma história em sua totalidade é capaz de distinguir o mito do fato verdadeiro, assim como nos livros de história que nos foram apresentados na vida real. Jon Snow esteve em Durolar e viu de perto os perigos dos white walkers e o que o Rei da Noite é capaz de fazer. Ele também viajou com Tyrion para a Muralha, na primeira temporada.

Em Pedra do Dragão, Daenerys está segura de si. Demonstrando extrema confiança em Tyryon, sua decisão em cercar Porto Real, a primeira vista, parece bastante inteligente. Ela apenas não contava com a investida de Euron Greyjoy. A cena de batalha não é grande o suficiente para criar um grande impacto mas é visualmente bem executada e coreografada.  A propósito, esta é mais uma batalha no mar que é retratada a noite em Game of Thrones.

No mar, este outro aspirante ao trono parece ter conquistado seu objetivo. Capturar Ellaria Sand e Yara Greyjoy, matar duas serpentes de areia e fazer Theon Greyjoy literalmente abandonar o navio é um presente e tanto para Cersei Lannister. A guerra entre as duas rainhas em Westeros teve a primeira batalha e para quem achava que os dragões e a imensa frota seriam garantia de invencibilidade, esses fatos parecem ter mudado essa forma de ver o conflito.

Na arena Daznak, no episódio 9 da 5º temporada, Drogon foi ferido por lanças atiradas contra ele. Toda dinastia termina de alguma forma e a dos Targaryen precisou, de alguma forma, acabar sem que houvessem mais dragões. Quando Qyburn mostra a Cersei a arma que pode atravessar um crânio desta criatura gigante, passamos a enxergar as forças da capital com outros olhos.

Seja um Dragão

Em um determinado momento do episódio, Ollena Tyrell diz a Danerys para ser um dragão. O plano de Tyrion parecia perfeito e de fato ele usa ao seu favor, desde o começo, sua inteligência para sobreviver. Mas segundo ela adverte, entretanto, homens muito inteligentes morreram antes dela. Além de sua neta, uma rainha amada pelo povo também ter sido morta. O uso da força ainda é um mal necessário? Eis o perigo: Daenerys está segura de si mas se abraçar a tirania, poderá acabar até louca, como seu pai.

A trama de Samwell Tarly tem sido uma das mais interessantes nesta temporada de Game of Thrones. Ela vem mostrando, na Cidadela, uma evidente acomodação de homens extremamente sábios mas que tem se mostrado descrentes com determinados assuntos e levando tudo no piloto automático. Ele é um estudioso e não um guerreiro, motivo pelo qual seu pai o mandou para a Muralha. Falando nisso, o lorde Tarly é um dos convidados para jurar apoio a rainha, na capital, fato que ele se nega a fazer.

A boa vontade de Sam em ajudar Jorah Mormont e praticar os ensinamentos que tem lido em segredo podem ajudar o cavaleiro a curar sua doença, tida como fatal. A menção ao Ex-Senhor Comandante Mormont também conecta os dois personagens de forma interessante e a química em cena a tornou uma das mais bem executadas no episódio. Mesmo sendo angustiante e nojenta, ela termina com uma excelente transição para outra cena onde uma torta é saboreada em uma taberna. O trabalho do diretor Mark Mylod, a propósito, é muito competente em Stormborn, com inteligentes tomadas e uma batalha bem coreografada.

De fato foi neste  episódio que a temporada começou a desenvolver sua trama, embora tenha sido apenas mediano. Trazendo um primeiro revés de Daenerys e com os planos de Jon em execução. Convencer a Nascida da Tormenta de que a prioridade está ao sul da muralha não será fácil, muito menos conseguir o vidro de dragão. Este será o primeiro encontro destes personagens em Game of Thrones e provavelmente um dos mais aguardos deste ano, na série.

Últimas palavras

* Qual será a reação de Jon Snow e Davos ao ver Melisandre em Pedra do Dragão? Curioso para ver isso.

* O plano de Tyrion que inclui levar os Imaculados ao Rochedo Casterly finalmente irá mostrar a sede dos Lannisters na série. Isto é se não houver mudança de planos e Daenerys resolver ir com tudo para a capital.

* Euron Greyjoy é tido como um potencial enorme para ser um vilão memorável. Mas até agora, não houve nenhum ato que o público pode ter detestado tanto. As serpentes de areia, da série, até foram tarde para muitos e ninguém deve ter fica triste.

* O romance (sim) entre Missandei e Verme Cinzento finalmente chegou as vias de fato. Será mesmo necessário dar tanto tempo de tela aos dois? Outro fato: por conta da guerra, será que vai ser a primeira e última vez?


Clique aqui e curta nossa página no Facebook!

Carioca, apreciador de filmes e séries em tempo integral, quando o Bernardo (filho dele) deixa. Iniciou sua admiração pela sétima arte com os clássicos da sessão da tarde e se apaixonou pelo mundo das séries quando o Voo 815, da Oceanic, caiu misteriosamente em algum lugar no meio do nada...

One thought on “Crítica | Game of Thrones 7×02: Stormborn

Deixe seu comentário: