Crítica | The Night Of 01×05: Season of The Witch

Sensacional é a definição que melhor pode caracterizar o episódio The Season of The Witch, o melhor de The Night Of até aqui. Intenso, nervoso e investigativo, a trama avançou de forma consistente e provou que Steven Zaillian e Richard Price estão entregando uma das melhores séries do ano de 2016.

O que se viu foi basicamente foram os dois lados da moeda em ação. Jack Stone e Chandra se unindo profissionalmente da mesma forma que Helen Weiss e Dennis Box, as feras sutis. A montagem do episódio tratou de enfatizar todo o trabalho minucioso e movimentar de peças de ambas as partes, embora tenha sido dado um tempo de tela maior para John Turturro, o que não é a toa. Ele rouba a cena a todo momento com uma presença absurda, vivendo aquele que é o personagem mais humano da série. Mesmo sem querer ser engraçado, acaba se tornando várias vezes o alívio cômico e isso funciona sem ser exagerado ou inoportuno. Não seria exagero dizer que sua presença nas futuras premiações por este trabalho deverá acontecer.

The-Night-Of-Jack-Stone-Chandra

Chandra realmente será a advogada de defesa de Naz e como já era de se supor, após realizar um acordo com John, os dois irão trabalhar juntos. O momento da negociação é muito bom por sinal. É uma dupla que parece ter tudo para funcionar, com química e boas cenas. Amara Karan tem umas expressões muito engraçadas, como quando lança olhares para John cuidando do pé e você pode imaginar o que passa pela sua cabeça. Ela não conhece muito desse sistema, o qual os outros mais experientes militam há muito tempo mas parece compensar esse fator com um senso bem analítico, o que deve completar o ímpeto de seu novo parceiro.

The-Night-Of-01x05-Chandra

John fez de tudo neste episódio: resgatou o gato de Andrea, o abrigou e comprou brinquedos; deu palestra na escola do filho; comprou viagra ilegalmente; foi ao médico mais uma vez; subornou um traficante e agiu como detetive quando foi em direção a Trevor na lavanderia. Foi dele o brilhante insite de que o crime de perjúrio poderia ser caracterizado não só para ajudar no caso mas para chegar ao nome de Duane Read. É nesses momento que você se pergunta: custava a polícia realizar este trabalho? A certeza da culpa do acusado é tão grande que não pode possibilitar uma investigação minuciosa? Quem detêm os detalhes importantes acerca desses fatos é somente John, que esteve a par do ponto de vista de Naz e isso em nenhum momento foi levado em consideração.

A decisão de Jack em contratar um fotógrafo também é acertada e poderá fazer a diferença, pelo trabalho detalhista em uma longa cena que não deve ter sido mostrada a toa. Mais uma vez a porta dos fundos foi evidenciada e o sangue, mesmo que possa ser de um esquilo também serve de alerta. John parece acreditar no caso e obstinado a provar a inocência de Naz, se entrega ao caso de forma energética. O ápice é a cena onde ele vai atrás de Duane nos fundos de um mercado em um lugar ermo e abandonado. Tudo realmente parece estar conectado a algo relativo a tráfico de drogas. A única ressalva é que a situação soou um pouco absurda, mesmo para alguém que está obstinado, ainda que possua uma chave de roda na mão. A cena final que nos mostra um flash de luz azul é a mesma que abre o episódio e fica a dúvida se será algo ruim ou algum tipo de recurso apenas para nos ludibriar.

The-Night-Of-01x05-Jack-Stone

Do outro lado, Helen Weiss quer acabar com qualquer possibilidade de chances para Naz e faz de tudo para que isso aconteça: chama Trevor ao seu gabinete, pede para Box reconstituir minuciosamente os passos do acusado e em uma cena mórbida, vai até o necrotério persuadir um amigo legista para que o mesmo dê seu depoimento a favor da promotoria. Quando o médico pede que ela deixe a foto da mão cortada de Nasir em cima do cadáver, não só causa estranheza mas também rima com a banalidade como as pessoas tratam as fotos de Andrea e da cena do crime.

Jeannie Berlin esteve muito bem assim como Bill Camp, que aqui mostra todo o processo de apuração dos passos de Nasir em sua noite fatídica. Chega a ser meio espantoso como ele aparece nas câmeras de segurança para observar o ponto de vista da rua. Mas apesar de todo o apuro empregado, mais uma vez nota-se que a tentativa de provar a culpa é mais importante do que evidenciar a verdade. Isto fica claro quando os resultados dos exames toxicológicos são revelados (bom menino) e ao analisarem a gravação do momento que Andrea entra no taxi, chegam a conclusão de que “ele estava a espreita”.

The-Night-Of-01x05-Helen

Em Rickers Island, Naz cada vez mais incorpora o personagem de presidiário. Agora sob a tutela de Freddy, começa a desfrutar do bônus e também conhece o ônus da proteção. Sua mudança de atitude é radical e isso inclui um visual de cabeça raspada (o que não é bom para sua imagem segundo John) , comportamentos abusados e expressões mais fechadas. A agressividade foi posta a prova quando Calvin foi entregue para que ele o agredisse e a sequência de socos e pontapés são tão surpreendentes quanto incômodas e viscerais. Em um curto espaço de tempo, uma personalidade tão diferente poderia se modificar dessa forma? Talvez na cadeia as coisas ganhem uma proporção bem maior, devido ao confinamento e o clima tenso.

Naz tem tudo para se complicar ainda mais. Não somente pelos resultados dos exames que apontaram uso de anfetaminas, mas pelo novo trabalho que precisa realizar para Freddy. A descoberta evidenciou o primeiro deslize de Naz e ainda precisamos saber o porquê desta mentira. Quanto ao seu novo trabalho, não bastasse um desagradável treino com as uvas, a cena em que ele expele as drogas que engole no encontro com os advogados é incômoda e retrata todo esse sistema paralelo onde certas coisas precisam ser feitas pela sobrevivência.

The-Night-Of-01x05-Naz-John

Ago que fica bem claro em The Night Of é que ambos os lados precisam tomar essas atitudes para se manterem vivos ou em suas posições, mesmo que o necessário não seja o mais ético ou correto a se fazer. Como se não bastasse, os sócios de Salim irão realmente processar o rapaz para obter o táxi de volta. John o adverte para que não seja pego traficando drogas, senão será o fim da linha, mas as coisas já estão se complicando demais do outro lado do muro de Rickers.


Se você gostou dessa publicação, deixe sua opinião, comente e participe. Para acompanhar as publicações do Quarta Parede, siga as redes sociais do blog e receba notificações de novos posts!

Léo Barreto

Carioca, apreciador de filmes e séries em tempo integral, quando o Bernardo (filho dele) deixa. Iniciou sua admiração pela sétima arte com os clássicos da sessão da tarde e se apaixonou pelo mundo das séries quando o Voo 815, da Oceanic, caiu misteriosamente em algum lugar no meio do nada...