Crítica | Master of None: 1º Temporada

Uma das grandes surpresas de 2015, Master of None é uma série que se notabiliza mais pelos diálogos e circunstâncias do que pelas atuações em si. Não por conta dos atores, mas o fato de ser comum é o que a torna diferenciada e incomum para o gênero o qual é caracterizada. Desta forma, nem sempre haverão gargalhadas e piadas, mas sobrarão situações com as quais jovens adultos irão se identificar.

Quando pensamos em comédia logo nos vem a cabeça tradicionais siticoms como Friends, How I Met You Mother, The Big Bang Teory entre outros. Em Master of None, no entanto, há uma quebra desse paradigma, tanto no que foi mencionado acerca dos diálogos, quanto na montagem e fotografia (belíssima por sinal). A série consegue ser divertida e ao mesmo tempo abordar temas como racismo, imigração, relações entre pais, filhos e avós, casamento, namoro e homossexualismo. A diversidade é um viés bastante explorado e muito bem vindo, de forma bem natural.

O protagonista é Dev, é um ator  de Nova Iorque, filho de pais indianos imigrantes (que por sinal são os pais do próprio ator Aziz Ansari) que tenta emplacar a carreira mas se vê envolto em testes para papéis pequenos ou comerciais de TV. Além disso, são retratados diversos acontecimentos com os seus amigos Arnold, Brian e Denise, e desenvolve o relacionamento amoroso com Rachel, que é apresentada no início do primeiro episódio em uma situação bem constrangedora.

O uso da tecnologia aparece com frequência, nos trazendo para situações bem corriqueiras do mundo atual, como quando se vêem com seus Smartphones na mão para pedir comida, pesquisndo sobre pílula do dia seguinte durante uma relação ou até mesmo verificar o Waze para ver o melhor caminho e fugir do trânsito. Tudo isso torna a trama crível e nos aproxima da narrativa de forma bem orgânica. Além disso, cabe ressaltar que a trilha sonora é bastante agradável e casa perfeitamente com o tom da série. Não é uma série perfeita pois em alguns momentos peca um pouco no ritmo, mas nada que comprometa e com certeza é mais um acerto dentre as novas produções que surgiram em 2015.

Master of None está disponível na Netflix e a primeira temporada tem 10 episódios de aproximadamente 30 minutos cada.

4 estrelas e meio

Siga as redes sociais do Quarta Parede, logo abaixo da área de comentários ou no menu à direita!

Carioca, apreciador de filmes e séries em tempo integral, quando o Bernardo (filho dele) deixa. Iniciou sua admiração pela sétima arte com os clássicos da sessão da tarde e se apaixonou pelo mundo das séries quando o Voo 815, da Oceanic, caiu misteriosamente em algum lugar no meio do nada...

6 thoughts on “Crítica | Master of None: 1º Temporada

Deixe seu comentário: